de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Novembro , 2009, 18:29

Manuel Porto com Ludgero Marques

A globalização pode gerar
pobreza e exclusão social

A globalização tem “reflexos significativos” sobre a economia mundial. Porém, se “convenientemente governada, pode ser um factor de desenvolvimento humano”, mas também é certo que pode ter aspectos “socialmente perniciosos, com aumentos localizados de pobreza e fenómenos de exclusão”, sublinhou o empresário Ludgero Marques na conferência que proferiu esta manhã, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro, integrada na Semana Social, que decorreu este fim-de-semana.
Abordando o tema “A responsabilidade pessoal e a participação das pequenas comunidades e iniciativas empresariais na construção do bem comum, em contexto de globalização”, o conferencista lembrou que os portugueses estiveram quase 50 anos alheados do resto do mundo, tendo Portugal entrado na globalização com um grande défice ao nível da educação.
Denunciou que os nossos trabalhadores, com “uma formação académica tão baixa”, não podem contribuir para que o nosso país possa “diferenciar-se daqueles que têm formação do nosso nível, ou até inferior”. Portugal não tem os “trabalhadores qualificados de que as empresas precisam”, disse.
Ludgero Marques, actual presidente da Mesa da Assembleia Geral da AEP (Associação Empresarial Portuguesa) com passagem, durante anos, por diversos e importantes cargos directivos de outras estruturas empresariais, referiu que é preciso desenvolver actividades económicas locais, “para que as comunidades sejam capazes de enfrentar o lado negativo da globalização”. Nessa perspectiva, importa que o Estado implemente condições que levem os empreendedores a apostar claramente na comunidade em que se inserem, ajudando-a no seu desenvolvimento e fazendo dela “o trampolim para o sucesso no mundo global”.
Ao falar da responsabilidade social das empresas, “nomeadamente em termos ambientais e de combate a fenómenos de exclusão”, Ludgero Marques recordou a notória situação do desemprego provocado pela pouca formação dos trabalhadores e pelo desajustamento em relação ao progresso tecnológico, cada vez mais exigente.
“A não assunção de responsabilidades sociais é entrave ao desenvolvimento sustentável”, especialmente porque o não cumprimento, pelas empresas, das suas obrigações “leva à concorrência desleal, à deterioração do enquadramento económico, à destruição de ecossistemas, à corrupção e, ainda, a um clima desfavorável à realização de investimentos e à prática da inovação”, frisou o conferencista convidado pela Conferência Episcopal Portuguesa para esta Semana Social.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Novembro , 2009, 21:26

D. José Policarpo

A solidão é uma das maiores pobrezas

“A salvação do Homem é a expressão plena do bem comum”, afirmou D. José Policarpo na Semana Social que está a decorrer em Aveiro, no Centro Cultural e de Congressos. Ao apresentar a conferência subordinada ao tema “Lugar da religião na edificação do bem comum”, o Cardeal-Patriarca de Lisboa realçou que “o homem só se realiza com os outros homens”. E garantiu que “nunca o bem do homem dependeu tanto do bem da humanidade”.
A Semana Social, uma organização da Comissão Episcopal da Pastoral Social, da Conferência Episcopal Portuguesa, está a decorrer até domingo, envolvendo 400 pessoas, maioritariamente ligadas à intervenção sociocaritativa na comunidade nacional. Aposta este ano na “Construção do bem comum – responsabilidade da Pessoa, da Igreja e do Estado”.
O Cardeal-Patriarca considerou que as Religiões desempenham um papel relevante no apoio ao desenvolvimento integral do homem. No caso específico da Igreja Católica, adiantou que ela sempre esteve na primeira linha da luta contra a pobreza. A Igreja não pode nem deve ficar apenas pela Mensagem, mas tem de dar “respostas concretas”, promovendo a solidariedade, no “sentido da verdadeira comunhão”.
Disse que os pobres têm de se comportar como sujeitos e protagonistas de “um mundo novo”, competindo a todos os cristãos viver o amor fraterno, tendo em vista “a dignidade da pessoa”.
Citando Bento XVI, referiu que a solidão dos presos, migrantes e exilados “é uma das maiores pobrezas”, acrescentando que a Igreja intervém de forma específica na sociedade, através das suas instituições e dos seus membros, “empenhados noutros corpos sociais, quer do Estado, quer da sociedade civil ".
D. José Policarpo alertou para o facto de o conceito de bem comum não se limitar apenas a direitos, “reconhecidos e respeitados”, mas deve alargar-se aos deveres do dom da solidariedade de cada um para com o corpo social a que pertence.

FM


mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO