de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 27 Abril , 2010, 10:47
 

«Sabia que Viriato não era um humilde pastor? Que D. Afonso Henriques nunca bateu na mãe? E que D. Sancho II era frouxo na cama? São histórias rocambolescas publicadas hoje pela Esfera dos Livros. João Ferreira é o autor.»
 
NOTA: Pois é. Toda a nossa história, de feitos e glórias, de muitas vitórias e poucas derrotas, de heróis e camafeus, está cheia de mitos e lendas, parece que fundamentais  para "construir"  uma nação. De qualquer modo, é a nossa história, de que muito nos orgulhamos. Veja aqui.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Abril , 2010, 11:04
;
O Diário de Notícias oferece hoje, a quem comprar o jornal,  O GRANDE LIVRO DOS PAPAS. Trata-se de uma publicação para toda a gente, porque, a traços rápidos, fala de todos os Papas, desde S. Pedro a Bento XVI. Quem gostar de conhecer um pouco de cada Sumo Pontífice, aproveite esta boa oportunidade.
Já agora, os meus amigos sabem que também tivemos um Papa português? Pois é verdade. Pedro Julião  ou Pedro Hispano, assim se chamava ele, era natural de Lisboa, provavelmente da freguesia de S. Julião, e distinguiu-se como médico (profissão de seu pai), filósofo,e teólogo. O seu pontificado, que decorreu entre 15 de Setembro 1276 e 20 de Maio de 1277, durou  apenas oito meses e alguns dias. Foi vítima de um desmoronamento de uma abóbada, quando visitava obras em curso. Está sepultado em Viterbo, Itália.
O seu túmulo esteve bastante abandonado durante anos e foi o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, João Soares, curiosamente um ateu, que se interessou pela sua recuperação, aquando do seu mandato.
Este caso, como outros, dizem bem da curta memória dos portugueses. Ainda ontem, Ângelo Correia, em entrevista à revista Única do Expresso, denunciou essa triste realidade. Sugiro que a leiam, para que cada um de nós olhe à sua volta e veja se há ou não marcas do nosso rico passado histórico ao abandono.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Fevereiro , 2010, 11:13
Portugal é o 21.º melhor país para se viver

«A revista International Living coloca Portugal na 21.ª posição da sua tabela anual de melhores países para se viver, que classifica 194 nações a partir de um conjunto de indicadores que vão do custo de vida até ao clima, passando pela cultura e entretenimento, economia, ambiente, liberdade, saúde, infra-estruturas e segurança. Em relação ao ano anterior, Portugal subiu quatro posições.»

Ler mais aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 30 Janeiro , 2010, 12:58
Paço Ducal

«Visitar Guimarães fez com que Eduardo Lourenço tomasse "um banho de imersão pátrio". "Aqui vive-se um tempo muito particular, talvez o mais português dos tempos", sublinhou o ensaísta depois de percorrer as salas e claustros do Paço dos Duques de Bragança. E fez questão de conhecer o interior da Capela de S. Miguel, onde Afonso Henriques terá sido baptizado, e de ver de perto o castelo da cidade. O pensador esteve em Guimarães pela primeira vez aos 86 anos, no fim-de-semana passado, a convite da fundação que gere a Capital da Cultura de 2012. O motivo foi uma conferência sobre a Europa no âmbito da Capital Europeia da Cultura. O programa da Guimarães 2012 abriu assim com a presença de uma figura marcante do país, sinal da aposta na discussão acerca da construção europeia que vai ser central ao evento. Com uma vitalidade invejável, Eduardo Lourenço percorreu a pé as ruas do centro histórico, desconfortável com a atenção que lhe dedicaram os fotógrafos. Por ali diz ter "reencontrado Portugal". "Guimarães não me era familiar", confessou. Mas parece tê-lo conquistado, elogiando a "consistência arquitectónica" e o facto de estar perante uma "cidade jovem e cheia de futuro".»

No PÚBLICO de hoje
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Janeiro , 2010, 15:11



Ética Republicana

Com as programadas celebrações da República Portuguesa, que envolvem, para já, cerca de 500 iniciativas, abrangendo os mais diversos campos, fala-se muito de ética e de ideais republicanos dos que, em Lisboa, em 1910, substituíram a Monarquia pela República.
Na minha adolescência li um livro, intitulado Proscritos, de Luís Gonzaga de Azevedo, que me deu uma triste imagem dessa ética, mais tarde corroborada por historiadores cultores da verdade histórica. Contava, com fotos ilustrativas, as perseguições que os republicanos protagonizaram, junto da Igreja católica, em especial do clero e da Companhia de Jesus, bem como de todos os que, mesmo republicanos, discordavam do pensamento dos vencedores e dos que ocupavam os cargos de liderança.
Mais tarde, ao ler a história da primeira república, fiquei admirado com a tirania e o caos em que caiu o País, abrindo as portas à segunda república, que nos deu quase meio século de ditadura.
Afinal, a República, que durante anos e anos muitos portugueses ignoraram, nada tinha de democracia e de fraternidade, muito menos de liberdade e de igualdade, como proclamavam os arautos do novo regime, que pescaram na Revolução Francesa os propósitos nobres que estariam na base de uma sociedade nova e mais justa.
Historiadores actuais, Vasco Pulido Valente e Rui Ramos, por exemplo, explicam bem o que foram esses tempos, de perseguições, assassínios, falta de liberdade, censura, manipulação de eleições, organização de bandos criminosos e outras tropelias indignas de gente civilizada. Aos jesuítas chegaram a medir a cabeça, ao jeito nazi.
É óbvio que tudo já lá vai e que hoje o importante é olhar o futuro, na certeza de que melhores dias virão, nesta terceira república que nos é dado viver.
Houve aspectos positivos? É claro que houve, os quais devem ser lembrados com respeito por todos os que procuraram levá-los à prática na construção do nosso País, na aurora do século XX. Mas também não podemos enterrar a nossa História, sob pena de passarmos, aos nossos jovens,  uma mensagem falsa da mudança de regime.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Domingo, 06 Dezembro , 2009, 14:46

O Fundador de Portugal
morreu neste dia

D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal e responsável, destemido, pela nossa existência como povo que se orgulha da sua História, morreu faz hoje 824 anos. Lutou incansavelmente com o apoio de quantos sonharam ser autónomos, face aos poderes que os cercavam. Para recordar o que foi a sua vida e a sua política, não faltam livros, mas, já agora, vejam aqui, para fixarem o seu exemplo de tenacidade e de visão de futuro.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 01 Dezembro , 2009, 01:21

Aclamação de D. João IV

A minha geração continuará
a lembrar feriados de que nos orgulhamos

Hoje, 1 de Dezembro, é celebrada a restauração da independência de Portugal. Depois do domínio filipino, durante 60 anos, um grupo de portugueses, movido por um patriotismo inabalável, resolveu escorraçar traidores e entregar a coroa a um português de lei, o então D. João, da Casa de Bragança. Veio a ser o nosso D. João IV, o Restaurador, a cuja descendência pertence o actual Duque de Bragança, D. Duarte Pio João.
Penso que este feriado nacional, como tantos outros, localizado na nossa história e com um significado muito grande, caiu no esquecimento. Decerto por culpa de todos, mas sobretudo de muitas Escolas, instituições oficiais e privadas, famílias e comunicação social, que relegam para segundo plano datas importantes da nossa identidade, matriz de um povo que soube construir uma Pátria respeitada no mundo, por feitos gloriosos.
Não me espanta, pois, a ignorância que grassa por aí, com os portugueses sem tempo nem apetites para se preocuparem com o nosso passado. E daí, as razões para num dia qualquer se acabar de vez com certos feriados, substituindo-os por outros. Estarei a ser pessimista?
De qualquer forma, a minha geração, que cultivou, pelo que sei e sinto, o amor à História Pátria, continuará a lembrar feriados de que nos orgulhamos. Como este.

FM
 
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 10 Novembro , 2009, 23:29
A minha amiga Marieke oferece-nos, de vez em quando, temas interessantes. Hoje, por exemplo, gostei de ler o texto em que ela situa, no seu Ponto de Encontro, a possível naturalidade do nosso primeiro rei no concelho de Sever do Vouga. Leiam aqui.



O nono centenário do nascimento do nosso primeiro rei assinala-se este ano. D. Afonso Henriques pode ter tido as suas origens no lugar da Senhorinha, no concelho severense

"Assinala-se este ano (desconhece-se o mês e o dia) o nono centenário do nascimento do nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, que, curiosamente, pode ter tido as suas origens em Sever do Vouga, mais concretamente no lugar da Senhorinha.
São apontados vários locais como berço do seu nascimento. Terá o rei “Conquistador” nascido em Guimarães? Ou em Viseu? Ou em Ribadouro, concelho de Baião? Ou mesmo em Coimbra?
O principal argumento em favor de Guimarães fundamenta-se no peso da tradição, que defende que D. Afonso I nasceu nesta cidade e foi baptizado na pequena capela existente perto do castelo. Porém, está provado documentalmente que esta capela não é do tempo do nosso rei fundador, mas bastante posterior."

Marieke
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 17 Julho , 2009, 21:48

“Pouco depois do «5 de Outubro», António José de Almeida perguntou, melodramaticamente, se 300 000 republicanos chegavam para manter em respeito 5 milhões de portugueses. A pergunta era boa. Sobretudo porque, na melhor das hipóteses, os republicanos não passavam de 100 000. Em 1910 o PRP [Partido Republicano Português] não tinha qualquer organização na maioria dos concelhos do país e onde a tinha no papel quase sempre não a tinha na realidade: comissões e agremiações com nomes heróicos, que na prática se reduziam à mesma meia dúzia de amigos, associados sob diversos nomes e pretextos.”

Vasco Pulido Valente,

In Portugal – Ensaios de História e de Política
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Junho , 2009, 14:12

“Tem de haver uma mudança radical no nosso olhar para nós mesmos. Portugal vive praticamente a duas cores. Cor-de-rosa e cinzento. Pouco adequado a um país com muito sol e um enorme mar azul à frente. Há cada vez mais gente a cantar em inglês (especialmente na zona centro, vá-se lá saber porquê), o que denota um afastamento gradual da língua mãe, e portanto da nossa razão de ser povo. Porque não voltar a ter uma bandeira bonita? Já a tivemos, era azul e branca. E, já agora, tirar aquela ridícula letra do hino e deixar a música viver em pleno, que o hino é muito bonito.”

Rui Veloso

Citado pelo jornal i

IDEIAS PARA PENSAR

:
Ora aqui está uma ideia para pensar. Eu sei que as nossas prioridades estão centradas na política e no mais feroz e avassalador objectivo, que é a economia. Sem ela, não creio que haja vida digna. A velha teoria do amor e duma cabana já lá vai há muito. Mesmo assim, acho que há ideias interessantes, como esta lançada por Rui Veloso.
Diz ele que o nosso mar e o nosso céu, com sol que baste para tornar o nosso País bastante luminoso, poderiam inspirar uma bandeira diferente, com cores mais consentâneas com a nossa realidade. O verde e vermelho, duas cores que casam tão mal, apenas terão surgido por oposição agressiva às tradicionais cores da bandeira nacional, em que o azul e o branco pontificavam. E assim ficou, até hoje, explicando-se o facto com argumentos que de outra forma também se arranjariam a contento de todos.
Depois abordou a questão da letra que considerou ridícula. Aliás, não é primeira vez que alguém a contesta. Que eu saiba, o primeiro a fazê-lo foi Alçada Baptista, em Chaves, no discurso (depois publicado num dos seus livros) do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Na altura, não faltaram protestos contra o autor da ideia. Mas ele, com a sua bonomia, ria-se e dizia, com graça, que há muita gente que canta o Hino Nacional, sem sequer pensar no que está a dizer. Pois é. Então, por que razão não se há-de pensar no assunto?
Alçada Batista tinha destas coisas. Um dia também contestou a oração que nós, católicos, muito rezamos e que é a Salve, Rainha. Afirma ele que não faz sentido usar palavras e expressões como “os degredados filhos de Eva”, “vale de lágrimas” e “desterro”. Expressões e palavras que denunciam pessimismo e uma visão negativa da vida.
Seja como for, acho que o Hino Nacional merece outra letra, já que a música, como diz Rui Veloso, é muito bonita.
Quanto à Salve, Rainha, não acredito que alguém lhe mexa. Mas como há tantas outras orações expressivas e optimistas, o melhor é optar por elas.
Que dizem os meus leitores e amigos?

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 11 Outubro , 2008, 14:53

O EXPRESSO publica hoje, na REVISTAÚNICA, na capa, um excerto do Hino Nacional. Sublinhada está a expressão “O esplendor de Portugal” e dentro, à sombra dela, há o Prato Principal da revista, com uma entrevista a Saramago; Um País como nunca se viu, em fotografia,; estatísticas sobre o O que dizem os números; Empresas do futuro; Ícones e outros temas interessantes. Tudo para nos fazer pensar. Tudo para nos sentirmos orgulhosos.
Deixo aos meus leitores o prazer de ler esta revista do EXPRESSO. Aqui e agora quero, somente, lembrar que sou do tempo em que o Hino Nacional era aprendido nas escolas, desde a primeira classe. A minha geração e as que se seguiram sabiam cantar bem o Hino. Afinado e com altos e baixos aplicados com rigor.
Depois veio a moda de que isso era nacionalismo serôdio e o ensino do Hino Nacional começou a ficar esquecido. Houve um despacho ministerial no sentido de se retomar o ensaio do nosso Hino, mas penso que as nossas escolas o deixaram cair para os espaços museológicos. Então, como pela força das circunstâncias importa cantá-lo, é certo e sabido que se cai na desafinação geral. Muitos só sabem a parte final, quando se apela:
“Às armas, às armas!
Pela Pátria Lutar
Contra os canhões
Marchar, marchar!”
Já agora, permitam-me que alinhe com o escritor Alçada Baptista, quando um dia disse que era tempo de substituir precisamente este final, por não ser adequado aos tempos que vivemos, tempos de lutar pela Pátria, sem violência, mas com inteligência e com criatividade.
FM

tags:

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO