de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Março , 2010, 20:46

 

 

 

 

 Nós, os da Ria de Aveiro, ficamos sempre fascinados pelas paisagens da laguna aveirense. Qualquer espelho de água e qualquer reflexo das margens nos elevam os índices dos sonhos.


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Dezembro , 2009, 17:41
As notícias sobre mais um achado arqueológico na Ria de Aveiro, mais concretamente no Rio Boco, na Gafanha da Nazaré, já andam nas bocas dos mais curiosos por estas coisas.

Leia aqui.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 22 Setembro , 2009, 11:52



Ria em festa

Para começar o dia

Para começar o dia, nada melhor do que uma foto da nossa ria em festa. Foi no sábado que as velas brancas de barcos e barquinhos emprestaram a sua beleza às cores azuladas da laguna. Como disse Raul Brandão, a Ria de Aveiro é mesmo para contemplativos.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Julho , 2009, 15:35

Para todos os que ainda não experimentaram o passeio de moliceiro no Canal Central da Ria de Aveiro e para aqueles que queiram repetir a experiência, o Grupo Poético de Aveiro propõe uma viagem no próximo sábado, dia 11 de Julho, à tarde. O ponto de encontro será às 16h30m, na Livraria Buchholz, Praça Marquês de Pombal, junto ao Tribunal de Aveiro.
Não haverá um tema específico para esse dia. Cada um lerá poemas seus ou dos seus autores preferidos. Também podem muito simplesmente ouvir e desfrutar do ambiente poético. É grátis, mas sujeito a inscrições, que terão de ser feitas antecipadamente, na Livraria Buchholz.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 03 Julho , 2009, 16:20

Realizou-se, no passado fim-de-semana, a segunda edição da REGATA DE CRUZEIROS DO PORTO DE AVEIRO, uma organização conjunta da Administração do Porto de Aveiro e do Clube de Vela Costa Nova. Contou com a participação de 110 velejadores de 10 clubes náuticos de Aveiro, Porto, Coimbra e Figueira da Foz.
As tripulações tiveram em terra um bom acolhimento com uma Base de Regata instalada para o efeito no Porto de Abrigo da Pesca Costeira, onde as embarcações ficaram atracadas e os velejadores confraternizaram animadamente ao fim da tarde, continuando pela noite fora na festa oficial da regata que decorreu na Estação da Luz.
Sublinhamos a importância desta regata, como de outras. O espectáculo que elas proporcionam tornam mais visível a beleza da Ria de Aveiro.
Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Junho , 2009, 14:12
Ria de Aveiro

“E voltando-se então, verá as águas mansas da extensíssima ria fulgurando de todos os lados: e, entre elas, as salinas, recticuladas pelos tabuleiros em evaporação, com os seus montes cónicos de sal novo dando a impressão de um largo acampamento de tendas imaculadamente brancas espalhadas a perder de vista pela vastidão dos polders."
Leia mais aqui

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 07 Maio , 2009, 10:18

Nos próximos dias 9 e 10 de Maio (sábado e domingo), vai realizar-se a Regata Santa Joana Princesa/Porto de Aveiro/ Universidade de Aveiro. Prova desportiva a decorrer no Campo de Regatas de Aveiro (logo após a Marinha da Troncalhada) entre as 11h-18h. Conta com o apoio do Porto de Aveiro e organização em parceria com a Escola de Vela do Sporting Clube de Aveiro.
A regata vai reunir mais de uma centena de velejadores das várias classes de Vela, provenientes de vários pontos do país, proporcionado momentos de rara beleza.
Fonte: Newsletter do Porto de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Março , 2009, 20:06

Na Ria de Aveiro, em dia e hora de pesca, há sempre espaço para usufruir as belezas da nossa laguna. De vez em quando aqui a mostrarei, sobretudo aos que vivem longe destes ares e destas paisagens.


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Março , 2009, 16:45


Li no Correio do Vouga que a Ria de Aveiro vai ter mais um operador turístico. Trata-se da empresa "Douro Acima", que já adquiriu três barcos moliceiros, os quais vão agora ser restaurados e adaptados para o efeito. A empresa, entretanto, assegurou que também vai promover passeios turísticos por terra, devendo utilizar autocarros panorâmicos.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 03 Março , 2009, 21:31


Vai realizar-se o I Seminário Náutico do Município de Ílhavo, no dia 13 de Março 2009, numa perspectiva de partilhar as primeiras actividades deste novo Fórum, conhecer programas desenvolvidos pelas Federações de Canoagem, Natação e Vela, assim como experiências de associações náuticas da Galiza, usando o espaço único do Museu Marítimo de Ílhavo. Esta realização é um contributo para a dinamização das actividades náuticas, elemento de valorização de Ílhavo, da Região de Aveiro e de Portugal.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 23 Fevereiro , 2009, 10:07


É sempre agradável apreciar a cidade e arredores, com olhos embarcados no moliceiro ou aparentado, cirandando pelos Canais da Ria. As viagens sucedem-se e a experiência sai sempre enriquecida.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 07 Janeiro , 2009, 00:04
Bateira berbigoeira (Foto do blogue Marintimidades)

Tenho para mim que nas Gafanhas, como, aliás, na beira-ria, não falta quem aprecie as embarcações tradicionais, muitas delas a marcarem presença nos museus, por terem caído em desuso. Outras ficarão a apodrecer em qualquer canto, sem honra nem glória, pelo desinteresse de quem poderia cuidar destas riquezas do nosso património histórico e cultural. Fico sempre agradado, no entanto, quando vejo que alguém se ocupa destes assuntos que a todos nós dizem respeito. Hoje, por exemplo, ao visitar o Marintimidades (ver aqui ao lado), tive o prazer de ler uma história muito bonita sobre a bateira berbigoeira, protagonizada por dois apaixonados pelo mundo do mar, da ria e dos barcos. Leiam-na, por favor.
FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 13:07

Antigamente, os cricos eram do povo. Os cricos eram (e são) os berbigões. O povo, com toda a naturalidade, ia apanhá-los à ria. A ria, noutros tempos, era também do povo.
O povo pegava num cesto ou num balde, arregaçava as calças ou as saias, e num instante arranjava que comer. Os cricos comiam-se crus, abertos numa chapa aquecida ao lume, cozidos ou com cebolada. Lembro-me como se fosse hoje.
Os tempos passaram e a ria começou a ser alugada para nela “semearem” cricos e amêijoas. Que eu saiba, ainda não a venderam a ninguém. E o povo começou a ficar limitado na apanha desse conduto. Mas o povo era sábio. Os cricos não se podiam comer em meses sem “r”. Os que arriscavam podiam ter que andar com as calças na mão. Que eu saiba não morreu ninguém.
Depois foram fechando a ria ao povo da Gafanha da Nazaré. Cais, portos, fábricas e estradas reduziram o acesso a quem gostava de apanhar cricos, amêijoas, mexilhão, navalhas. E de pescar uns peixitos. Inventaram as licenças para quase tudo. E o povo ficou, em parte, sem liberdade para usufruir em pleno da sua laguna.
Havia, como hoje, quem vivesse da apanha de bivalves. Mas leis são leis e as análises de vez em quando acusam a presença de toxinas. Vai daí, proíbe-se a apanha porque é perigoso. Em toda a ria. Como se toda ela estivesse contaminada. E como se não houvesse processo de matar as ditas toxinas. Claro que há o defeso, que todos aceitam, para regular o crescimento dos bivalves.
Os mariscadores, como são conhecidos, protestam com frequência. Se calhar têm razão. Talvez não tenham sido suficientemente esclarecidos. Talvez fosse bom criar um equipamento para matar as toxinas, garantindo a qualidade alimentar dos bivalves. Talvez… Talvez…
Desculpem este desabafo. É que hoje senti saudades da liberdade com que entrávamos na ria. Para molhar os pés, para nadar, para pescar, para apanhar cricos.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 25 Agosto , 2008, 15:03

RIA COM TODA A SUA PUJANÇA

O Navio-Museu Santo André está de parabéns. Está a celebrar sete anos, como espaço museológico, tendo batido recordes de visitas. Espera-se que durante 2008 chegue aos 28 mil visitantes, o que é verdadeiramente significativo. Isto quer dizer que, quando devidamente sensibilizadas, as pessoas vão mesmo a museus.
Importa, agora, continuar a motivar as nossas gentes, publicitando as nossas riquezas, ao nível da cultura. E se é verdade que o Jardim Oudinot representa uma mais-valia, só por si capaz de chamar turistas, então há que apostar em dar vida ao que temos de bom. A Ria, que estava a perder algum impacto, por força das instalações portuárias que o envolvem, na frente para a Gafanha da Nazaré, mostra-se presentemente com mais pujança, em toda a marginal do Jardim Oudinot.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 20 Agosto , 2008, 16:08

A Ria é sempre bonita, em qualquer dia e de qualquer ângulo. De Verão e de Inverno, no Outono e na Primavera. Mas com velas ao vento, desafiando equilíbrios e espalhando reflexos, então o encanto é muito maior. Quem o diz é o meu amigo Carlos Duarte, que teve a gentileza de me enviar esta foto.

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO