de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 28 Janeiro , 2009, 22:09
O rádio mais pesado da colecção

“O prazer do coleccionador está
em pegar em algo inútil e torná-lo útil”


A Gafanha da Nazaré deve muito a pessoas que aqui se radicaram, vindas um pouco de todo o país e até do estrangeiro. Desta feita fomos visitar um transmontano, António Rodrigues, de Vidago, concelho de Chaves, que reside na nossa cidade desde 1995. Licenciado em Física pela Universidade de Aveiro, ingressou na Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, como professor, em 1991. Nesta cidade casou e tem um gosto especial pelo coleccionismo, que pratica com paixão. Colecciona rádios antigos, pequenos e de válvulas, que lhe enchem uma sala, devidamente arrumados. E deles fala, com conhecimento e riqueza de pormenores, levando os visitantes a fazer mais e mais perguntas, às quais ele responde com prontidão e entusiasmo.
Essa paixão começou com um rádio TELEFUNKEN, avariado, que o sogro lhe ofereceu. Entusiasmou-se com a ideia de o pôr a funcionar, com a ajuda de um amigo, e tanto bastou para nunca mais parar. Depois desse outros vieram, também avariados, após visitas a Feiras de Velharias em Aveiro. “O gosto começou com a recuperação dos rádios”, adiantou o nosso entrevistado. E logo acrescentou que “o prazer do coleccionador está em pegar em algo inútil e torná-lo útil”.


Pelo interior de um rádio é possível saber a sua proveniência

António Rodrigues tem cerca de 220 rádios quase todos a funcionar, havendo sempre o cuidado de utilizar peças originais e das próprias marcas e épocas, que adquire na Feira da Ladra e outras, mas também pela Internet, mais no estrangeiro do que em Portugal.
Coleccionador atento e estudioso, apoia os seus conhecimentos em literatura que vai comprando e em consultas que faz, no sentido de obter a mais fidedigna informação. A sua colecção não é um armazém de rádios, pois cumpre as mais elementares regras do coleccionismo. Os rádios estão catalogados, com registos técnicos e históricos fundamentais, condições em que os adquiriu e onde. Por isso, visitar a colecção de rádios do professor António Rodrigues é ouvir uma belíssima lição de história, impossível de reproduzir no pouco espaço de que dispomos no jornal.
De relance, pudemos testemunhar a existência de rádios das mais diversas partes do mundo, nomeadamente, da Holanda, Inglaterra, Alemanha, França, Itália, América, Portugal, Checoslováquia, Áustria e Suíça, ente outros países. E durante a conversa ficámos a saber que o nosso entrevistado consegue identificar a proveniência geográfica e a marca de cada rádio, pois todos denunciam características próprias.
Como raridade, na sua óptica, mostra-nos um aparelho conhecido por EMISSORA NACIONAL, português, também chamado SALAZAR, de 1935. A ele está ligada a Emissora Nacional, ao tempo dirigida pelo Capitão Henrique Galvão, e destinava-se a funcionários públicos. Cada rádio custava 200$00 e podia ser pago em prestações. Mas o mais valioso é um FADA 1000, americano, 1946, custando hoje uns mil euros. É dos primeiros rádios assimétricos e o plástico exterior, “Catalim”, muda de cor conforme a luz ambiente.


O gosto pelo coleccionismo está bem patente quando fala dos seus rádios

Sobre o aproveitamento político deste meio de comunicação social, António Rodrigues exibiu um rádio alemão, o VOLKSEMPFANGER, o rádio do povo. Foi uma criação destinada a difundir a propaganda nazi. Fabricaram-se dezenas de milhões de aparelhos e eram vendidos a preços baratos, para chegarem a todas as famílias. De cor preta, com a águia imperial bem à vista, funcionava apenas em onda média, de curta captação, para impedir a audição de programas radiofónicos estrangeiros. No quadrante estavam indicadas as cidades alemãs que tinham retransmissores.
O professor da Secundária da Gafanha da Nazaré falou-nos, durante a visita que fizemos à sua colecção, da evolução dos rádios, desde os anos 20 do século passado até aos nossos dias. Os primeiros eram produzidos artesanalmente por técnicos, a pedido dos interessados. A caixa era de metal e nos anos 30 começou a usar-se a madeira. Mais tarde veio a baquelite, que, pelo facto de permitir o fabrico de caixas em série, a partir de moldes, fazia reduzir o preço dos aparelhos.
No seu “site” – http://www.cfeci.pt/sites/radiosantigosnoar –, os nossos leitores podem ficar a saber muito mais.
Fernando Martins
NOTA: Texto publicado no TIMONEIRO

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Julho , 2008, 23:24



(Clicar nas fotos para ampliar)


Tinha na minha agenda, há muito, uma visita ao Mycarlo, de seu nome Carlos Alberto Sarabando. Por ser um bom amigo e por curiosidade em conhecer, ao vivo, o seu gosto pela música, que o levou a coleccionador de discos e de instrumentos musicais, um pouco de toda a parte.
Calhou hoje, tarde de sábado, fazer essa visita. Entrei numa sala de música com LPs e instrumentos que me desafiavam a fazer, através deles, uma viagem ao mundo, tendo o Mycarlo por cicerone. Não um cicerone vulgar, daqueles que querem despachar o visitante o mais depressa possível, por haver mais gente à espera de entrar, mas um cicerone que esquece tudo com o entusiasmo que põe na história de cada instrumento e de cada disco.
O Mycarlo nasceu na Venezuela, filho de emigrantes portugueses. Há muito que veio para Portugal, trazendo o gosto pela música, que bebeu no seio familiar. O pai, tocador de acordeão, foi o primeiro a despertar no meu amigo a paixão que continua a cultivar. O Mycarlo não sabe música, mas nem isso o impediu de participar em alguns grupos musicais, quer como cantor, quer como percussionista. E também foi responsável por alguns programas radiofónicos dedicados à música, de vários estilos e épocas.
Mas hoje eu fui essencialmente para conhecer a sua colecção de instrumentos, com mais de 200 exemplares de vários naipes. Nasceu-lhe esse prazer em casa de um amigo, há uns 35 anos. A partir daí, nunca mais parou. E a colecção continuará, não faltando, de quando em vez, a generosidade dos seus amigos, que lhe conhecem este entusiasmo que não esmorece.
Nas paredes e em mesas, em estantes e no chão, tudo bem acomodado, o visitante pode apreciar instrumentos de cordas e de sopro, de percussão e outros, dos países mais diversos. Balalaica russa, Banjos, Bandolins e Cavaquinhos, mais Violas e Guitarras portuguesas, Quadros venezuelanos, Koras senegalesas, Zitner grega, kissanje de Angola, Zimbre marroquino, Marimbas guineenses, Percussões do Zaire, Moçambique, Angola e Marrocos, Flautas de Pan do Peru, Chile, Bolívia e Martinica, Berimbau do Brasil, Flautas clássicas, o Violino, o Contra-baixo, o Apito do comboio, Rouxinóis e Joaninhas, entre muitos outros.
Uns instrumentos foram adquiridos pelo Mycarlo e outros foram oferecidos, sendo certo que muitos passaram por trabalhos de restauro, a cargo do próprio coleccionador.
Mas o meu amigo não tem somente instrumentos musicais. Na sua sala da música, como ele a baptizou, há uma colecção de discos, LPs, com décadas de vida. São cerca mil, em excelente estado, que o Mycarlo faz questão de exibir, com carinho, e de pôr um ou outro na sua aparelhagem de som, para eu me deliciar.
Aqui, o Mycarlo, não resiste e reclama a minha atenção para pormenores que só ele conhece com o seu ouvido privilegiado: “Ouça estes sons que estão por detrás; os baixos e os graves; é lindo, lindo, lindo!”
Ao som da música, trauteada pelo meu amigo, ele corre a pegar nas matracas, agita-as como que a oferecer à melodia um ritmo mais cadenciado… “é lindo, lindo, lindo”, sublinha o Mycarlo, para meu encanto.
O meu amigo coleccionador não se fica pela contemplação do seu mundo. Os seus instrumentos já foram expostos um pouco por todo o lado. E em escolas já exerceram o seu papel pedagógico, onde o Mycarlo ensinou os alunos a construírem os seus próprios instrumentos musicais, a partir de material cujo destino seria o lixo. E depois, não faltaram as orquestras em que construtores viraram executantes.
O Mycarlo defende que “toda a música é bonita, mas acha que toda a gente precisa de cultivar o ouvido”. “Ninguém – sublinha ele – nasce com o prazer da música, embora o ritmo seja inerente ao ser humano.” Também acredita que há opções por outras sensibilidades artísticas, mas não deixa de afirmar que, para si, a rainha da artes é a música. No seu dizer, “a música é um código universal, com as suas sete notas a serem compreendidas por todos os intérpretes do mundo”. E frisa que é possível “criar melodias e ritmos para todos os gostos, para todas as idades e para todas as sensibilidades”. Músicas de alegria e de tristeza, de euforia e de revolta. Música de escravos e de homens livres, adiantou.
Quando cheguei, o meu amigo estava a ouvir jazz. Quando o deixei, ficou com um LP de arranjos musicais de Tim Crosse. Um LP com Bach, Mozart, Beethoven e outros. Uma gravação com mais de 25 anos. Ao ouvi-lo, Mycarlo ia salientando os instrumentos que lhe davam corpo, pormenores imperceptíveis para mim e para muitos. A arte encanta qualquer ser humano sensível. A música, essa arte sublime, eleva-nos a mundos de sonhos!

Fernando Martins

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO