de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 25 Março , 2009, 15:09

A velhinha ali estava na ponte-praça à hora de ponta fazendo tentativas após tentativas para atravessar. Estava no lugar que lhe pertencia, na passadeira. O trânsito, intenso como habitualmente, não lhe dava oportunidades. Dum lado e doutro, cada automobilista pensava só em si e nada nos outros.
A cada tentativa, logo os estridentes apitos a avisavam de que ela não tinha hipóteses. Que esperasse, talvez pensassem os apressados condutores. Enervei-me e fui dar uma ajuda. Quase exigi, qual sinaleiro, que houvesse respeito pelos que não podem passar a correr, como qualquer de nós, mais jovens ou de pernas mais lestas.
Todos reconhecemos que vivemos uma época de pressas, de correrias, de e para o trabalho, para os encontros com horas marcadas, para o aconchego da família após muitas horas de trabalho. Mas que isso se faça com muito respeito, sobretudo pelos mais idosos.
Será que ainda não viram aquele anúncio da TV, em que o automobilista pára, solícito, para deixar passar o idoso, trôpego, ao encontro de sua esposa? E nunca repararam como eles, de sorriso agradecido, se dirigiam a quem parou e foi simpático?

Fernando Martins
In TIMONEIRO, Fevereiro de 1989
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 07 Março , 2009, 20:58

O drama do primeiro emprego é terrível nos tempos que vivemos. Os jovens, na ânsia de conseguirem alguma independência económica, passam às vezes por situações difíceis.
Nas últimas férias grandes, um desses jovens lá foi em busca de trabalho. Bateu a diversas portas e todas se mantiveram fechadas. Mas uma abriu-se. "Que sim, que podia começar no dia seguinte, para substituir um empregado em férias. O ordenado via-se depois. Teria alimentação na própria casa (café-bar dos arredores da Gafanha) e o horário de trabalho seria o normal." Tudo certo.
Ao fim do primeiro mês, foi informado de que seria melhor receber no fim do contrato verbal, nunca oficializado. E assim aconteceu.
- Muito obrigado pelos teus serviços. Foste um trabalhador dedicado - disseram-lhe os patrões. Toma lá 30 contos pelos três meses.
- Fiquei desolado, senhor professor. Fui competente, dedicado, trabalhei em média 12 horas por dia e no fim recebi por três meses o que esperava receber por cada um. Eu comia, é verdade, mas também trabalhava 12 horas ou mais por dia. E sabe uma coisa? Na sua freguesia são tidos por gente de respeito, cristã e honesta.

Fernando Martins
TIMONEIRO, Fevereiro de 1990
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 03 Março , 2009, 21:39


Na sua juventude tinha sido o galã da aldeia. Vestia bem e apresentava-se com dignidade. Bem falante e de boa figura, era alvo das atenções onde quer que estivesse. Tinha o seu emprego estável e era competente.
Depois, de um dia para o outro, por razões que desconhecemos, começou a beber e a desleixar-se. A partir daí foi o fim.
Qual farrapo humano, deambula por aqui e por ali, de taberna em taberna. À noite recolhe-se à sua barraca.
Os primeiros amigos, os da juventude, esqueceram-no ou ignoraram-no. Os amigos de hoje, se os tem, vivem, na sua maioria, os mesmos objectivos, sempre alimentados estes pelo copo de tinto ou branco, conforme as circunstâncias.
Os outros amigos, os que não bebem, bem tentam recuperá-lo e ajudá-lo, mas pouco têm conseguido. A queda na escala social e a degradação provocada pelo álcool aniquilaram o indivíduo.
O farrapo humano, completamente desligado e desinteressado da vida, continua, apesar de tudo, um ser humano com corpo e alma. Continua nosso irmão. Vamos mesmo tratá-lo como tal?
Fernando Martins
Publicado no TIMONEIRO, Fevereiro de 1990
NB: Revisitei números antigos do TIMONEIRO e neles encontrei textos que se tinham varrido da minha memória. Alguns, por um ou outro motivo, aqui serão publicados. Talvez pela sua flagrante actualidade.
FM
tags:

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds