de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Janeiro , 2010, 16:21


Ecumenismo e integrismos

1. Se formos elaborar um estudo exaustivo, mesmo que numa análise do campo exterior, a origem das religiões revela-se sempre imensa de ser universalista e totalizante, dador de sentido à existência de cada um e de todos. Nessa análise, na generalidade, detectar-se-ia uma frescura de interiorização e universalização capaz da inclusão das múltiplas diversidades e visões. Com o crescer e com o necessário realismo, como é natural, vem a procura de regulação e enquadramento, um estabelecer de balizas de ideias e de compreensões práticas, facto que, a partir de uma determinada racionalidade (porventura codificada), pode levar a excluir as diferenças, fazendo crescer a dura e crua semente do integrismo, fanatismo, fundamentalismo.




2. Nestes domínios, a aprendizagem da razoabilidade e das aceitações da pluralidade afigura-se como um dos maiores desafios postos ao século XXI. Nem tudo, nem nada! Tanto os perigos do igualitarismo de “todos iguais”, como os males do exacerbar de “todos diferentes”, podem conduzir a fugir para a periferia extremista, quando o caminho do “meio” é o ideal mais pleno e capaz na “unidade plural”. Utopias simpáticas da unidade de todos sermos iguais (anulando as diferenças) existem em todos os quadrantes, tal como aquele integrismo de quem tem “a verdade” (excluindo o outro) também existe em todos os campos e em todas as religiões. Valerá a pena perguntarmo-nos: que “códigos” são aqueles que (1.º) se enxertam na frescura fundante da religião “x” ou “y” (2.º), mas em que depois perderam o próprio espírito continuamente renovado para com cada actualidade…(?)

3. É pela estrada do “diálogo” que se consegue a unidade ecuménica (vivemos a Semana Ecuménica). Mas é pela autenticidade despojada e generosa do diálogo que é possível antecipar o futuro. Diálogo que não é perca de identidade, diálogo que não é abdicação do pensar, diálogo que integra a plenitude do que se pensa e se age numa mesa comum, onde se dá e se recebe. No integrismo ou no igualitarismo não há diálogo. Unidade ecuménica? É possível sempre mais frutos…



Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 21 Janeiro , 2010, 11:56



A paciência do Espírito Santo

Está a decorrer a Semana de Oração pela Unidade dos Cristão. Ano após ano, esta iniciativa repete-se, no sentido de fortalecer os laços de proximidade entre os cristãos ligados a diversas Igrejas. Todos aceitam Jesus Cristo como Salvador e Redentor da humanidade. Porém, mantêm-se separados há séculos por motivos, por vezes, ridículos, para clérigos responsáveis.
Várias vezes me tenho interrogado sobre o porquê desta situação, para além dos conflitos que lhe deram origem. Muitos estão por dentro das “guerras” que os cristãos alimentaram entre si, por vontade própria ou por interesses vindos de fora. O que me impressiona é ver como a Boa Nova, legada por Cristo, desde as origens pautada pelo princípio da unidade, ainda não foi assimilada por todos. Será?
Desde sempre ouvi, na semana de oração pela unidade dos cristãos, que se espera do Espírito Santo um sinal ou uma ajuda para que a unidade plena se faça. Mas a verdade é que num milénio de cristianismo a separação persiste. Será assim? Será que o Espírito Santo concorda com esta realidade? Ou estará a testar a nossa paciência ou teimosia? Ou estará Ele, com a sua infinita paciência, à espera que compreendamos que a unidade, matizada por muitas correntes, está tão-só na aceitação de Jesus Cristo, como único Salvador?

FM


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 12 Janeiro , 2010, 12:56
Os passos mais consistentes no caminho
 ecuménico foram sempre sustentados
por histórias concretas de amizade




Talvez devêssemos ouvir Mozart juntos

Os passos mais consistentes no caminho ecuménico foram sempre sustentados por histórias concretas de amizade. E se há um desafio urgente a acolher, em vista dessa oração que Jesus faz («que todos sejam um» Jo 17, 22), é precisamente esse: o do mútuo conhecimento entre os cristãos, o da relação franca, tecida na gratuidade, na descoberta, no prazer de estarmos juntos, em trocas criativamente cordiais que avizinhem não só a razão.
No significativo património ecuménico que o século XX construiu, destacam-se, como pilares, histórias assim. Recordo aquela vivida por dois nobilíssimos teólogos: Hans Urs von Balthasar, católico, e Karl Barth, da Igreja Reformada. Conheceram-se em Basileia, nos anos 40, e certamente conversaram muito sobre as suas visões teológicas, sobre os grandes mestres da tradição cristã que revisitavam, sobre conceitos, distinções e distâncias. Conheceram-se a esse nível tão a fundo, que Balthasar escreveu uma introdução ao pensamento de Barth, hoje unanimemente considerada na bibliografia crítica daquele autor. Mas talvez essa sintonia não fosse possível, se a uni-los não estivesse também uma arrebatada paixão pela música de Mozart, que escutavam juntos naqueles anos tão carregados de incerteza, vendo (ou melhor, ouvindo) nela um sinal palpável da Redenção.


Recordo igualmente uma das imagens mais radiosas do cristianismo contemporâneo: a do abraço entre o Papa Paulo VI e o Patriarca Atenágoras I, dado em Jerusalém, como primeiro gesto do perdão recíproco que, mais adiante, viria a ser declarado entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa de Constantinopla. Quarenta anos depois, com palavras emocionadas, João Paulo II haveria ainda de evocá-lo, tendo a seu lado o sucessor de Atenágoras, Bartolomeu I. Declarou o Papa: «aquele abraço tornou-se símbolo da reconciliação que desejamos!».
Semana de Oração pela unidade dos cristãos! Vamos juntos ouvir Mozart?

José Tolentino Mendonça

Editado por Fernando Martins | Sábado, 14 Março , 2009, 23:32
Diácono Joaquim Simões


A ORAÇÃO NÃO TEM FRONTEIRAS

Há vivências que não posso calar. Nem sempre as publico neste meu espaço aberto ao mundo, mas delas falo aos mais próximos. Um dia destes ouvi um amigo, diácono Joaquim Simões, contar a sua experiência de uma visita recente, acompanhando alunos da escola onde é professor de Educação Moral e Religiosa Católica, a Taizé, comunidade ecuménica de espiritualidade e de procura do encontro com Deus. Também para que cada visitante se encontre consigo próprio, com os outros e com a natureza.
Depois de me descrever, com riqueza de pormenores, a sobriedade do templo, com um Crucifixo e Nossa Senhora de Taizé a sobressaírem na decoração simples, de cores quentes e aconchegantes, que reflectem a humildade que ali se recria, Joaquim Simões não deixou de referir que tudo convida à meditação propiciadora da busca do transcendente.
Sublinhou a simplicidade que envolve quantos ali chegam, os sorrisos de acolhimento partilhados, as refeições frugais tomadas com uma simples colher, sem garfo nem faca, a ausência de bebidas alcoólicas, dando lugar a água e chá, e o espírito de contemplação que tudo domina.
“Às 8.15, 12.20 e 20.30 horas, quando o carrilhão avisa que são chegados os tempos de oração, toda a aldeia se associa ao silêncio; jovens e menos jovens aderem ao convite e o mundo fica à espera”, garantiu-me o meu amigo. Naquele espaço não há lugar para futilidades, para comodismos, para barulhos, disse.
À entrada do templo, 90 por cento dos peregrinos “descalçam-se em sinal de humildade e de desprendimento; como não há bancos, sentam-se no chão; e é curioso verificar que os jovens - segundo me confirmou – até vão mais cedo para meditar, respeitando um silêncio absoluto e penetrante; alguns escrevem, decerto, sobre impressões marcantes desta experiência”, salientou.
Nos três períodos de oração (cerca de cinco horas por dia), alguns alunos, que dificilmente se mantêm calados nas aulas, conseguem uma “serenidade impressionante, que cativa, que interpela”, bem ajudados pelos “belíssimos cânticos”, onde os refrãos simples e cadenciados convidam à reflexão, semeando emoções e abrindo o espírito dos peregrinos a novos horizontes de fraternidade e de paz. Vi tudo isso na expressão do rosto e das palavras do meu amigo, um dia destes, de sol brilhante, com o nosso mar por cenário.
Taizé é uma pequena aldeia da Borgonha, em França. Apenas cinco famílias ali vivem e na comunidade ecuménica, fundada pelo Irmão Roger, assassinado em 16 de Agosto de 2005, enquanto rezava, por uma senhora mentalmente desequilibrada, oram e laboram Irmãos de várias confissões religiosas cristãs e de diversas nacionalidades. Levam à prática um ecumenismo exemplar, mostrando que a oração não tem fronteiras nem barreiras que impeçam a comunhão possível e necessária com todas as religiões que o cristianismo gerou, e não só.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Janeiro , 2009, 11:14

Encerra-se hoje a Semana de Oração pela Unidade dos Cristão. A ideia de procurar a unidade entre todos os que aceitam Jesus Cristo como Salvador torna-se cada vez mais urgente. Não que isso signifique à partida a integração plena na Igreja Católica, mas que leve todos os cristãos a assumirem a defesa, de mãos dadas, de tudo o que consideram essencial na Mensagem de Cristo, para a instauração do Reino de Deus no mundo.
Mas porque é muito difícil, porque tem sido complicado pôr de lado questões que até geraram guerras há séculos (e ainda hoje), temos de esperar que o Espírito Santo nos ilumine a todos nos caminhos da aproximação mútua, na base do amor fraterno, vivido no dia-a-dia.
Santo Agostinho deixou-nos um lema lapidar que urge pôr em prático, se é que queremos dar passos significativos na procura da unidade de todos os cristãos: “Unidade no certo, liberdade no duvidoso e caridade em tudo.”
Seria interessante que começássemos a pensar nisto. E então, para que o Espírito Santo sinta o nosso interesse e as nossas convicções, não podemos dedicar à questão da unidade apenas uma semana de oração, mas o ano todo e todos os anos que forem precisos.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Janeiro , 2009, 11:57

SERÃO UM SÓ, NA TUA MÃO

Como é habitual, decorrerá, de 18 a 25 deste mês, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que este ano terá como tema central a frase bíblica do profeta Ezequiel: “Serão um só, na tua mão” (37, 17).
No contexto do ano Paulino, este será também um momento muito especial para nos reunirmos em oração, todos os cristãos que habitam na área da Diocese, para em conjunto fazermos caminho, tendo como meta a unidade que Cristo nos pede. Assim, todos somos convocados para a celebração que decorrerá na terça-feira, dia 20, às 21h30, na Sé de Aveiro, contando com a presença das diversas comunidades cristãs, como a Igreja Evangélica Metodista e a Igreja Ortodoxa.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Abril , 2008, 19:00
Jovens em Taizé

O único Irmão Português que, actualmente, integra a Comunidade Ecuménica de Taizé, na localidade com o mesmo nome, na Borgonha Francesa, estará no próximo dia 18 em Aveiro de visita à diocese, a convite da Pastoral Juvenil e Vocacional desta diocese.
O Irmão David, natural de Portalegre, vai encontrar-se com D. António Francisco, Bispo de Aveiro e Presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios, vai visitar estudantes de Educação Moral e Católica na Escola Secundária de Estarreja e à noite vai integrar a oração mensal de Taizé e participar numa mesa redonda no final da celebração.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 22 Janeiro , 2008, 12:14


«Rezai incessantemente»

Vivemos nesta semana o Oitavário de oração pela unidade dos cristãos, que teve lugar pela primeira vez de 18 a 25 de Janeiro de 1908 – por iniciativa do episcopaliano americano Rev. Paul Wattson, como lembrou, com justiça, o Papa na alocução do Angelus do passado Domingo – e que trouxe à vida das comunidades de todas as confissões cristãs, num século de vigência, a consolidação de um genuíno desejo de unidade, hoje universal. O texto bíblico que dinamiza o Oitavário de oração em 2008 é-nos proposto pelo Apóstolo das nações na carta endereçada aos cristãos de Tessalónica: «Rezai incessantemente». Assim enunciada, a oração ressoa, nas palavras de São Paulo, como verdadeiro imperativo de vida cristã. Na docilidade ao Espírito que santifica a criação inteira, os cristãos aprendem a escutar a vontade de Deus, fonte de todo o bem, e a oferecer-Lhe o louvor perfeito.
Apesar de dilacerada em múltiplas voltas da História, os cristãos sabem que a unidade não é um desejo vão, pois têm como fundada razão da sua esperança a palavra de Jesus – «que todos sejam um» (Jo 17,21) –, pronunciada na antecâmara da Paixão. O desejo da unidade não esgota a força do seu dinamismo num justo e necessário movimento de purificação da memória, sempre pacificador, nem sequer no genuíno acolhimento do outro, tão enriquecedor na diferença, ou até na expressão mais viva do encontro fraterno, tornada patente na partilha da Eucaristia, única mesa de todos. Na verdade, tal desejo alcança o seu mais fundo sentido na missão, pois o mesmo Jesus, confiando ao Pai a unidade dos seus discípulos, logo acrescentou: «para que o mundo creia».
Ao iniciar o seu pontificado, Bento XVI pediu passos concretos nos caminhos, ainda difíceis, do ecumenismo. Não se tratará apenas, por certo, de esperar a multiplicação de actos de acolhimento, da parte de uns e de outros; nem ainda de conseguidas aproximações teológicas, a que as declarações conjuntas têm dado expressão; como até a realização de gestos, porventura epifânicos, protagonizados por aqueles que Deus escolheu para dirigir as comunidades. Mas poderá, sem dúvida, inscrever-se entre aqueles passos concretos trazer o desejo da unidade dos cristãos, segundo os desígnios de Deus, para a oração quotidiana das nossas comunidades, isto é, para a vida de todos e de cada um de nós, todos os dias. Essa tarefa pertence-nos.

João Soalheiro

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Janeiro , 2008, 20:02

Está a decorrer, até ao dia 25, a SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS, a caminho da tarefa URGENTE da reunificação ecuménica das Igrejas Cristãs. A primeira vez que os cristãos se uniram em oração pela unidade de todos os que aceitam Jesus Cristo como Salvador, na semana entre as festas dos apóstolos Pedro (18 de Janeiro) e Paulo (25 de Janeiro), foi em 1908, em Graymoor, Nova Iorque, Estados Unidos.
No hemisfério Norte, essas continuam a ser as datas tradicionais da semana de Oração. Já as Igrejas do hemisfério Sul celebram a Semana de Oração em torno do Pentecostes, outra ocasião simbólica da Unidade dos Cristãos.
Para a Semana 2008 o tema escolhido foi "Não cesseis de orar", exortação do apóstolo Paulo na primeira carta aos Tessalonicenses.
De cada crente se espera, ao menos, um ou outro sinal de aproximação concreta aos irmãos de outras confissões religiosas, cristãos em especial, ou de outras religiões. O mundo ficará mais rico se assim fizermos e continuará pobre se mostrarmos total indiferença.
:
Foto: Patriarcas ortodoxos

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 18 Janeiro , 2008, 12:41

TESTEMUNHAR A FÉ É FUNDAMENTAL



Ano após ano, sucedem-se nesta altura, entre 18 e 25 de Janeiro, os encontros e reflexões sobre a unidade dos cristãos. É a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, normalmente animada por várias denominações que aceitam o ecumenismo, em diálogo e em oração. Em Aveiro, também, este ano num templo ortodoxo, em S. Bernardo, como refiro em Informações do meu blogue, haverá uma celebração ecuménica.
Penso que todas as iniciativas levadas a cabo nesta altura são importantes, pese embora a necessidade de se não ficar apenas por uma semana. É certo que os teólogos lá vão fazendo o seu trabalho, mas julgo que a nossa intervenção, ao nível do dia-a-dia, também necessita de ser uma realidade constante, e não esporádica, ao jeito de quem cumpre um ritual por obrigação.
Todos os anos costumo dizer que há muito o hábito de pensar que o ecumenismo mais não é do que o esforço que todos temos de desenvolver para que as Igrejas cristãs se acolham na Igreja católica, tornando-se numa só. Penso que o caminho não será esse, pois acredito que as Igrejas cristãs não católicas têm uma parte significativa da verdade, já que a totalidade dela está em Cristo e na unidade que Ele efectivamente representa e é.
Se todos os cristãos, os que aceitam Jesus Cristo como único Salvador e Redentor da humanidade, se congregarem em torno desta verdade essencial e fundamental, estou em crer, salvo o devido respeito pelos teólogos, que estaremos na rota certa d’Aquele que é o caminho, a verdade e a vida. Ora isto, que precisa das nossas orações, também não prescinde dos nossos contributos diários, como testemunhos autênticos da fé em Jesus Cristo.
Em ECUMENISMO, à margem, no meu Blogue, há textos cuja leitura recomendo.

Fernando Martins

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO