de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 27 Abril , 2010, 10:56
:
Pedras com expressão
.
Ontem, na Praia da Barra, dei comigo a pensar no porquê destas pedras estarem tão tristes. Puxei um bocadinho pela cabeça e descobri. Se não concordarem comigo, digam, porque pode ser que eu esteja enganado. Em minha opinião, elas estão assim tão chorosas porque estão privadas de ver o mar. E até vos posso garantir que os ruídos das ondas que deslizam e batem nas costas das pedras mais tristeza lhes provocam. Que dizem? 

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 31 Março , 2010, 09:30

 

Carlos Figueira

 

  

A Barra precisa de um Pavilhão Multiusos

para os jovens de todas as idades

 

 

A Associação dos Amigos da Praia da Barra (AAPB) nasceu para promover uma sala de visitas do concelho de Ílhavo. Integrada na Gafanha da Nazaré, desde que a freguesia foi criada há 100 anos, é hoje a paróquia da Sagrada Família. Tem um ex-líbris da região, o mais alto farol de Portugal, com os seus 66 metros de altura. Do seu varandim, os visitantes podem contemplar uma paisagem deslumbrante, com mar a perder de vista e um formigueiro de povoações até às serras que nos separam do interior do país.

 

 

Em 4 de Novembro de 1991 nasceu a AAPB. Foi seu fundador um ex-emigrante, de Vinhais, Bragança, Dubral José dos Santos, que se fixou na Praia da Barra, depois do regresso a Portugal. Já faleceu, mas o seu amor a este recanto da Gafanha da Nazaré perdura na memória de quem o conheceu. Animou-o o desejo de tornar mais conhecida a praia e procurar melhores condições de vida para as gentes que aqui residem todo o ano e para as que vêm em veraneio.

Sublinha-se que «nessa ingrata e interminável tarefa calcorreou quilómetros, despendeu horas incontáveis e, com sacrifício do seu património e bem-estar, foi parceiro de autarcas e cidadãos anónimos, fazendo ouvir a sua voz solidária nos mais variados centros de decisão», lê-se em brochura que conta, a traços rápidos, a história da instituição.

Carlos Figueira, o actual presidente da direcção, desde Agosto de 2008, é mais um entusiasta da AAPB. Natural da Oliveirinha, vive na Praia da Barra há 16 anos e acredita que uma instituição como esta é fundamental para lembrar, propor e reivindicar o que considera importante para a terra e para as pessoas.

 

null )


Editado por Fernando Martins | Domingo, 19 Julho , 2009, 00:24

PEDRAS COM EXPRESSÃO

Na Praia da Barra, lá bem dentro do mar, umas centenas de metros, é possível parar um pouco e apreciar este farolim, que se encarrega de assinalar a presença do molhe protegido por pedras com expressão. Clique para ampliar e veja como algumas pedras manifestam mágoa, cansadas de estar à defesa das investidas do mar. Outras sorriem.


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 07 Julho , 2009, 15:01

Praia da Barra


É PRECISO APOSTAR
EM DIVERSÕES MAIS SAUDÁVEIS


Neste Verão, até Setembro, a Fundação Prior Sardo (FPS), da Gafanha da Nazaré, está a desenvolver acções de prevenção contra as drogas lícitas e ilícitas, nos bares e noutros espaços nocturnos da Praia da Barra. Aos fins-de-semana, a começar em Julho, uma equipa, constituída por uma técnica do serviço social, uma psicóloga e uma animadora sociocultural, vai tentar criar empatia com os jovens, distribuindo porta-chaves, autocolantes, crachás, espelhos, T-shirts e esferográficas, entre outros brindes, todos portadores de mensagens preventivas da toxicodependência.
Fuma-(+Curte), Liberta-te+(-bebe) e previne.tua.vida… atreves-te? vão ser mensagens inseridas nas T-Shirts, em folhetos e nos brindes, desafiadoras e estimulantes para o diálogo entre os membros da equipa e os jovens frequentadores dos cafés e bares, apostando em alternativas de diversões mais saudáveis.
A equipa, tão jovem como muitos jovens frequentadores da “noite”, vai mostrar que a diversão é possível e até aconselhável sem álcool, tabaco e demais drogas, substâncias altamente perigosas para a saúde. Ainda tentará propor bebidas, mais refrescantes, sem álcool, preparadas na hora pela própria equipa, que conta com o apoio dos proprietários dos bares, que aceitaram colaborar com este desafio da FPS.
A ideia destas acções surge como resposta ao desafio lançado pelo último diagnóstico territorial do concelho de Ílhavo, que sugere a necessidade de intervir nas áreas da prevenção e da reinserção social, junto dos adolescentes e jovens. Nessa linha, nascem dois projectos, “previne.tua.vida” e “segue.com.vida”, que suportam o trabalho em curso no Município de Ílhavo.
A Praia da Barra, na Gafanha da Nazaré, com vida nocturna mais intensa, foi escolhida para uma intervenção mais directa e mais personalizada durante o Verão.
Todo o trabalho é feito, aliás, em sintonia com o PORI (Plano Operacional de Respostas Integradas), do IDT (Instituto da Droga e Toxicodependência), que financia a Fundação, neste sector.
.

Maria Cândida Silva, directora da FPS


“O tempo está bom, os jovens estão de férias e tudo lhes desperta outros tipos de interesses; os bares, cafés e demais estabelecimentos nocturnos são preferenciais pontos de encontro da juventude; os exageros são frequentes e a FPS quer contribuir para reduzir a experimentação, evitando e retardando os riscos do consumo de drogas lícitas e ilícitas”, explica Maria Cândida Silva, directora técnica da instituição.
Elaborado o projecto da acção a desenvolver, a equipa passou por uma fase de conhecimento do diagnóstico concelhio, recebeu formação específica para trabalhar no sector da toxicodependência e assume, agora, “a experiência de campo”, aos fins-de-semana.
Foram estabelecidos contactos com os bares, cafés e outros estabelecimentos similares, no sentido de se conseguir a colaboração adequada. “Todos aceitaram muito bem a acção”, garante-nos a directora técnica da FPS.
“Não vamos com moralismos para estes adolescentes e jovens, mas vamos tentar fazer passar a mensagem, informando-os que é possível divertirem-se sem terem que cometer excessos”, afirma Maria Cândida Silva. E logo esclarece: “Nem todos os jovens têm comportamentos de excesso de álcool e drogas, mas a maioria tem.”
A equipa já foi a esses bares enquanto observadora, para perceber como é que funcionam e uma coisa é certa: “tínhamos tudo muito bem delineado, mas os ambientes que fomos observar já nos ensinaram que devemos actuar enquanto os jovens estão sóbrios.”
Maria Cândida Silva reconhece que há espaços da “noite” mais familiares, onde não há situações de risco, mas também há os outros que não podem ser ignorados, se é que queremos apostar num estilo de vida mais saudável. Nesse sentido, esta intervenção, que se insere no projecto “previne.tua.vida”, terá continuidade, se necessário, no projecto “segue.com.vida”. Neste último, a FPS, em parceria com a Câmara Municipal de Ílhavo, Centro de Saúde, CPCJ (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens), CERCIAV (Cooperativa para a Educação e Reabilitação dos Cidadãos Inadaptados de Aveiro) e Grupo Desportivo da Gafanha, procura ajudar na busca de emprego para toxicodependentes em tratamento e facilitar a integração sociofamiliar. Quer, deste modo, melhorar as condições para o bem-estar e para a vida activa dos indivíduos, reforçando competências sociais e promovendo a sua independência económica.
A FPS é uma instituição sedeada na Gafanha da Nazaré e foi escolhida para fazer a prevenção e promover a reinserção social dos ex-toxicodependentes, na área do concelho de Ílhavo.

Fernando Martins
Nota: Texto publicado no jornal SOLIDARIEDADE

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Fevereiro , 2009, 13:44

É Preciso Encontrar Soluções Definitivas

Na Praia da Barra, o mar voltou a atacar, chegando a ameaçar bares e a deixar as populações preocupadas. A praia viu fugir-lhe parte das suas areias, tão importantes para a época balnear que se aproxima a passos largos. A questão é cíclica e não há, aparentemente, técnica que resolva o assunto de vez. Mas também é verdade que, se o mar ataca, o homem contra-ataca.
A reconstituição do areal está em curso, com máquinas escavadoras e camiões a laborarem em pleno. Pelo que já se sabe, 50 mil metros cúbicos de areia estão a ser movimentados, apesar de as ondas, com alguma frequências, surgirem ameaçadoras. Mas a vontade humana de garantir a praia para os milhares de veraneantes que nos visitam, ano após ano, e tranquilizar as populações é mais forte.
Durante duas semanas, os mais cépticos podem confirmar a azáfama que por ali vai, graças à intervenção oportuna da Câmara de Ílhavo, que fez chegar ao Instituto da Água (INAG) as suas inquietações. E segundo este instituto, está a ser seguido o princípio de recolocar na praia a areia que o mar dali retirou, nos últimos tempos. Daí que, como presenciámos, a máquina escavadora tenha andado a trabalhar com as lagartas assentes no oceano.
É garantido que esta situação se tem repetido ao longo dos tempos, o que obrigou os responsáveis a responderem com obras e mais obras, bem patentes aos olhos de todos. Mas de um dia para o outro, com ventos fortes e chuvas intensas, marés vivas e correntes que ninguém esperava, tudo se torna frágil face à força das ondas que atacam sem piedade.
Paredões mar adentro, reforço com pedras e blocos de cimento, reposições dos areais e preservação das dunas têm sido as respostas aos ataques do Atlântico. Porém, não se julgue que este fenómeno se verifica apenas na Praia da Barra. Costa Nova e Vagueira, para falar somente do que está mais perto de nós, também têm sido vítimas da fúria das ondas.
O INAG, segundo informações que colhemos, vai voltar a intervir na Barra, espera-se que antes da época balnear, não só para reforçar o areal, mas também para emprestar mais consistência à zona dunar. Nessa altura, está prevista a colocação de mais de um milhão de metros cúbicos de areia.
Entretanto, Carlos Borrego, docente da Universidade de Aveiro e especialista em questões ambientais, em declarações à Rádio Terra Nova, alerta para a necessidade de se encontrarem soluções definitivas, de forma a deixar tranquilas as populações.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Fevereiro , 2009, 12:16
(Clicar para ampliar)

Cada Dia Cada Paisagem


Cada dia cada paisagem é a melhor recomendação para quem visita a Praia da Barra. O que é preciso é olhar. Hoje apreciei diversas cenas. Esta foi uma delas. Os pára-quedistas, descarregados no ar pelo avião, até parece que vão cair no mar, mesmo à boca da barra. Mas não. O dia está lindíssimo, com sol brilhante, mas ainda não apetece mergulhar no oceano. Esse treino virá para o Verão. Sabe-se lá se os pára-quedistas, um dia qualquer, em tempo de paz ou de guerra, terão mesmo de descer para as águas, de um rio ou de um mar!

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 13 Fevereiro , 2009, 14:48


O que o mar dá pode roubar de um dia para o outro


O mar ataca e o homem contra-ataca. Sempre foi assim. O que o mar dá pode roubar de um dia para o outro. Mas o ho-mem, que quer o que é bom, volta a construir o que o mar destruiu. Desde que me conheço, a regra do jogo é esta.
O mar, que deu o areal, resolveu levá-lo um dia destes. Mas o homem, que o quer, não esperou nada. E hoje, com sol re-confortante, assisti à reposição da areia na praia da Barra.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 10 Fevereiro , 2009, 21:27

"O Instituto da Água vai repor, "o mais rapidamente possível", areia na praia da Barra para evitar que o mar continue a avançar de forma a colocar em risco os bares de praia, revelou o director de obras do INAG, João Costa.
O quadro vivido nos últimos dias na praia de Ílhavo é "anormal", diz João Costa, que se baseia nas informações de quem conhece a zona, para a considerar "único nos últimos 30 anos". Na origem da situação, revela, "está o temporal que nas últimas quatro semanas, de forma persistente, tem fustigado a zona, com ondas que vão dos 3,5 a 16 metros". Esta agitação marítima, diz João Costa, "tem sobrelevado o nível médio das águas junto às praias, com as fortes correntes de retorno a retirarem a areia da praia"."

Leia mais no JN

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 09 Fevereiro , 2009, 14:23

(Clique nas fotos para ampliar)

O mar da Barra, na Gafanha da Nazaré, continua a dar dores de cabeça aos mais argutos técnicos. Quando se pensa que está tudo bem, de repente ele ataca com toda a sua bravura, não perdoando a quem encontra pelo caminho. Daí os receios de que ele chegue às habitações e às pessoas, ferindo-as de morte. Esperemos que não. Leia mais no DA de hoje.


Editado por Fernando Martins | Sábado, 07 Fevereiro , 2009, 11:09
Mar ataca praia da Barra

O nosso mar, que nunca nos cansamos de cantar, de tal modo ocupa um lugar especial na nossa alma, ainda não se fartou de nos estragar a festa. De vez em quando faz das suas. Agora, revela o Diário de Aveiro de hoje, fez desaparecer “uma parte relevante da praia da Barra”. Segundo aquele diário, “a erosão que se verifica poderá ter a ver com a criação de novas correntes, devido ao assoreamento da entrada da Barra”. Pedem-se, por isso, “medidas urgentes contra o avanço do mar".

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 18 Setembro , 2008, 14:20
Eu identifico-me, presentemente, com três praias: Barra, Costa Nova e Figueira da Foz. Gosto de outras, mas estas enchem-me as medidas, por razões pessoais. Aqui ficam três fotos, com as legendas que justificam as minhas opções. Mas que fique claro: não quero que haja ciúmes entre as minhas três praias.

BARRA

Gosto da praia da Barra porque nasci a dois passos do seu mar e do seu areal. Desde tenra idade, identificava, na noite silenciosa, o som cadenciado das ondas a estenderem-se na praia, o trabalhar dos motores das traineiras a saírem para o mar, o rugido da ronca a anunciar nevoeiro na costa, a luz do farol com avisos à navegação.
Agora, que preciso de caminhar, a praia da Barra dá-me a possibilidade de entrar no mar, um bom quilómetro, pelo molhe sul, para sentir distintamente a maresia, o palpitar do mar, ora sereno ora bravio. Mas ainda para me deliciar com horizontes largos, aqui e ali assinalados por navios que passam ao largo ou entram na barra.

COSTA NOVA


A Costa Nova também me está no sangue e na alma. Os sons confundem-se ou misturam-se, irmãmente, com os da Barra. E se o mar é o mesmo, a laguna que bordeja a povoação, com 200 anos de vida, enche-nos a alma de paz. Olhando-a, de pertinho, ali estão a beijar-nos os pés a sua água transparente, os seus barquinhos à vela que nos convidam para viagens de tranquilidade, os pescadores na safra que os alimenta, a vontade de dar um saltinho até às Gafanhas, com ponte à vista
Ao longo da ria, na Costa Nova, há sempre a possibilidade do encontro com outras gentes que procuram um ar cada dia diferente.

FIGUEIRA DA FOZ



A praia da Figueira da Foz foi, para mim, uma conquista tardia. Nem por isso deixo de a admirar, como se pode e deve admirar uma terra com tradições antigas na arte de aproveitar o sol à beira-mar, sobretudo para a burguesia. Depois, e bem, democratizou-se, e hoje a praia da Figueira é de toda a gente.
Aquela marginal a perder de vista, com areal de um lado e vida urbana do outro, com o oceano, ao longe, a desafiar-nos, tudo isto me encanta em dias de menos vento e de mais sol.
Gosto de por ali caminhar, cruzando-me com quem passeia tranquilamente ou insiste em perder peso, com gente jovem e menos jovem, a pé ou de bicicleta e sempre com a serra da Boa Viagem à vista.

Fernando Martins


mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO