de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Março , 2008, 22:27

NAVIO QUE ENTRA E NAVIO QUE SAI
O que agora parece fácil já foi difícil. Há precisamente dois séculos, os navios não entravam na laguma aveirense com a mesma facilidade com que o fazem nos dias de hoje. Dois séculos é muito tempo. E desde então, a Barra de Aveiro passou por inúmeras transformações, que foram, muitas delas, grandes melhoramentos. A região saiu enriquecida com a abertura da Barra, o que aconteceu no dia 3 de Abril de 1808. Inês Amorim escreveu um livro - "Porto de Aveiro: Entre a Terra e o Mar"-, que mostrará toda a história do nascimento e crescimento da Barra de Aveiro, ao longo dos últimos 200 anos. Sobre as celebrações que vão decorrer no próximo dia 3 de Abril, direi algum coisa durante estes dias.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 16:32

Na segunda-feira de Páscoa, o povo da Gafanha sempre a dedicou à Feira de Março. Quando eu era miúdo, os autocarros da Auto Viação Aveirense não paravam, sobretudo depois do almoço. O pessoal não tinha carro, como hoje. O meio de transporte mais usual era a "camioneta da carreira", como então se dizia. Nas paragens, os amigos da Feira apareciam em massa. Depois, era a compra de pequenas coisas que faziam falta ao dia-a-dia: a colher de pau, o tacho de barro, os brinquedos para a criançada, as farturas que sempre ali tiveram espaço, o saca-rolhas, os sapatos e a roupa feita, etc. Compras feitas, uma voltinha nos carrocéis, uma visita ao Poço da Morte, onde o Dias, do Stand Dias, mostrou como um jovem normal também lá sabia andar de mota, era o regresso com a tralha às costas. E as camionetas, com o tejadilho cheio, lá faziam o transporte de regresso a casa. Era um dia de alegria.
FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 09:40

Sinal de tradição ou de compromisso de fé?

Chegado o Domingo de Páscoa, é tradição o Padrinho ou a Madrinha oferecerem o chamado folar da Páscoa ao afilhado ou à afilhada.
Sendo um gesto de carinho e de ternura, pode ser um presente inócuo e sem consequências, onde tudo pode ficar na tradição pela tradição.
Por isso, acredito que o folar da Páscoa pode e deve ir para além da dimensão do mero tradicionalismo, quando é o caso, devendo tornar-se um dos símbolos da renovação e do compromisso baptismal que se festeja em cada Páscoa.
Só uma fé amadurecida pelo itinerário quaresmal pode permitir que, chegado o Dia Pascal, esta se transforme em anúncio, em alegria e em esperança, onde padrinhos e afilhados, madrinhas e afilhadas sintam que são testemunhas do mesmo Cristo Ressuscitado e no qual foram baptizados. Basta isto para o folar ter outro sabor!
Não sei porquê, mas já na sua idade de jovenzinho, um dos meus afilhados começou a oferecer-me o seu folar da Páscoa! Da surpresa inicial, passei à aceitação e, só mais tarde, é que acabei por compreender o sentido daquela oferta.
Inicialmente, comecei por pensar tratar-se de um gesto de cortesia do meu afilhado. Porém, as suas dedicatórias foram-se encarregando de me falarem de uma realidade bem mais profunda e que se traduzia num compromisso de fé deste com o seu padrinho e o reconhecimento da necessidade de partilhar este dom de ser baptizado, através da alegria e da amizade fraterna.
Se as notas escolares, as doenças, as dúvidas, os projectos, as tristezas, as “malandrices” da idade, entre outras vivências já eram, de há muito, partilhadas, porque não o folar?
Este ano, fui presenteado, como sempre, com um novo livro, este de autoria do Arcebispo Bruno Forte, com o título: “Porquê Confessar-se? – A reconciliação e a beleza de Deus”, das edições Paulus, atrevendo-me, desde já, a sugerir a sua aquisição aos leitores.
É um livro com apenas 54 páginas. Lê-se num ápice e a sua mensagem, não sendo nova, soa a frescura e a um prazer pacificador, mesmo abordando um tema nem sempre foi bem compreendido e aceite, mesmo por parte de alguns cristãos.
Naquele livro reafirma-se que somos seres frágeis e em permanente construção: Uma construção inacabada, até ao dia da nossa Páscoa definitiva.
No final, dei comigo a pensar: - Porque é que o meu afilhado não me ofereceu este livrinho mais cedo?
Talvez alguns episódios de sofrimento e de dor, em que estive envolvido, se tivessem evitado ou atenuado, para além das novas janelas que se poderiam ter aberto para melhor compreensão da infinita e compassiva misericórdia de Deus.
Quanto a mim, continuarei esta partilha de folares com o meu afilhado, procurando, em cada um deles, (r)encontrar a Boa Nova que o Deus Ressuscitado nos dirige, em cada Páscoa que se vive e celebra, ano após ano.

Vítor Amorim

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 12 Fevereiro , 2008, 15:00
Gafanha antiga: Igreja matriz, inaugurada em 1912


Recordo hoje o espírito de entreajuda que existia entre os gafanhões dos princípios do século passado e, talvez, das gerações anteriores, espírito esse que ainda vivi na minha meninice. Cenas que mostravam o espírito da vizinhança bastante acentuado, que se confirmava na cedência dos fósforos que se tinham esgotado, do ovo que faltava, do sal que tinha acabado, das couves para as refeições de todos os dias, que as do próprio quintal ainda não estavam à moda de apanhar, e do azeite que deixara de escorrer da garrafa.
As pessoas gostavam de trabalhar em conjunto. As tarefas agrícolas eram participadas pelos familiares e vizinhos, na certeza de que no dia seguinte estariam nos terrenos de outros ou nos seus, quando chegasse a sua vez. Trabalhavam para “ganhar tempo”, como se dizia e eu tanto observei.
Nas desmantadelas do milho, ao serão para juntar mais vizinhos, havia o bom gosto de brincar. Num desses serões, uns trolhas, que trabalhavam na Gafanha e que tinham vindo dos lados da Murtosa, apareceram com uns lençóis pela cabeça e umas máscaras improvisadas para esconderem as suas identidades. Foi uma noite bastante divertida, cada um procurando adivinhar quem seriam os mascarados. Só muito tarde, noite adiantada, se soube quem eles eram. Nunca percebi a razão destas brincadeiras que se mantêm na minha memória.
Vinham, depois, as malhadas, com o recurso ao malho. Gente possante e treinada, para marcar a cadência, à força de tanto bater lá se conseguiam separar os grãos de milho do caroço. O mesmo acontecia com a cevada, centeio ou aveia, os cereais mais cultivados nas Gafanhas.
Contudo, muito frequentemente os malhos e a força humana eram substituídos pela caminhada cadenciada das vacas dos proprietários e vizinhos sobre os cereais colocados com jeito na eira.
Estou a ver os mais jovens a imaginarem o que aconteceria quando as vacas precisassem de fazer as suas necessidades! Pois foi fácil, ou não andassem os nossos avós habituados a contornar as dificuldades. Inventaram uma retrete ambulante muito prática e higiénica: ao lado da roda formada pelas vacas em marcha, na eira, postava-se, atento, um garoto, com um bacio na mão, à espera que um qualquer animal resolvesse esvaziar a tripa ou a bexiga!
Porém, as manifestações comunitárias não se circunscreveram, nos primórdios da Gafanha, aos trabalhos agrícolas, mas estenderam-se, também, a outras actividades mais ou menos importantes.
Recordo ainda hoje a azáfama no fabrico dos adobos nos areais esbranquiçados, junto à mata. A cal viva era transportada em carros de bois desde os locais de origem, das bandas da Bairrada, ao que se dizia, até à Gafanha. Uma vez nos areais, era queimada pela simples junção de água dum poço que ali mesmo era aberto. Juntavam-se, depois, as famílias dos nubentes e os amigos e vizinhos, com os mais entendidos no comando das operações, para amassarem a cal com a areia e para moldarem os adobos em formas previamente feitas de tábuas.
Os mais experientes manejavam a colher da cal, ajeitando e apertando a massa sobre a forma de madeira, que era retirada, pouco depois, para se continuar a operação tantas vezes quantos os adobos necessários. E ali ficavam eles a secar à torreira batida pelos ventos que só os pinheiros enfrentavam corajosamente.
Vinham, a seguir, as “ajuntadelas”. O mesmo rancho lá ia empilhar os adobos para que adquirissem a consistência que só o tempo podia dar.
Nas vésperas da construção da casa, procedia-se à “acartadela” em carros de bois ou de vacas postos à disposição dos interessados pelos que os possuíam. Sabiam estes que tais favores eram sempre compensados, em maré semelhante, pelos que eram agora beneficiados. Depois, essa mesma gente ajudava, na hora própria, a “levantar a casa”, tarefa orientada pelo mestre ou familiar mais conhecedor.
Logo que a casa ficasse coberta, e quantas vezes sem o mínimo conforto, ali se recolhia o jovem casal para iniciar vida nova sob a bênção de Deus e dos pais.
Os acabamentos seguiriam quando houvesse dinheiro, porque o hábito de “ficar a dever” foi coisa que surgiu apenas nos nossos dias.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 31 Janeiro , 2008, 23:36


Andei hoje por Aveiro, cidade a que me ligam tão gratas recordações, desde a meninice. No centro do burgo, deambulei qual barco livre ao sabor da brisa marinha. Olhando montras e o velho casario que enforma a identidade da cidade dos canais, que muitos comparam à Veneza italiana, nem sei verdadeiramente porquê…
Cruzei-me com pessoas que me são familiares e cujos nomes, alguns, já se me varreram da memória, mas que são parte expressiva de muitas vivências.
Sítios, que outrora baptizámos com nome de Selva, hoje Fórum, trouxeram-me à memória dois antigos colegas que faleceram no curto espaço de um mês. Ali jogávamos futebol e aos bandidos e ladrões, mas também nos envolvíamos em guerras de bairros, eu como simples assistente, já que nunca soube atirar pedras, as armas das contendas bélicas dos meninos de há quase 60 anos.
Mas o que mais me impressionou foi ver passar uma senhora, a quem o peso dos anos e da doença envelheceram mais do que o esperado. O seu nome fica comigo nesta partilha com os meus leitores. Arrastava-se com alguma dificuldade pela calçada, com ajuda de pessoa amiga. E eu que a conheci no fulgor da vida; vida toda ela dedicada à cultura e à intervenção cívica. Cumprimentei-a e mal lhe ouvi a resposta ténue que delicadamente me dirigiu.
A vida é assim. Tanto trabalho, tanto entusiasmo, tanta garra, tanta luta! E de um dia para o outro os sentidos reduzem-se ao mínimo, a inteligência declina, a força esvai-se e os olhares inclinam-se para o chão. A vida é tão efémera…
FM

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 30 Janeiro , 2008, 14:50
Navio-museu Santo André. Quando lá vou ou o vejo, tantas recordações me saltam na memória


HORA DA SAUDADE

“Hora da Saudade” era um programa da Emissora Nacional, destinado a emitir mensagens para os bacalhoeiros portugueses, que se encontravam nos mares da Terra Nova e da Gronelândia. Na Gafanha da Nazaré, as emissões eram à noite e saíam do Cine-Teatro Triunfo, localizado na Cale da Vila, na Rua D. Manuel Trindade Salgueiro, na esquina com a Rua D. Fernando.
Um dia destes, ao manusear O ILHAVENSE, de 10 de Setembro de 1953, encontrei a notícia que transcrevo, em jeito de recordação. Era eu, em nome da família, que participava na “Hora da Saudade”, lendo a mensagem previamente escrita e dirigida a meu pai, contramestre do arrastão Santo André, um dos campeões do mundo da pesca do fiel amigo. Recordo, com que saudade, esses momentos comoventes que por vezes me bloqueavam, tremendo na leitura. Como acontecia a tantos outros familiares dos bravos lobos-do-mar. Algumas esposas e mães, ora alegres e esfusiantes, ora tristes e mais comedidas, lá iam lendo com desenvoltura ou soletrando com dificuldade as mensagens, que o locutor anunciava, pausadamente. No meu caso, era assim: “Para Armando Lourenço Martins, tripulante do Santo André, vai falar seu filho Fernando.”
Eu lia, então, e quando terminava saía feliz. O meu pai, longe, muito longe, bem avisado, como todos, tinha ouvido a minha voz e escutado, e gravado na sua alma, a mensagem da família.
Aqui fica a notícia que li no jornal O ILHAVENSE:

Hora da Saudade

Sob a presidência do sr. Capitão do Porto de Aveiro, comandante Carlos Pinto Basto Carreira, realizou-se em Ílhavo, no dia 30 de Agosto e na Gafanha da Nazaré, no dia 6 do corrente [Setembro], pela 2.ª vez este ano [1953], a “Hora da Saudade” dedicada aos pescadores do bacalhau, sendo lidas muitas mensagens por pessoas de família daqueles trabalhadores do mar.

Fernando Martins



Editado por Fernando Martins | Sábado, 26 Janeiro , 2008, 21:33

A fotografia de Ângelo Ribau, recentemente divulgada no blogue, teve o condão de me fazer tirar dois livros da estante que reli com satisfação e me transportaram ao tempo das avionetas. Trata-se de “HIDRO-AVIÕES NOS CÉUS DE AVEIRO” e “A MÍSTICA DE AVEIRO NA AVIAÇÃO NAVAL”, ambos escritos por Joaquim Nunes Duarte. Claro que ao falar de Aveiro e de aviões, a Gafanha e as suas gentes não poderiam ser excluídos por estarem estreitamente ligados ao assunto como descreve o autor com muito afinco e sensibilidade. Estes apontamentos estão pejados de histórias pitorescas da época e da interligação havida entre o pessoal dos aviões e as populações envolventes.

:
Saberá a geração actual que aquela a quem ainda chamamos “Base de S. Jacinto”, começou por ser em 1917 um centro de luta anti-submarina instalado e usado por aviadores navais franceses que se retiraram em 1918 com o fim da guerra? Nesse ano foi aí instalada a Aviação Marítima Portuguesa começando por utilizar o equipamento cedido pelos franceses. Em 1920 foram aqui preparados os hidroaviões com que Gago Coutinho e Sacadura Cabral fizeram a primeira travessia aérea do Atlântico Sul. Em 1952 é extinta a Aviação Naval e com ela a Escola de Aviação Naval Almirante Gago Coutinho. (A Marinha só voltaria a voar em 1993 com a aquisição de helicópteros para as fragatas da classe “Vasco da Gama”). A Aviação Naval é junta com a Aeronáutica Militar (do Exército) dando origem à Força Aérea Portuguesa. A área de S. Jacinto passa a ser a Base Aérea nº 7 nela funcionando agora a Escola de Aviação Gago Coutinho até 1976. Nesse ano a Força Aérea instalava em S. Jacinto a Base Operacional de Tropas Pára-quedistas. Em 1994 é a vez do Exército iniciar o seu ciclo de ocupação com a Brigada Aerotransportada, formada pela junção dos Páras e Comandos e o aeródromo passa de militar a civil.



A foto acima é de 1941, obtida logo após a inauguração do hangar em primeiro plano, construído pelos Estaleiros Navais de S. Jacinto criados no ano anterior. Os hangares eram virados para a ria para possibilitar o acesso dos hidroaviões. À esquerda vê-se a messe de oficiais, por trás do hangar as oficinas, as messes dos sargentos e o alojamento das praças. O hangar mais pequeno servia para montagem de aviões.








Nos primórdios da Aviação Naval o comando estava instalado no Forte da Barra. Depois muita coisa foi melhorada, sendo ainda no tempo da Marinha construída a pista de aterragem com 1400 metros de comprimento – a primeira do país a ser iluminada – novos hangares e a Torre de Controlo.

A passagem a aeródromo civil trouxe novas asas e novas perspectivas.


Por aqui passou a volta a Portugal de avião em Agosto de 1994. Novos voos se seguirão.


João Marçal


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 24 Janeiro , 2008, 19:39

Hoje apareceu-me esta foto que anexo. É a Escola de Aviação Naval Gago Coutinho. Não a conhecemos como a da foto. A informação foi-me dada há muitos anos pela minha mãe, e a foto foi "tirada" pelo meu tio Josué.
Ângelo Ribau
Nota: O tio do Ângelo, Josué Ribau, era formado em Matemática e faleceu jovem. Na Gafanha da Nazaré há uma rua com o seu nome.
FM

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 17 Janeiro , 2008, 15:12
Esteiro Oudino

Navio-museu Santo André

Ponte da Cambeia

Portas d'Água

ESTEIRO OUDINOT VAI FICAR COM CARA MAIS BONITA


Posso assegurar que a zona anexa ao Jardim Oudinot vai passar por um arranjo urbanístico, de forma a ficar um espaço de lazer, convidativo e acolhedor. O enquadramento não pode ser melhor. Com o esteiro Oudinot, navio-museu Santo André, Ponte da Cambeia, Portas d’Água e pequena praia, com canal de Mira como atractivo especial, onde não hão-de faltar embarcações de várias características, o arranjo será uma mais-valia para residentes e visitantes.
A Ponte da Cambeia, em ruínas, merece, de facto, voltar ao convívio pleno de quem aprecia os restos de um passado recente, presente, ainda, na memória de muitos. Tão bem a recordo, quando por ali pescávamos macacas e ouros peixinhos que ficavam presos aos nossos anzóis. Também assisti à pesca do safio, nas pedras da ria, por artes de gente mais velha que sabia o que fazia. As Portas d’Água eram uma decoração bonita para quem gostava de apreciar os arcos, que se limitavam a deixar passar a água, sobretudo na altura das marés vivas, com correntes bastantes fortes.
As palmeiras ainda resistem aos ventos, ao lado do canal, que dava acesso às oficinas da JAPA (Junta Autónoma do Porto de Aveiro), hoje APA (Administração do Porto de Aveiro). Ali atracavam as barcaças que transportavam as lamas retiradas do fundo lodoso dos canais da ria pelas dragas, para ficarem mais navegáveis. Tantas vezes fiquei arrepiado, ao ver os trabalhadores todos sujos, arrastando à força de vara, as pesadas cargas que atiravam, às pazadas, para as margens. Mas isto são outras histórias…

FM




Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Novembro , 2007, 11:07

A propósito da efeméride do Seminário de Santa Joana Princesa, dei mais uma vista de olhos ao livro “A alma e a pena do arcebispo”, com selecção de textos de D. João Evangelista de Lima Vidal da responsabilidade de João Gonçalves Gaspar. Estive a reler, precisamente, o tema “Na entrada dos primeiros alunos no novo Seminário”, com data de 17 de Novembro de 1951. É uma delícia esta escrita poética do saudoso arcebispo, que justifica, pois, uma leitura de quando em vez, para então sentirmos o palpitar do entusiasmo do primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro.
“Estamos longe, bem longe ainda, desse absoluto almejado arrumo; falta ainda um novelo espantoso de inquietações, de esforços, de lutas, uma mina de ouro, para nós podermos dizer que a construção do Seminário foi empresa que, realizado integralmente o seu curso, ora a cavalo ora a pé coxo, ou a cem à hora ou à velocidade da lesma, está agora nas prateleiras de algum silencioso e venerando arquivo”, lembra D. João, de quem bem me recordo.
E a seguir sublinha:
“Todos sabem até que eu, se fosse a fazer aquilo que mais me estava no gosto, preferia mil vezes que só houvesse vida de seminário no Seminário depois de se ouvir lá a última martelada dos operários, depois de se extinguir lá o último grão de poeira das obras, depois de não haver mais nada a fazer lá senão abrir a porta e entrar. Mas foi preciso apressar e fazer como os cães: acomodar um canto entre o tumulto, defendê-lo com umas aparas ou com umas ripas, abrir-lhe a cova, dar-lhe umas voltas e, fechados os olhos, fechados também os ouvidos, fazer por dormir.”
:
Foto de D. João, desenho de Gaspar Albino

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Setembro , 2007, 14:22
Gafanhoas na romaria da Senhora da Saúde

FESTA DA SENHORA DA SAÚDE

Ao ouvir os foguetes da Senhora da Saúde, lembro-me bem de que isso era um convite a corrermos até lá. Mas tal foi muito depois da foto que aqui publico, retirada da Monografia da Gafanha (edição de 1944) do Padre João Vieira Rezende, que foi prior da Gafanha da Encarnação, a que pertencia a Costa Nova, hoje paróquia, mas ainda ligada, civilmente, à mesma freguesia.
Os trajes, que presentemente pouco ou nada nos dizem, eram moda naqueles tempos e, decerto, bastante apreciados. Trajes de gente de trabalho duro, nos campos arenosos das Gafanhas, mas que hoje, apesar de bastante produtivos, estão um tanto ou quanto abandonados ou... cheios de casas e prédios que emolduram ruas e mais ruas. Outros tempos.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Setembro , 2007, 14:40

Na Gafanha da Nazaré


AS CALDEIRADAS DO ZEZÉ

Até ao fim do mês, alguns restaurantes da Figueira da Foz vão promover a caldeirada, numa perspectiva turística digna de louvar. É sempre importante divulgar e oferecer aos visitantes o que as terras têm de bom. Ainda não fui provar e saborear, este ano, as caldeiradas da Figueira da Foz e sua região, mas não perderei a oportunidade, se Deus quiser.
Com o anúncio da promoção das caldeiradas típicas desta estância balnear, vieram à minha memória as célebres caldeiradas de enguias do ZEZÉ, na Gafanha da Nazaré. Eram famosas e penso que ainda mantêm a posição das melhores caldeiradas da zona, com as suas características próprias, muito bem aperfeiçoadas pelo senhor ZEZÉ. Homem do povo, um gafanhão de gema, soube, com arte, recriar a caldeirada dos seus antepassados. Fazia-a à vista de toda a gente, com a porta da cozinha aberta. O segredo, como ele me dizia, estava no molho. Ele chamava a esse molho a “moira”.
Na minha juventude, enquanto dirigente do Grupo Desportivo da Gafanha, fui ao seu restaurante inúmeras vezes. Restaurante modesto, mas muito limpo, onde o mais importante era o convívio e a sua caldeirada.
Depois dos jogos de futebol amador, no campo do Forte, as equipas intervenientes nas disputas regionais tinham como único prémio uma caldeirada. Era o possível, mas sempre do agrado dos jogadores e dirigentes. Então, depois dos jogos, para lá íamos todos, para saborear a caldeirada à discrição. Também bem regada, com vinho da pipa.
Muitas vezes assisti à confecção da caldeirada de enguias. Enguias, batatas cortadas às rodelas finas, cebolas, salsa, louro, “pó de enguia” e demais condimentos. Mas o segredo, como disse, estava no molho, feito previamente numa caçarola. Adicionava-se-lhe, depois, água da cozedura.
Posta a caldeirada nas travessas, lá vinha o meu amigo ZEZÉ com “a moira” e com uma colher grande, para regar a caldeirada. Um dia virou-se para mim e segredou-me, com um sorriso enigmático: “Amigo Fernando, o segredo está aqui.” E estava. Pelo País, nunca mais comi caldeiradas como as do meu amigo ZEZÉ.
Há por aí muitas caldeiradas agradáveis, mas como as dele, as que ele temperava com a sua própria mão, no meio da azáfama da sua cozinha, nunca mais. É certo, porém, que os seus herdeiros souberam captar o segredo e a magia de fazer uma boa caldeirada para os tempos de hoje. É o que nos vale!

Fernando Martins

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO