de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Maio , 2008, 11:31

São Tomás de Aquino, na sua Suma Teológica, (ST I q. 65, a. 5), refere-se a este acontecimento, escrevendo: “o anjo pecou porque quis ser como Deus”, não para fazer, como até aí, do homem um ser livre, mas um escravo.
Perante esta sua opção livre, aquele anjo, que era luz, tornou-se trevas.
Pela primeira vez, na história da criação, fez-se ouvir o grito da revolta, através de Lúcifer: “Não servirei! Subirei até ao Céu, estabelecerei o meu trono acima dos astros de Deus, sentar-me-ei sobre o monte da aliança! Serei semelhante ao Altíssimo!” (Is 14,13-14).
Perante esta ameaça, ecoou, de imediato, um clamor, de um outro anjo, no Céu: “Quem como Deus?”, ou seja, quem é que quer [se atreve a] ser como Deus?
Quem se atreveria a tal blasfémia contra o seu próprio Criador e Deus Único?
Entre o anjo revoltado – Lúcifer – e o trono de Deus erguia-se, agora, “um dos primeiros príncipes” (Dn 10,13), um serafim incomparavelmente mais esplendoroso e forte do que havia sido até aí, “o que levava a luz ” ao mundo.
Quem era este ser que ousava desafiar o anjo revoltado e que brilhava invencível, revestido do “poder da justiça divina, mais forte que toda a força natural dos anjos?” (ST I, q. 109, a. 4.).
Quem era este anjo? Chama viva de amor incondicional, fogo de zelo e humildade e executor da justiça divina.
“Quem como Deus?” – Milhões de milhões de anjos fiéis repetiram o mesmo clamor, em uníssono, de fidelidade a Deus.
“Quem como Deus?” – este sinal de fidelidade, que em hebraico se diz Mi-ka-el, passou a ser o nome daquele serafim que, pelo seu amor ímpar e incondicional, foi o primeiro ser celestial a levantar-se em defesa de Deus.
“Travou-se, então, uma batalha no Céu” (Ap 12,7), entre anjos e demónios.
Satanás, desvairado de orgulho e ”obstinado pelo seu pecado” (ST I, q. 64, a. 2.)“ arrastou a terça parte (Ap 12,4) dos espíritos angélicos, submergindo-os consigo nas trevas eternas da revolta.
Porém, estes não prevaleceram, nem o seu lugar se encontrou mais no Céu, pois o serafim revoltado era visto “cair do céu como um relâmpago” (Lc 10,18), e ser condenado ao fogo “preparado para ele e os seus anjos” (Mt 25,41).
Reposta a ordem nos céus, a luta entre a luz e as trevas, o bem e o mal passou a ser a terra dos homens.
O anjo destronado, conseguiu seduzir os nossos primeiros pais a pecarem, como ele, contra seu Criador, seduzindo-os com a promessa que também eles se podiam tornar deus (Gn 3,5). A partir desse momento, uma luta intensa permanece, na história da Humanidade, entre o poder do bem e o poder do mal, pertencendo, desde sempre, ao homem a escolha, livre, em aceitar ou recusar as graças de Deus e a decidir sobre o seu próprio destino. Como está escrito na Constituição pastoral Gaudium et Spes, 16: “No fundo da consciência, o homem descobre a existência de uma lei, que ele não impôs a si mesmo, mas à qual deve obedecer, e cuja a voz, convidando-o a amar e a fazer o bem e evitar o mal, no momento oportuno ressoa aos ouvidos do coração: faz isto, evita aquilo.”
Enquanto isso, São Miguel era elevado por Deus ao cimo da hierarquia dos anjos fiéis e tornava-se o “gloriosíssimo príncipe dos anjos celestes”, como é designado pela liturgia da Igreja Católica, de quem se tornou protector e defensor, no Céu e na terra, até aos dias de hoje.

Vitor Amorim

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 19 Maio , 2008, 09:53

Ao contrário do que é habitual nas sociedades do Ocidente, escolher um nome para uma criança na cultura e religião judaica não é uma tarefa fácil. O nome da pessoa não é uma mera etiqueta ou uma identificação apenas física, mas expressão da essência e da alma do seu portador, ou seja, o nome deve combinar com a alma da pessoa que o recebe. Existe mesmo como que um período de inspiração divina para os pais fazerem a escolha do nome que realmente pertence à criança e a marcará, enquanto pessoa, para toda a vida.
Após esta breve introdução, escolhi em falar do nome hebraico Miguel – cujo nome me diz muito – procurando que se compreenda o seu significado, a partir da Sagrada Escritura e da Tradição da Igreja.
Para todos quantos acreditam no Deus uno e trinitário, Senhor e Criador de todas as coisas que existem e vivem no Universo, terá que aceitar que os anjos – os chamados seres celestiais – também foram criados por Deus.
Tal como os homens crentes, também os anjos amavam e serviam o Senhor Deus, não como criados ou escravos, mas sim como seres perfeitos e livres.
Não é por acaso que a figura dos anjos aparece nos grandiosos anúncios da Boa Nova que Deus sempre quis comunicar ao Homem, em todos os tempos e lugares. Só um ser livre pode transmitir a alegria!
O anúncio da Encarnação do Verbo pelo anjo Gabriel a Maria (Lc 1, 26-35) é uma das graças e um dos muitos exemplos do papel destes seres espirituais na História da Salvação e, é bom não o esquecer, na história pessoal de cada um de nós. Quem não se lembra do seu Anjo da Guarda?
Tudo seria perfeito se, a dado momento, não tivesse surgido um anjo, de nome Lúcifer, que não aceitando a missão que lhe estava destinada, enquanto ser celestial criado por Deus, decidiu revoltar-se e desafiar o seu próprio Criador.
Porque o terá feito? Há quem diga que Lúcifer não compreendia que, por vezes, é necessário amar sem entender, ou seja, amar, acima de todas as coisas, o próprio Deus e reconhecer que o bem supremo deste amor visa a Sua glória, através da infinita e absoluta bondade eterna do Pai para com todos os homens, para que estes também sejam glorificados.
Estamos, pois, diante de um ser angélico – Lúcifer – que duvidou deste mistério, e não confiando no seu Criador o seu amor por Deus e pelos homens, deixou de ser submisso e incondicional.
O que Lúcifer questionava era como Deus podia ignorar a inferioridade do Homem face a Ele mesmo e aos próprios anjos, pelo que não entendia como Deus permitia que eles – os anjos – servissem o homem, um ser inferior a Deus e a eles próprios.
Amanhã, continuaremos o desenvolver este assunto.

Vítor Amorim


mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO