de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Julho , 2009, 21:08


O RAPAZINHO DO FARNEL


Não estranhes, bom moço, receber uma carta aberta escrita em português corrente. Ainda não aprendi, como os teus colegas, a fazer a “escrita inteligente”. Tenho pena, mas paciência!
Sou um padre que vive à beira-mar, junto do Atlântico. Estou a ficar idoso e, desde muito novo, apreciei o que se diz de ti no Evangelho da multiplicação dos pães, recordas-te?!
São duas coisas que me impressionam muito: o seres novo e o teres procedido daquela maneira. Estou convencido que também foi isto que mais despertou a atenção de quem escreveu aquele episódio. Olha que nem registou o teu nome, nem o dos teus pais, nem da tua terra. Só aquelas duas coisas. Tu, se calhar, gostarias de ser tratado pelo nome, e eu também, porque o nome tinha um significado próprio e dava a conhecer quem nós éramos no sonho de Deus.

Acho interessante que sejas conhecido por “o rapazinho do farnel”. Sabes porquê?! Eu dou-te a minha explicação. Este nome indica a maravilha da tua idade e a grandeza da tua acção. De agora em diante, todas as pessoas são convidadas a serem como tu: atentas e amigas, confiantes e próximas, ousadas e previdentes, generosas na doação, joviais no espírito, discretas na acção. O farnel manifesta o teu modo de ser e a quantidade de alimento a tua maneira de proceder.

Agora tenho uma pergunta a fazer-te. Por que levaste cinco pães e dois peixes? Não era demais só para ti ou preocupava-te outra coisa? Inclino-me mais para esta segunda hipótese porque a bondade do teu coração desejava ouvir Jesus ainda que tivesses de correr alguns riscos. E também aceito que pressentias algo mais: a fome que podia vir, o descuido de alguém sem alimento, a possibilidade de seres útil. Parece-me que a tua imaginação abria horizontes ao teu coração. Ou então o episódio tem ainda outro sentido. É quase certo!

Admiro a prontidão do teu gesto. Confiante, partilhaste. Entregaste a André o que tinhas. Filipe olha estupefacto. Jesus assume o teu farnel, agradece a Deus a sua bondade e multiplica a tua generosidade. E a multidão sacia a fome com o alimento repartido.
Obrigado, rapazinho do farnel! Pela tua mocidade que se revela ser garantia da esperança de todas as idades da vida. Pela tua doação que rasga horizontes de proximidade. Pela partilha “do pão e do peixe” que manifesta uma nova relação com os bens. Pela atitude confiante que desvenda outro rosto de Deus no proceder de Jesus: É um Deus que se preocupa com a sorte da humanidade, que não é auto-suficiente, que aprecia a eficácia e a organização, que não prescinde da nossa colaboração.

Obrigado, rapazinho do farnel. A tua discreta intervenção põe em evidência para sempre uma grande mensagem: os milagres de Jesus passam pelas nossas mãos; os cristãos são convidados a comportar-se como pão que se parte e reparte por um mundo novo, por uma sociedade onde haja lugar para todos no banquete da vida.

Aceita o meu abraço amigo e agradecido!


Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Junho , 2009, 00:06

Na loja de Deus só temos sementes e não árvores

Fui à feira do mundo. Atraído por um slogan, entrei na zona das lojas. Encontrei de tudo, até uma que, em reclame publicitário, reluzia ao longe: “Loja de Deus”.
Cheio de curiosidade, entrei com cuidado e pus-me a observar. Aproxima-se de mim o empregado que, solícito, me pergunta: “que deseja, senhor?”
Eu, que ainda não tinha desejos claros, senti-me cúmplice e disse, a conta-gotas, com humilde simplicidade: “Eu preciso de algo que suavize as minhas necessidades: paciência, sobriedade, atenção aos outros, delicadeza, humor, olhos limpos de preconceitos, coração sem pressas de julgar”.
«Quero felicitá-lo porque acertou em cheio. Aqui temos o que procura e ainda mais» – respondeu, sem demora, despertando em mim uma enorme curiosidade e alegria.
Ia a retirar-se quando lhe disse a quantidade dos produtos que pretendia. Anotou, sorridente, e foi-se.
A minha expectativa era enorme... Os momentos de espera foram longos e sofridos. Era desta vez que alcançaria o que há muito procurava.
Finalmente, vejo por trás da estante a silhueta do funcionário que regressa. Entro em agitação exultante. Aproxima-se de mim com uns saquinhos que continham pequenas quantidades, bem doseadas e arrumadas.
“Mas”… ia eu a perguntar, quando ele me disse com voz clara e ar sorridente: «Na loja de Deus, só temos sementes e não árvores. Ofereço-lhas, de boa vontade, pois aqui tudo é gratuito. O resto é consigo e com a sua família ou colegas de trabalho, com a sociedade e a comunidade cristã a que pertence.
A árvore e os frutos que produz são o símbolo da nossa vida. Hão-de brotar, crescer, amadurecer e serem saboreados com esforço persistente e ambiente favorável. Embora a seiva que lhe imprime tal ritmo e vitalidade ultrapasse a nossa compreensão. Pertence a Deus!»
Agradeci ao Anjo do Senhor o seu sábio conselho e, desde então, vou tentando ser um ramo novo da Árvore da Vida que um dia foi semente em germinação.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Domingo, 31 Maio , 2009, 22:25

O SOPRO DE JESUS


Jesus escolhe o gesto do sopro para comunicar o Espírito Santo, o dom de Deus por excelência. Comunica-o aos discípulos, fazendo deles apóstolos, comunica-o à Igreja a fim de ultrapassar as fronteiras da sinagoga e se abrir sem medos à universalidade da missão; comunica-o a cada um de nós para que – como São Paulo – vivamos para o Senhor e para os outros e não apenas para nós mesmos.

Antes de fazer o gesto, Jesus identifica-se. Mostra as mãos onde se mantêm as cicatrizes da crucifixão e apresenta o lado com as marcas da flagelação. Sou eu mesmo e não um fantasma – afirma. Vivo uma vida nova que não se parece em nada com a vida material ou virtual. Compreendei o gesto que vos faço. Acolhei e apreciai o Espírito que vos confio em nome do Pai. Deixai-vos guiar por Ele, pois fica constituído em memória permanente e viva de quanto vos transmiti e em garante fiel de quanto vos vai ser pedido para realizardes a missão que vos entrego.

O sopro de Jesus é para os discípulos o que o alento de Deus foi no alvor da criação, dando vida a todas as coisas e gerando a harmonia do universo; é para os profetas o que a brisa suave foi para Elias, atestando a presença qualificada de Deus junto de quem permanece fiel, mesmo no meio da perseguição; é para a Igreja ao longo da história o que foi para os membros da primeira comunidade cristã: agente de transformação, força de comunhão que vai integrando diferenças legítimas, linguagem de comunicação que a todos quer fazer chegar a novidade de Jesus, em favor da humanidade inteira.

Mas quantas vezes, os ruídos se infiltraram e surgiram os monólogos e as deturpações, a comunhão cedeu lugar à desunião e ao mútuo desconhecimento, a renovação foi suplantada pela manutenção e conservação das tradições, a brisa suave foi varrida pela tempestade violenta das guerras, sem conta, o alento criador foi usurpado pelas forças da morte, de todos os naipes.

O sopro de Jesus tem sempre uma importância vital para os discípulos, a Igreja enquanto comunidade instituída, a humanidade com família de irmãos. Ele é Espírito e não os espíritos, as forças ocultas e malfazejas, as correntes dinâmicas de esoterismo, os estados sentimentais e fundamentalistas. O sopro de Jesus constitui o gesto da nossa marca e do nosso estilo. Faz-nos apelos à intervenção coerente, lúcida e realista, numa sociedade cheia de luzes e sombras.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 15 Maio , 2009, 12:01

A alegria é o melhor lenitivo do coração humano: espelha a saúde orgânica, manifesta a qualidade dos afectos, dá nobreza aos sentimentos, revigora a generosidade da doação, alarga ao Infinito os horizontes das aspirações. O testemunho mais eloquente do que acaba de ser afirmado é dado por Jesus de Nazaré, testemunho recordado no evangelho: “Disse-vos estas coisas para a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa.”

1. E que coisas são essas? – pode perguntar-se.
A resposta é clara: o amor que se faz doação, a verdade que liberta, a sabedoria que atrai, a comunhão nas diferenças que enriquece, o serviço aos outros que humaniza.
Esta resposta tem rosto humano, sempre que cada pessoa assume atitudes e cultiva sentimentos como os de Jesus Cristo, sempre que os grupos sociais e as organizações políticas e culturais se regem pelos valores da solidariedade e pela ética da responsabilidade.

2. Há pessoas que, nestes dias, se destacam no anúncio das “coisas” que geram alegria, lançam sementes de paz e apontam caminhos concretos de humanização da sociedade e das relações entre os seus membros e as suas organizações.
Bento XVI abre a lista destas pessoas. Na Terra Santa, faz gestos e deixa mensagens cheias de realismo sadio e esperança confiante. O seu núcleo principal pode condensar-se no apelo ao “derrubar muros”, não apenas os materiais, mas os do coração que separam, segregam, discriminam, marginalizam. “É necessário abater os muros que construímos em redor dos nossos corações, as barreiras que levantamos contra o nosso próximo”.
Também o presidente da Caritas Internacional, Cardeal Maradiaga, mantém o tom do anúncio que interpela e abre horizontes de nova humanidade. Em Fátima, onde preside à peregrinação de 13 de Maio e em entrevistas aos meios de comunicação, não se cansa de afirmar: Estamos a tratar a crise de forma superficial, o dinheiro é preciso, mas o mundo perdeu o norte, está vazio e desorientado. “O homem precisa de um GPS (sistema de orientação por satélite) espiritual”, de “coisas” que dão consistência, alegria e saúde ao coração humano e à sua nova relação com os bens.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Julho , 2008, 19:31

Crescem os sinais de um mundo violento, de sociedades amedrontadas, de grupos étnicos e religiosos em sobressalto e sob pressão, de famílias destroçadas e em pânico, de pessoas ameaçadas em convicções e haveres.
Estes sinais contrastam radicalmente com as aspirações profundas do coração humano, com os dinamismos da convivência social em harmonia, com a vontade genuína e autêntica de tantos movimentos pacifistas, com os propósitos generosos de construtores da paz assente no respeito pela dignidade dos outros e pelo reconhecimento dos bens a que têm direito, com a esperança consistente e mobilizadora das comunidades eclesiais, com a seiva vitalizante da mensagem cristã que Jesus Cristo nos deixa como “marca de estilo” de quem é seu discípulo e testemunha.
Este contraste é sinal do desequilíbrio em que se encontra a escala de valores que “comandam” a consciência humana, pessoal e colectiva: o interesse individual acima de tudo, o patamar social superior às posses reais, a cultura do brilho ainda que efémero, a intensidade das emoções mesmo que espezinhem as convicções, a preferência pelo que dá prazer e pela reacção “à flor da pele”, o adiar continuo dos apelos éticos que brotam da interioridade humana, o esquecimento voluntário da relação que a todos irmana na mesma humanidade e no ideal comum de uma vida feliz para cada um.
Jesus vem ensinar-nos a repor o equilíbrio, fazendo propostas de humanização integral. Face à confusão geral provocada pelo sistema legal – havia 613 mandamentos! –, deixa claro que só o amor pleno dá sentido à vida. Perante a ânsia de ter em abundância bens e outros valores efémeros, lembra que é mais importante ser humano e progredir constantemente em humanidade solidária. Ante o recurso à força para repor o direito ou vingar ofensas, exorta à reconciliação benevolente, à reparação justa e, se necessário, ao perdão incondicional. Face à auto-suficiência exorbitante e descabida, aconselha a simplicidade da verdade e o reconhecimento das limitações. Diante de quem se menospreza e amesquinha a si mesmo, exorta ao apreço e à consideração que lhe advém da sua condição humana e filiação divina.
Jesus apresenta a força do seu exemplo como testemunha do ser humano a que todos estamos chamados. "Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração". E do exemplo da sua vida brota uma energia, suavemente forte e violenta, que actua a partir de dentro de cada pessoa e a transforma. É uma violência que corresponde à intensidade da resistência humana e, progressivamente, a vai reduzindo e reencaminhando. É uma violência que acalma ânimos exaltados e eleva espíritos abatidos para os situar de novo no patamar da sua dignidade. É uma violência posta ao serviço da verdade que liberta e abre caminhos novos de humanização integral.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Junho , 2008, 20:33

Não há alternativas. Estar ou não estar do lado de Jesus. Aqui, agora e sempre. A opção é nossa, de cada um. Pode tomar-se em qualquer ocasião. E refazer-se em todas as circunstâncias. “Quem se declarar por mim, eu me declararei por ele” é afirmação sentenciosa clara, firme e comprometedora.
Estar do lado de Jesus é ser presença junto daqueles que Jesus ama: os construtores da paz, os mensageiros da justiça, os arautos das boas notícias do mundo, os voluntários de todas as causas humanitárias, os defensores da dignidade humana, os amantes de uma vida sóbria, os íntegros de carácter e honestos de atitudes, os transparentes e puros de coração.
Estar do lado de Jesus é viver a confiança e cultivar o risco ousado, é alicerçar convicções nobres e nutrir emoções positivas, é preferir a promoção das pessoas à eficácia do êxito, é amar gratuitamente dando preferência aos empobrecidos de tudo, sobretudo de consideração, de estima, de atenção.
Onde está Jesus está o melhor do ser humano, de toda a humanidade: respeito sagrado pela consciência, proximidade solícita face aos excluídos dos bens da vida, entrega generosa e abnegada pelos indefesos e perseguidos, perdão incondicional aos ofensores, amor sem limites aos inimigos.
A pessoa humaniza-se na medida em que estiver ao lado de Jesus, cultivar a sua opção de vida, preferir o seu estilo de relação e assumir a sua forma de compromisso.
A sociedade é espelho da condição humana que Jesus dignificou, repondo as leis ao serviço das pessoas, abolindo tradições sem sentido, transgredindo normas menores opressivas, abrindo horizontes de cooperação, dando espaço aos marginalizados, purificando as aspirações dos sonhadores e propondo a todos uma qualidade de vida de excelência no amor e na paz.
Com Jesus nada se perde nem desvirtua. Tudo se assume e eleva, a fim de condizer com a nossa comum dignidade humana. Vale a pena estar do seu lado, apostar nele, correr o risco com ele.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 14 Junho , 2008, 19:18

1. Jesus inicia a missão que pretende realizar. Percorre cidades e aldeias na região de Cafarnaúm. Provoca encontros nas ruas, entra nas sinagogas, detém-se na praça pública. Observa atentamente as pessoas, a organização da sociedade e as condições de vida. O seu olhar penetrante chega ao mais íntimo do ser humano. Os seus ouvidos escutam o inaudito que o faz vibrar. O seu coração estremece de emoção cheia de amor. E, sem mais demoras, dá largas à acção que liberta e à palavra que rasga horizontes. E numa ousadia, sem precedentes, chama pelo nome os homens que quer, começando assim a lançar os fundamentos da Igreja. Considera tão importante o que lhes vai pedir que reconhece a sua identidade pessoal, transmite-lhes a mensagem que hão-de anunciar, define-lhes as prioridades no agir e apresenta-lhes uma espécie de regras de actuação.
2. Outrora eram as multidões; hoje é o povo, de que fazem parte os indivíduos. O cansaço e o abandono espelham o seu estado de ânimo, mostram o seu desalento perante as condições de vida, a sem esperança com que encaram o futuro, prolongamento cego de um presente amargado. E, hoje como ontem, o cortejo dos abatidos integra os empobrecidos de bens indispensáveis, os solitários de todas as companhias, os explorados da dignidade inalienável, os ignorantes de todos os direitos, os “atirados” para as margens da vida como material descartável, os sujeitos às mais diversas formas de trabalho precário, os “mal vistos” pelas instituições do poder e pelos fazedores da opinião publicada: os rebeldes sociais e políticos, as mulheres libertárias, as vítimas das atrocidades autoritárias, os pesquisadores de energias alternativas e de organizações mais participativas da sociedade, os “cobradores” de outras economias que sabem fazer do lucro um meio para gerar bem estar social para todos. Os cansados da vida constituem presa fácil do desespero, da violência e do fanatismo, sobretudo quando abandonados e vilipendiados.
3. Hoje e sempre é Jesus que, de muitos modos, vai à frente na manifestação de reacções positivas, vencendo a indiferença e a distância, no apreço pela consideração de cada um e de todos, nas propostas inclusivas de humanização, nas atitudes de solidariedade, nos gestos de amizade, nas parcerias de acção. Se vai à frente, outros vão com ele, são seus companheiros desejosos de se tornarem discípulos, apóstolos e testemunhas. Outrora foram uns que têm o seu nome nos Evangelhos. Hoje somos nós os convidados para tão nobre e entusiasmante missão. Somos nós o “coração” de Igreja solícita e compassiva, o rosto sensível da humanidade nova, os artífices confiantes de uma sociedade inclusiva das pessoas e do bem integral para todos.
Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Domingo, 08 Junho , 2008, 20:43

A todos quantos este Manifesto virem, saúde e paz!
Eu, Mateus, e meus companheiros cobradores de impostos na região de Cafarnaúm no tempo de Herodes Antipas, estivemos sentados à mesa com Jesus de Nazaré numa refeição de amigos, após ele me ter chamado para seu discípulo.
O meu chamamento aconteceu de forma simples: vi um homem decidido a avançar para mim e aproximar-se do meu posto de cobrança. Senti a profundidade e sedução do seu olhar. Escutei o convite/apelo que me dirigiu: “Segue-me”.
Imediatamente, me levantei e deixei o trabalho. Uma força interior se apoderou de mim, me atraiu e encantou. Fiquei de tal modo “apanhado” que nem sequer fiz perguntas. Nada me preocupava: nem família, nem profissão, nem obediência ao meu chefe nem ao delegado do Imperador. Confiei simplesmente e aventurei-me sem calculismos. A inteligência não entendia, mas o coração dizia-me que aquele convite era uma “caixa” de surpresas para mim. E foi! Posso comprová-lo com abundantes provas que vivi mais tarde.
Atesto, por minha honra, que à mesa todos eram tratados por igual. Na conversa não se perguntava o que fazia cada um nem donde procedia, embora todos soubéssemos que partilhávamos a mesma condição. Constava que este era o modo de proceder de Jesus de Nazaré: mais do que as profissões e as condições de vida, interessava-lhe a pessoa e a sua dignidade, por vezes esquecida e espezinhada. Do seu olhar surgia uma serenidade e compreensão que nos dava alegria e paz. No seu convívio todos nos sentíamos bem, sem medos nem discriminações. Éramos verdadeiramente uma família!
Estar à mesa com Ele foi para nós uma maravilha surpreendente. Pelo que sentimos, pois nunca ninguém nos tinha tratado de modo semelhante: ser considerado digno de ouvir os segredos mais íntimos, alimentar as mesmas aspirações em relação ao futuro, reforçar os laços de união no presente. Pelo que augurava aquele gesto. De facto, era o núcleo mais expressivo do sonho de Deus: sentar todos os humanos à mesa da fraternidade em que Ele possa mostrar o seu amor de Pai na dignidade de cada um. Era o princípio da sociedade nova em que as pessoas têm prioridade absoluta sobre as tradições e as coisas, em que os bens pertencem a todos, antes de serem de cada um, e o bem comum constitui o dinamismo e a meta que dão sentido a tudo quanto se faz e se pretende.
Eu e os meus companheiros ouvimos críticas que nos parecem completamente injustas ou, então, temos de negar a nossa comum humanidade e de considerar ridícula a mensagem que Jesus de Nazaré – o Filho Deus – nos transmitiu como Palavra de Salvação para todos os tempos.
Negar a mensagem, é para nós de todo impossível. Estamos absolutamente convencidos do seu valor a ponto de, sendo preciso, dar a vida em sua defesa. Aceitamos com humildade a crítica que nos é feita e que nos ajuda a viver de modo mais pleno o exemplo de Jesus, o Mestre que nos abre horizontes mais plenos da fraternidade de todos os humanos chamados a reconhecer a sua filiação divina. Protestamos contra os que falseiam os nossos ideais, desvirtuam e ridicularizam as nossas razões e, presos ao passado, não mostram capacidade de entender as “coisas novas” que vão surgindo em relação a Jesus Cristo e à sua mensagem. Anunciamos com alegria criativa e esforço confiante que um dia virá em que a mesa posta para todos não será recusada por ninguém.
Em Cafarnaúm, com Mateus

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 17 Maio , 2008, 18:08

Jesus é o arauto e mensageiro. Traz-nos boas notícias. E as primeiras são a respeito de Deus. Estas notícias têm uma repercussão enorme em nós e em toda a realidade envolvente. Nicodemos, levado pelas exigências intelectuais da sua razão, quer saber mais e procura Jesus, dispõe-se a ouvir, a pôr questões a fim de ficar esclarecido.
Jesus afirma claramente que Deus é amor e ama a humanidade toda. É uma notícia enternecedora! Ficam assim, excluídos os “contos” funestos de um deus distante, vingativo, apático e fiscalizador. Ama tudo o que cria e deixa-o confiado à responsabilidade de cada pessoa e do conjunto universal.
Outra boa notícia é que Deus tem um Filho que envia ao mundo, se faz humano e assume tudo o que em nós há de bom, de justo e de belo. Deste modo, pode ajudar-nos a vencer as inclinações más e o próprio pecado que nos oprime e desumaniza. E numa atitude de inexcedível generosidade, dá-nos o exemplo máximo do que é ser humano, amando sem medida, lutando com todas as forças para mostrar a nossa verdadeira grandeza, aceitando livremente a cruz da incompreensão, da calúnia e da morte.
Deus em quem Jesus confia revela-se como Pai, ressuscitando-o, dando-lhe uma vida nova, definitivamente feliz, plenamente realizada. Esta é a notícia que enche de alegria o mundo inteiro: Em Jesus, Deus Pai vem ao nosso encontro, faz-se nosso companheiro, partilha connosco a sua solicitude pelo mundo, apontando-nos o caminho do futuro que nos aguarda em plenitude.
Esta presença amiga e solícita do Pai e do Filho manifesta a existência do Espírito Santo que por eles nos é enviado. Esta é a notícia mais entusiasmante. O Espírito fica em nós, age por meio da nossa consciência que quer bem formada, faz-nos apreciar quem nos rodeia e amar quem está longe, mas constitui o nosso próximo. É ele que nos recorda o que Jesus ensina e nos conduz para a Verdade.
As notícias de Deus surgem continuamente. Precisamos de estar atentos à sua voz que nos chega de muitos modos, especialmente no silêncio e no gemido de milhões de vítimas e na vozearia dos algozes. Está é a notícia mais surpreendente: o silêncio de Deus que se faz denúncia das atrocidades humanas e anúncio de que a justiça há-de triunfar.
Deus, trindade santa, é família original donde provém, ainda que de modo especial, a verdade da família humana, chamada a ser fonte de vida e esperança da humanidade.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 29 Fevereiro , 2008, 12:29


É esta a forma de comunicar de Jean-Dominique Bauby. Tudo o que pensava e sentia era transmitido por um piscar de olhos. Se queria dizer “sim” piscava uma vez; se pretendia dizer “não”, piscava duas vezes. E com que facilidade o fazia! E que serenidade transparecia do seu rosto! De uma enorme desgraça, emergia uma maravilha!
Há uma grande cumplicidade natural entre o coração e os olhos. A quadra popular expressa-o muito bem: “O coração mais os olhos, são dois amigos leais; quando o coração está triste, logo os olhos dão sinais”. Esta cumplicidade funciona com normalidade. O olhar é o espelho do coração e da multiplicidade de afectos e emoções, de preferências e critérios, de opções e atitudes que dão origem à qualidade de um estilo de vida humanizado.
Bauby era director da revista francesa “Elle” e aos 42 anos foi vítima de uma doença que o deixou intelectualmente lúcido, mas totalmente paralisado. Apenas um piscar de olhos lhe permitia expressar-se. Foi assim que escreveu o livro “O escafandro e a borboleta", adaptado ao cinema com rara felicidade. A borboleta é o símbolo das mensagens que envia do escafandro – a prisão em que se encontra. Em cada voo, vem um postal com um hino à vida, o valor das pequenas coisas, a força da esperança, o brilho da luz e tantas outras maravilhas que, quando perdidas ou debilitadas, adquirem mais valor.
Aquele piscar de olhos gravou-se na minha imaginação e deixou-me marcas profundas. Envolve a passagem da cegueira à visão, do isolamento à comunicação, do estar só à companhia, do orientar a vida por critérios subjectivos a ter referências objectivas, humanas e cristãs, do deixar escapar o momento fugaz a agarrar o tempo como única oportunidade de salvação.
O Evangelho – que narra a cura do cego de nascença – apresenta esta passagem em forma de itinerário espiritual. Quem se prepara para o baptismo vai adquirindo um novo olhar iluminado por Jesus Cristo – a luz do mundo. E, depois de baptizado, sente a necessidade de aprender a ver com o coração e não apenas com os olhos.
De facto, ver com o coração é ir além das aparências e descobrir a realidade, é apreciar o belo e o bom ainda que camuflados de laivos de fealdade e de maldade, é despertar o melhor de cada consciência mesmo que misturado em desvios erráticos notórios, é deixar o lodo e contemplar as estrelas, é sentir o “piscar dos olhos” de Quem aponta o caminho e respeita a liberdade, de Quem confia em nós, mas exige responsabilidade.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 02 Fevereiro , 2008, 23:52


Sentado perante a multidão, o mestre faz declarações espantosas. Alguns companheiros recolhem-nas em escritos memoráveis. Milhões de pessoas vivem a sua mensagem. Ninguém consegue varrer da história a felicidade que semeiam e fazem crescer. A humanidade inteira vai-as saboreando a conta-gotas e de muitos modos. Quando todos pautarem a sua vida pelo sentido profundo que encerram, acontecerá a felicidade plena, a harmonia universal, a paz cósmica, a realização acabada do sonho original da nossa matriz comum.
A cena ocorre num monte situado perto de Cafarnaúm, cidade menor próxima do mar da Galileia. A esta cidade do povo acorre Jesus, fazendo dela o seu centro de vida e missão. Aí encontra e chama os primeiros discípulos – mais tarde seguidores –, que labutam na faina da pesca. Aí e nas redondezas, realiza acções notáveis, mantém conversas cheias de sabedoria, pronuncia discursos solenes.
Em alguns destes sítios, aparecem vestígios e conservam-se monumentos evocativos de tais acontecimentos. São eles que constituem a “delícia” de quem pretende conhecer e viver a verdade histórica, ainda que a partir de ruínas menosprezadas.
A mensagem de Jesus é simples, clara e interpelante. Também é contracultural, sobretudo no mundo ocidentalizado. Mas proporciona experiências de felicidade qualificada a que todos os humanos estão chamados.
Felizes os que têm o coração livre das ataduras da riqueza e de todos os outros bens porque estão disponíveis para servir e prontos para amar. Felizes os que aceitam a condição humana comum a todas as pessoas porque fazem brilhar a dignidade de cada uma. Felizes os que vivem a solidariedade amiga interventiva porque enxugam lágrimas inocentes e aliviam sofrimentos injustos. Felizes os que cultivam a paixão da justiça e da paz porque hão-de ver o seu sonho realizado, curando feridas doridas e reconciliando inimigos de morte. Felizes os que acolhem com amabilidade os sem abrigo e os empobrecidos porque ampliam os horizontes do coração e ajudam a construir a fraternidade universal. Felizes os que são transparentes nas intenções e nas acções porque encontram a verdade das coisas, das pessoas e de Deus.
Jesus vive o que proclama. Com atitudes convincentes, testemunha e credita a palavra. Despoja-se da sua condição divina, chora perante o túmulo de Lázaro, enche-se de compaixão ao ver as multidões famintas e mata-lhes a fome, grava no coração dos discípulos a paixão pela justiça, confia-lhes o dom da paz, oferece o perdão e restitui a dignidade aos excluídos e miseráveis, entrega-se totalmente ao Pai que o ressuscita, enchendo de alegria e júbilo a toda a criação e todas as criaturas.
Por isso, ousamos pedir-lhe que nos ensine a ser felizes, a encontrar um ideal como o seu, a centrar a nossa vida no amor gratuito e generoso, a desfrutar e a saborear o que é bom e belo, a partilhar os bens com quem precisa, a acompanhar os que sofrem, a afrontar os algozes das vítimas silenciadas, a debelar as causas das injustiças organizadas, a dedicar-nos sempre a causas nobres, sem esperar outra recompensa a não ser a de sabermos que somos dignos da sua confiança e transmitimos fielmente a sua mensagem.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Janeiro , 2008, 18:34

É esta a imagem que João Baptista usa para dar forma ao que acontece no baptismo de Jesus. A cena ocorre no rio Jordão. Jesus encontra-se no meio da multidão penitente. Ao vê-lo aproximar-se para receber o seu baptismo, trava-se entre ambos uma curta conversa. O rito da água faz-se. Sinais interpelantes e apelativos são visíveis: uma voz se ouve, uma pomba desce e poisa sobre a cabeça de Jesus, um testemunho eloquente é dado.
A mensagem é interpretada por João evangelista de forma encantadora.
A pomba é a ave portadora de boas notícias. No início da criação, pairava sobre as águas para que surgisse a vida; após o dilúvio, é portadora do ramo de oliveira – sinal de que o dilúvio havia purificado a terra e chegava a era da paz; agora – qual estrela dos Magos que se detém sobre o local onde estava o Menino – poisa volitando sobre Aquele que “vem baptizar no Espírito Santo”.
A mensagem tem um alcance extraordinário e opera uma grande transformação em João: Eu não O conhecia - diz, mas agora sei quem Ele é pois me foi revelado. Eu vim antes, mas Ele está à minha frente. Eu baptizo com água, mas Ele baptiza no Espírito Santo. Eu sou a voz, mas Ele é a Palavra. Eu preparo, mas Ele realiza. Eu vi e dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus que tira o pecado do mundo.
Também em nós, Senhor Jesus, a mensagem baptismal pretende ser eficaz. Por isso, te oramos, hoje e sempre: Faz-nos sentir que somos criaturas com nova dignidade. Ajuda-nos a descobrir a beleza e o encanto de o Espírito Santo estar connosco e em nós. Orienta os nossos esforços em benefício de todos os que estão “surdos e mudos” aos apelos da humanidade sofrida e amargada. Dá-nos coragem e tenacidade na perseverança da prática da justiça, da sobriedade e da partilha. Abre-nos a horizontes cada vez mais próximos da fraternidade universal onde se espelha, de modo singular, o rosto amigo de Deus, nosso Pai e nossa Mãe.
Senhor que nos enviaste o Espírito Santo, faz-nos apreciar a nossa Igreja reunida em oração para sermos mais sensíveis à urgência da unidade e darmos passos concretos na sua realização. A união dos teus discípulos e apóstolos faz parte do testamento de vida com que quiseste selar a tua missão na terra e ao qual o Pai do Céu atribui valor de eternidade. Ajuda-nos a amá-la, sem reservas, para partilharmos o bem que muitos fazem com generosidade e assumirmos as lacunas que muitos outros, sem vergonha, deixam a claro escandalosamente.
Obrigado, Senhor Jesus, por dares a conhecer “coisas” tão sublimes por sinais tão próximos e sensíveis. Ajuda-nos a viver sob as asas da pomba – o Espírito Santo – o baptismo que nos introduz de modo original no circuito do teu amor e da tua missão.

Georgino Rocha

Editado por Fernando Martins | Sábado, 03 Novembro , 2007, 20:09
A cena ocorre em Jericó, cidade relativamente rica e próxima de Jerusalém. Jesus com o seu grupo está de passagem. O comentário corre veloz, dando origem a um certo alvoroço popular. A curiosidade apodera-se dos habitantes. Querem ver o acontecimento. Também Zaqueu, homem rico e influente, se sente “tocado” e não resiste: corre para ganhar distância, sobe a uma árvore, observa a movimentação dos caminhantes e fixa-se, sobretudo, em Jesus de Nazaré. Há nele um impulso irresistível: A curiosidade faz-se expectativa e esta abre horizontes à esperança.
Jesus acompanha os movimentos de Zaqueu e capta os seus sentimentos. Por isso toma uma iniciativa ousada e faz-se seu convidado. Quer ficar em sua casa, ser seu hóspede, sentar-se à sua mesa, partilhar a sua intimidade, acolher as suas preocupações. E fá-lo com tal mestria que o diálogo provoca uma alteração completa na vida do chefe dos publicanos da cidade.
Zaqueu, dando largas à sua alegria, põe-se de pé e, com a maior das simplicidades, abre o coração e exclama: Vou redistribuir os meus bens. Aos pobres darei metade do que possuo e, a quem defraudei, restituirei quatro vezes mais. Jesus aprova decisão tão generosa e garante, com notável firmeza, que a salvação havia entrado em casa de Zaqueu.
A sobriedade deste episódio oferece-nos a riqueza do seu sentido, constituindo uma espécie de “portal” onde se visualiza uma compreensão integral do ser humano e das suas múltiplas relações. Dela resulta uma antropologia que dá consistência e abre horizontes às antropologias de todos os tempos, sobretudo actuais.
O ser humano é “habitado” por uma apetência divina e sente-se chamado a ir ao seu encontro, a buscá-la sem temer comentários nem reacções caricatas. Não lhe basta a satisfação efémera, ainda que necessária. Anseia sempre mais. A medida do seu coração é a da Infinito que, em Jesus de Nazaré, se revela em plenitude. É a Ele que se entrega em aliança de amor que, na terra, se celebra em gestos e sinais, e na eternidade se contempla e vive sem qualquer restrição.
A esta luz, como são redutoras as perspectivas de correntes culturais como o relativismo, o subjectivismo, o materialismo, o hedonismo.
Do encontro com Jesus, Zaqueu apreende uma nova dimensão da vida. Ele não se isola nem contemporiza com atitudes egoístas. Abre-se aos outros, considerados na sua dignidade. Revê comportamentos incorrectos. Não se fica pelo cumprimento da lei. Os outros são pessoas como ele. Reconhece os direitos do pobre e quer respeitá-los.
Este reconhecimento é fundamental para a segurança do nosso crescimento pessoal e para a humanidade da nossa convivência. Sem ele, somos sempre estranhos uns aos outros e tendemos para a inevitável desconsideração das capacidades alheias. O reconhecimento é a afirmação valorativa da nossa comum humanidade e da urgência de implementar atitudes pessoais, regras sociais e medidas legislativas adequadas.
O portal de Zaqueu faz convergir toda a narrativa para a função dos bens: o modo como são adquiridos, administrados e consumidos; a rede de distribuição e de comercialização; os preços e as margens de lucro; enfim, a economia “pura e dura”. Sem bens suficientes, não há possibilidades de atender às necessidades humanas fundamentais de todos e de cada um. Sem produção, não pode haver distribuição. Sem trabalho para todos, não é legítimo acumular empregos. A partilha, antes de ser uma forma de escoar as sobras, tem de proporcionar o acesso pelo emprego ao “banco do trabalho”, às actividades socialmente úteis, às iniciativas de que necessita todo o ser humano e o realiza, embora não sejam remuneradas. Esta visão evangélica, embora apenas esboçada, constitui uma autêntica novidade na área económica e pode contribuir imenso para humanizar as relações comerciais hegemónicas.
Visto do portal de Zaqueu, o nosso mundo pode ser mais humano com o reforço do Evangelho.

Georgino Rocha

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO