de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 31 Janeiro , 2010, 10:06
«A queda da monarquia em Portugal, ocorrida há exactamente um século, não foi uma surpresa. O descontentamento com a evolução do regime que saíra da revolução liberal agudizara-se nas últimas décadas do século XIX - em particular após o Ultimato inglês de 1890 -, e a revolta falhada de 31 de Janeiro de 1891, no Porto, fora um aviso de que a monarquia podia ser derrubada por um golpe militar.»

Leia mais aqui

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Janeiro , 2010, 14:36
 



Comemorar o passado a pensar no futuro

O regime republicano completa um século em Portugal. Atravessou períodos difíceis e no entanto sobreviveu. Nem Salazar o eliminou. Justifica-se, por isso, celebrar cem anos de República.

Mas, celebrar como? Certamente não evocando o passado com espírito saudosista ou propagandístico. Estudar a implantação da República e os anos que se lhe seguiram é importante. Mas numa perspectiva crítica e plural e, sobretudo, aprendendo as lições do passado para prepararmos um futuro melhor.

Francisco Sarsfield Cabral

Ler todo o texto aqui




Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 25 Janeiro , 2010, 20:13


Uma vida já um pouco longa tem sempre muitas histórias. Nem todas, porém, vêem a luz dos nossos mundos, porque, entretanto, outras mais recentes se tornam mais presentes.

Quando abordei aqui, há dias, as celebrações, durante este ano, do centenário da República Portuguesa, falei dos ideais republicanos, mas não omiti as perseguições que na altura se sucederam aos que ousaram pensar diferente.
O Ângelo Ribau veio com um comentário oportuno que reza assim e ao qual respondi que conhecia muito bem a história, se calhar contada por ele:




Amigo Fernando:


Às vezes vale a pena dar-te um "toque"...
Já agora mais uma achega, que talvez a desconheças. Eram tantos os ataques à Igreja e seus membros, que alguns para não serem incomodados, implantavam nos seus telhados, bustos com o símbolo da república. Já reparaste em dois desses bustos que estão no telhado da casa que foi do nosso Prof. Ribau? (Manuel Joaquim Ribau). Foram lá postos com esse fim. Como sabes, para ser padre só lhe faltavam as "Ordens de missa". Daí a perseguição de que começou a ser alvo. Colocados os bustos, não voltou a ser incomodado...
Esta história foi-me contada pelo próprio, uma tarde em que foi à nossa casa buscar um bocado de "bôla" de que gostava muito. E adivinhava sempre quando a minha mãe cozia... A bôla quente era melhor, dizia ele. Messe dia estava bem disposto, e eu que andava com ela ferrada, fiz-lhe a pergunta sobre os bustos.
E a resposta aí está...

Ângelo Ribau

Eu conhecia realmente a história há muitos anos, mas estava sentada num canto da memória, à espera de um "toque". Obrigado, meu caro.
Quem sabe mais histórias dessas?
Um dia destes fui tirar o retrato ao busto feminino da República Portuguesa. Um amigo, ao ver-me a olhar para o telhado, quis saber o que é que eu estava a mirar. Perguntei-lhe se sabia que bustos eram aqueles, que ali estavam ao seu lado há tanto tempo. Não sabia, nem fazia a menor ideia. Adiantou que seriam decorações dos telhados, muito habituais há anos.  Expliquei-lhe. Ficou admiradíssimo. Aqui ficam os retratos para os meus amigos apreciarem...

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 25 Janeiro , 2010, 12:25


 
Lei da Separação gerou
reacções contrárias
à intenção do legislador
 
 



Afonso Costa


Contrariando as previsões de Afonso Costa, a “Lei da Separação (1911) despertou nos católicos uma vitalidade insuspeitável” – disse D. Manuel Clemente, bispo do Porto, na primeira sessão de 2010 do Seminário «Religião, Cristianismo e Republicanismo». Promovida pelo Centro de Estudos de História Religiosa da UCP, esta iniciativa integra-se no Programa Oficial das Comemorações do Centenário da República.
Aos participantes no seminário, o bispo do Porto falou sobre a «A vitalidade católica no contexto da República». Nos anos seguintes à Implantação da República (5 de Outubro de 1910), a resistência do clero foi apoiada pelos cristãos. Reunidos em Santarém, a 10 de Julho de 1913, os bispos lançam um apelo aos católicos. O chamado «apelo de Santarém» alterou o panorama sócio-religioso da sociedade portuguesa.“Defesa e afirmação da Igreja; catequização e restauração da sociedade portuguesa com o contributo da Igreja” foram as linhas mestras que marcaram o catolicismo português no primeira metade do século XX. A “radicalização de Afonso Costa (pasta da Justiça e Cultos) não afastou os católicos. Pelo contrário deu-lhes força” – realçou o historiador e bispo do Porto, na sessão realizada, dia 21 de Janeiro, na Universidade Católica. A Igreja defendia a separação do Estado, mas “não neste quadro”.


Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Janeiro , 2010, 15:11



Ética Republicana

Com as programadas celebrações da República Portuguesa, que envolvem, para já, cerca de 500 iniciativas, abrangendo os mais diversos campos, fala-se muito de ética e de ideais republicanos dos que, em Lisboa, em 1910, substituíram a Monarquia pela República.
Na minha adolescência li um livro, intitulado Proscritos, de Luís Gonzaga de Azevedo, que me deu uma triste imagem dessa ética, mais tarde corroborada por historiadores cultores da verdade histórica. Contava, com fotos ilustrativas, as perseguições que os republicanos protagonizaram, junto da Igreja católica, em especial do clero e da Companhia de Jesus, bem como de todos os que, mesmo republicanos, discordavam do pensamento dos vencedores e dos que ocupavam os cargos de liderança.
Mais tarde, ao ler a história da primeira república, fiquei admirado com a tirania e o caos em que caiu o País, abrindo as portas à segunda república, que nos deu quase meio século de ditadura.
Afinal, a República, que durante anos e anos muitos portugueses ignoraram, nada tinha de democracia e de fraternidade, muito menos de liberdade e de igualdade, como proclamavam os arautos do novo regime, que pescaram na Revolução Francesa os propósitos nobres que estariam na base de uma sociedade nova e mais justa.
Historiadores actuais, Vasco Pulido Valente e Rui Ramos, por exemplo, explicam bem o que foram esses tempos, de perseguições, assassínios, falta de liberdade, censura, manipulação de eleições, organização de bandos criminosos e outras tropelias indignas de gente civilizada. Aos jesuítas chegaram a medir a cabeça, ao jeito nazi.
É óbvio que tudo já lá vai e que hoje o importante é olhar o futuro, na certeza de que melhores dias virão, nesta terceira república que nos é dado viver.
Houve aspectos positivos? É claro que houve, os quais devem ser lembrados com respeito por todos os que procuraram levá-los à prática na construção do nosso País, na aurora do século XX. Mas também não podemos enterrar a nossa História, sob pena de passarmos, aos nossos jovens,  uma mensagem falsa da mudança de regime.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 07 Janeiro , 2010, 00:50

Comissão Nacional para as Comemorações admite que a questão religiosa é aspecto «muitíssimo importante»





Recordar o passado e projectar o futuro 




A ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, afirmou que as comemorações pretendem “promover a reflexão colectiva sobre a nossa História”, procurando igualmente entender e aprofundar “os desafios do pensamento republicano para o século XXI”.
Entre as cerca de 500 iniciativas previstas para assinalar o centenário da República, mais de 50 estão ligadas a projectos relacionados com a cultura. O orçamento atribuído à CNCCR é de 10 milhões de euros.
“Pretendemos sobretudo partir do presente e olhar para o futuro”, fazendo com que os “ideais republicanos revisitados”, e “tudo o que tem a ver com a educação da cidadania”, contribuam para “um Portugal melhor”, afirmou Artur Santos Silva.
Este responsável sublinhou que “as grandes alterações” que ocorreram após a Implantação da República reflectiram-se “sobretudo na escola e na educação, vectores fundamentais da promoção da igualdade”.
Maria Fernanda Rollo indicou que as comemorações pretendem “promover o património cultural, especialmente da I República, que ainda precisa de muita investigação”.
O programa das actividades culturais está organizado de acordo com vários “eixos temáticos”: arte, desporto, exposições, espectáculos, publicações e animação do espaço público. Os eventos procurarão igualmente salientar a relação da República com escolas, universidades, ciência, cidadania, municípios, Regiões Autónomas, Lusofonia e meios de comunicação social.
As manifestações artísticas expressar-se-ão através da arquitectura, mostras de arquivos, banda desenhada, caricatura, cinema, dança, documentários, eventos multimédia, festivais, filatelia, moda, música, pintura, rádio, televisão e teatro, entre outras representações.



Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 05 Outubro , 2009, 21:35



[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/SspXuFalAxI/AAAAAAAAMsk/tPuR2z10bN0/s1600-h/RepublicaPortuguesa.png" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;" rel="noopener"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/SspXuFalAxI/AAAAAAAAMsk/tPuR2z10bN0/s200/RepublicaPortuguesa.png" /></a><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: center;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>Uma sociedade mais justa </strong></span><br /></div><div style="text-align: center;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>é possível e necessária entre nós<br /></strong></span><br /><div style="text-align: center;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Hoje não me apeteceu celebrar a implantação da República no nosso País, que teve lugar há precisamente 99 anos. Só porque me lembrei do que aconteceu em Portugal, desde esse dia até ao 25 de Abril. No entanto, quem quer olhar o país e o mundo pela positiva tem de acreditar nos homens que dia a dia desejam construir um mundo melhor.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O Presidente da República, Cavaco Silva, exortou, em cerimónia significativa,  à união em torno dos “grandes ideais republicanos”, sublinhando que esses ideais exigem um “esforço acrescido para a concretização da ética republicana e para a transparência na vida pública”. E isso mesmo devia levar-nos a acreditar que é sempre tempo de se iniciar o caminho da dignificação da nossa democracia, ligada quase há 100 anos ao regime republicano.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">É certo que devemos esquecer guerras fratricidas entre portugueses, que a implantação da República suscitou e até alimentou, e temos de reconhecer que, 100 anos após essa data, existem razões mais do que suficientes para crer que uma sociedade mais justa é possível e necessária entre nós. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Depois da primeira república, marcada por desordens, perseguições, assassínios e fuga às mais elementares regras democráticas, que geraram o caos e deram lugar à ditadura da segunda república do chamado estado novo, estamos agora na terceira, já com 35 anos de vida. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Uma vida com 35 anos de idade é uma vida adulta, mas nem sempre os comportamentos dos portugueses, os actuais republicanos, identificados com uma nova ordem social para o nosso País com tantos séculos de existência, têm sido os adequados para uma sociedade mais fraterna e mais democrática. Nos últimos tempos, como é sabido, têm sido muitas as ofensas à verdade e à liberdade, bem como ao sonho de um País novo, de mais progresso e de mais justiça social, que nem me apetece cantar essa efeméride. Pode ser que um dia destes acorde com outra disposição.<br /></div><br /><div class="separator" style="clear: both; text-align: left;">Fernando Martins<br /></div><br /></div>

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Outubro , 2009, 12:17

Platão

República, forma de governo aceitável


1. A história do pensamento e acção humanas regista momentos de avanços e recuos. Sendo as grandes descobertas científicas e técnicas autênticas alavancas em ordem ao futuro quer de cada geração quer do longo prazo humano, todavia, será no plano das ideias sociais que tudo se afirma decisivo. O aprender a viver com a diversidade de opiniões numa visão de conjunto social que respeite todos e cada um, sempre foi e será a meta final de qualquer conceito e proposta comunitária conceptualizada numa visão política. A grandeza da distância crítica em relação ao essencial de cada época dará a capacidade de nunca se absolutizar este ou aquele regime, esta ou aquela visão. Ao traçarmos o fio condutor sobre a história da humanidade, vemos regimes atrás de regimes, e tantas vezes os que vêm libertar posteriormente aprisionam…

2. Quantos males têm provido de absolutizações de realidades históricas, quantas ditaduras começando sempre levemente e mesmo por eleição democrática (Hitler foi eleito pelo seu povo) são reflexo do fechamento empobrecedor e indignificante. Os extremismos vários, os fanatismos políticos ou religiosos, as ideologias totalitárias do século passado já nos ensinaram que o “totalitarismo” como absolutismo histórico é contra-natura em relação ao potencial da beleza da diversidade humana… É sábia aquela frase de Winston Churchill (1874-1965) que diz que «a democracia é a pior forma de governo, excepto todas as outras que têm sido tentadas de tempos em tempos.» Neste pensar está-se sempre a repensar, a aperfeiçoar, a não absolutizar o dado histórico…

3. É em plena (nova) campanha e no meio de águas agitadas que ocorre a celebração do 5 de Outubro (de 1910) que pôs fim a um tempo e fez começar outro. Distância crítica em relação à república é bem vinda no sentido de ela ser a forma de governo aceitável não por si mesma mas se realizar determinadas condições… A ciência dos diálogos da República de Platão (séc. IV a.C.) assentava na ética e justiça. E a nossa?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 22 Abril , 2009, 22:09

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser realizado pelo Centro de Estudos de História Religiosa (CEHR) nos últimos anos, e considerando as exigências do debate historiográfico existente sobre o final da Monarquia Constitucional e a instauração do regime republicano em Portugal, estabeleceu-se uma programação de investigação, de grupos de trabalho e de iniciativas científicas.
Considerou-se que esta programação se deveria articular com diversos âmbitos de carácter oficial eclesial e académico, respondendo também às necessidades de participação pública no decorrer de iniciativas das Comemorações Nacionais referentes aos 100 anos da República. Esta programação, própria do CEHR, constitui-se exclusivamente com carácter científico, no âmbito da historiografia.
Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Fevereiro , 2009, 16:57

Nada será feito para dividir os portugueses


As comemorações oficiais do centenário da República querem “mobilizar” a sociedade portuguesa, sem reabrir quaisquer feridas do passado.
A garantia foi hoje dada por Artur Santos Silva, presidente da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República (CNCCR), durante a conferência de imprensa que serviu para apresentar o programa comemorativo.
Este responsável frisou que há que evitar uma “visão passadista”, contrapondo-lhe uma preocupação prospectiva, descobrindo elementos que possam ser úteis na construção do futuro do país.
Neste sentido, Santos Silva assegurou que nada será feito para “dividir os portugueses”, saudando como um facto “extremamente positivo” a presença de D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, entre os membros da Comissão Consultiva da CNCCR.

Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Domingo, 05 Outubro , 2008, 12:20

CAVACO SILVA NA COMEMORAÇÃO DO 5 DE OUTUBRO


"Os nossos filhos, os nossos netos, não nos perdoarão se baixarmos os braços, se não formos capazes de fazer as escolhas certas e ultrapassar as dificuldades que Portugal enfrenta."


Leia aqui todo discurso do Presidente da República

Editado por Fernando Martins | Domingo, 05 Outubro , 2008, 00:19

Celebra-se hoje, 5 de Outubro, a implantação da República em Portugal. Depois de mais de sete séculos de Monarquia, regime que criou o nosso País e o impôs no mundo, em especial com a gesta dos Descobrimentos, veio a República para nos governar.
Não importa analisar, hoje e aqui, o que houve de bom e de mau em cada regime. Isso fica para os historiadores. Mas importa sublinhar que a Nação portuguesa, com Monarquia e com República, tem sabido navegar através dos tempos, quantas vezes enfrentando procelas, sem nunca deixar que a barca lusa se afundasse.
Celebrar a República é celebrar, sobretudo, a coragem dos que se bateram por mudar o rumo de Portugal, na esperança de melhores dias para os portugueses. Valeu a pena? Cada um que julgue, mas haverá quem concorde e quem discorde. Como em tudo.
As mudanças, normalmente, são ditadas pelo desejo de melhorar. E não vale a pena admitir que os republicanos lutaram por benefícios pessoais. A luta pelo poder, ontem como hoje, visa, sem dúvida, o bem comum. E os ideais pelos quais nos devemos bater, na religião, na política e fora dela, são metas que todos devemos ousar no dia-a-dia, para chegar a uma sociedade mais justa e mais fraterna.
A Monarquia cumpriu o seu papel. A República estará a cumprir o seu. Mas está nas nossas mãos ajudar o País a permanecer fiel aos valores da sua matriz e aos desígnios de quantos o legaram às gerações presentes e futuras.
A dois anos da celebração do centenário da República, importa agora que todos saibamos recordar o 5 de Outubro de 1910, não com a preocupação de acusar seja quem for, muito menos apostando em encontrar o que de mal se fez, mas procurando descobrir o que de positivo tem acontecido até hoje. Para que Portugal continue a realizar-se no mundo.

FM

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO