de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Abril , 2010, 09:02

 

António Sala, um senhor da rádio, da RR, termina (?) uma carreira de 40 anos. De verbo fácil, simples, próximo, ficará na memória de milhares de ouvintes de todos os quadrantes. Deu uma entrevista ao PÚBLICO que merece ser lida. Para mim, que o ouvi vezes sem conta, o António Sala fez escola e deixou o seu espírito e profissionalismo em muitos discípulos.

Parabéns

 


Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 03 Março , 2010, 16:51

 

 
Inauguração a 20 de Março
 
É inaugurada no próximo dia 20 de Março, no Centro Cultural de Ílhavo, uma exposição de fotografia do consagrado fotojornalista português Eduardo Gajeiro
Nascido em 1935, cedo começou a trabalhar na Fábrica de Loiça de Sacavém e mais tarde, como fotógrafo da revista regional Vida Ribatejana, com 22 anos, vai para o Diário Ilustrado, entrando no laboratório de fotografia, passando pouco tempo depois para fotojornalista.
Em 2005 conquistou o 1º. Prémio no maior concurso de fotografia do mundo (11.ª Exp. Internacional de Fotografia Artística da China) que teve a participação de 3500 concorrentes, com uma fotografia a p/b retratando homens a trabalhar na rua, tendo como fundo as chaminés do Barreiro. São também de sua autoria as principais fotografias da Revolução do 25 de Abril.
Foi condecorado com a Ordem do Infante D. Henrique pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, tendo sido fotógrafo da Assembleia da República e da Presidência da República
Tem publicado vários livros, com destaque para: “Esta estranha Lisboa”, “Gente” e “Mulher”, livro editado em 1976 e que retrata a figura da mulher nos bairros da lata, na vida social de Portugal antes do 25 de Abril de 1974, as mulheres da Guiné, nos jogos Olímpicos de Munique nas peregrinações a Fátima, nos festivais de Jazz, as emigrantes, terminando com uma espectacular fotografia do 1º. de Maio de 1974.
Para muitos fotógrafos nascidos no século passado Eduardo Gajeiro é uma referência não só como homem, mas como fotojornalista, com as suas imagens sempre carregadas de simbolismos, de mensagens e para muitos jornalistas era um privilégio fazer reportagens com ele, já que os artigos saíam muito mais “beneficiados” com as suas imagens, "que valiam mais do que mil palavras”.
Hoje, na era do digital, Eduardo Gajeiro diz: Continuo a gostar muito do cheiro do laboratório!
 
Texto enviado pelo Carlos Duarte
 

Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Novembro , 2009, 17:11



«A próxima palestra integrada no 3º Ciclo de Conferências sobre “Aveirenses Ilustres” que a Câmara Municipal de Aveiro leva a efeito no auditório do Museu da Cidade, das 18, 30 às 19,30 horas, do dia 26 de Novembro, presta homenagem ao Artista ilhavense Cândido Teles.
Com esta iniciativa pretende a CMA homenagear personalidades que, activamente, deram o seu contributo para o desenvolvimento sociocultural e político-económico da região, valorizar a Historiografia Local e formar pedagogicamente públicos.
Associada à palestra evocativa decorre também uma pequena mostra de objectos e literatura alusiva à individualidade evocada que estará patente durante 15 dias no espaço do Museu da Cidade.
Tem hoje, também, o Artista, um lugar de destaque no Marintimidades, porque a oradora convidada será a autora deste blog e Cândido Teles, apesar de muitos outros aspectos de relevo, identifica-se, na região, com um grande pintor da Ria, da Costa Nova, das nossas fainas marítimas e lagunares.»

Ana Maria Lopes

Ler mais em Marintimidades


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 08 Outubro , 2009, 21:38
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss5NQmgU9BI/AAAAAAAAMt4/uRhKoq7XjQQ/s1600-h/amalia.gif" imageanchor="1" style="clear: left; cssfloat: left; float: left; margin-bottom: 1em; margin-right: 1em;" rel="noopener"><img $r="true" border="0" src="https://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss5NQmgU9BI/AAAAAAAAMt4/uRhKoq7XjQQ/s200/amalia.gif" /></a><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>AMÁLIA </strong></span><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>NO TOPO </strong></span><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>DA MONTANHA</strong></span><br /></div><div style="text-align: right;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">1. A incontornável Amália (1920-1999) tanto cantava com a nostalgia lusitana «povo que lavas no rio…». As tábuas de Amália continuam a ecoar, quer numa maravilhosa nova geração de fado quer na candidatura do Fado Português a património da Humanidade na UNESCO. Uma ideia que dá que pensar é como o fado, a cantiga da alma das gentes, fez um caminho admirável até aos palcos internacionais, percurso esse de uma irreverência criativa, mas que, predominantemente, revela uma face saudosa que muitas vezes, mais que mobilizar activamente, poderá fazer parar nostalgicamente. Não é linear, nem o fado tem muitas regras, como se sabe… Sabe-se e reconhece-se a originalidade do fado, enaltecido por tantos nomes que terão na Amália o topo da montanha.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">2. Se muitos sentimentos reflectidos no fado poderão até ser reflexo de conjunturas sociopolíticas, a verdade é que a canção portuguesa nunca se deixou aprisionar e traz sempre consigo a ânsia de novos mares a navegar. Também é verdade que pertencerá à história da identidade nacional, sem mitologias excessivas, que o fado como destino da aceitação de tudo e tristeza que paralisa reflecte-se naqueles estudos europeus ou mundiais que volta e meia nos dizem que somos mais tristes que alegres, nostálgicos do passado que empreendedores do futuro(?). Claro que o fado não tem culpa de nada, ele acontece, reflecte, manifesta, espelha… O fado poderá aliar a memória da tradição ao projecto visionário e aventureiro do amanhã? Claro que sim, as gentes do povo têm a “caneta” nas mãos em cada dia…<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">3. Não parece mas eis-nos diante de outro acto eleitoral de altíssima responsabilidade cívica. O fado de que tudo está mal ou tudo está bem (até porque tal nunca é verdade) não pode aprisionar e limitar a intervenção dos cidadãos. Povo que participas…! Mais que uma questão que seja a afirmação convicta de todos serem actores da construção do bem comum. Só a participação dá razões para a exigência! Dar frescura ao fado!<br /></div><br /><a href="http://1632un.blogspot.com/" rel="noopener">Alexandre Cruz</a>

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 06 Outubro , 2009, 21:38


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 27 Julho , 2009, 12:25

No dia 2 de Agosto, domingo,
pelas 22 horas, no Auditório
do CETA, junto ao canal
de S. Roque, Aveiro


José Afonso nasceu em Aveiro, em 2 de Agosto de 1929. Há oitenta anos! Se o seu nome não é apenas património da nossa cidade, a nós Aveirenses cabe-nos uma responsabilidade maior na evocação e defesa do seu legado de liberdade. Aqui viveu «numa espécie de paraíso». Daqui partiu o «grande trovador moderno», como lhe chamou Manuel Alegre, para unir os «filhos da madrugada» numa roda de utopia, de esperança e alegria, para mobilizar e dar voz a todos os que sonham e lutam no dia-a-dia por um mundo livre, justo e solidário.
Porque uma comemoração é uma comunhão, porque comemorar é lembrar em conjunto, o Grupo Poético de Aveiro (GPA) e o Círculo Experimental de Teatro de Aveiro (CETA) quiseram dar início às comemorações do 80.º aniversário do poeta-cantor de Grândola Vila Morena, em Aveiro, com um espectáculo de poesia e canto capaz de unir todos, novos e velhos, homens e mulheres, em torno da sua obra poético-musical.
Comemoração e festa! É de festa, de celebração que falamos, não obstante as inúmeras dificuldades e incertezas do presente. Ou até por isso. Celebremos o poeta, o cantor, o compositor, o intérprete de grande sensibilidade que foi José Afonso. Festejemos a «inconfundível qualidade da sua voz». Festejemos José Afonso, o «trovador da inquietação», no dizer de Carlos do Carmo. Celebremos o companheiro, o cidadão, o amigo que veio por bem. Festejemos e demos as mãos em defesa do seu legado, que é feito de ternura e subversão, de liberdade e rebeldia, de contínuo aperfeiçoamento, de inconformismo com as injustiças e opressões dos senhores do mundo, de recusa do dogmatismo e do paternalismo, de desprezo pela intriga e pela inveja.
Aproveitemos esta efeméride para conhecer melhor a obra de José Afonso como desafio para nos conhecermos melhor a nós mesmos. Ao longo de mais de 30 anos de actividade, José Afonso gravou 28 discos, abarcando vários géneros, do “fado de Coimbra” à “canção popular”, da “balada” à “canção de intervenção”. A obra de José Afonso — em boa medida ainda desconhecida — é referência natural para inúmeras bandas, músicos e escritores de canções dos nossos dias. Todavia, como afirma José Mário Branco, noutro contexto, «este tesouro» «teria sido um grande nome mundial da canção».

CETA e GPA com o apoio da Livraria Buchholz Aveiro
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 09 Novembro , 2008, 11:55
Raul Brandão foi para mim o escritor que melhor retratou a Ria de Aveiro e as gentes ribeirinhas, quando por aqui andou em 1922, para depois publicar no seu muito badalado livro “Os pescadores”. Já tenho falado deste escritor e elogiado o que escreveu. Gosto da poesia que brota da sua alma.
Raul Brandão apresenta-se em "Os pescadores" como um tipo "esgalgado e seco, já ruço, que dorme nas eiras ou sonha acordado pelos caminhos". "Sou eu que gesticulo e falo sozinho, envolto na nuvem que me envolve e impregna. Que força me guia e impele até à morte?”
Quando relembra o seu regresso do mar, das muitas viagens que fez, para depois descrever, com arte e poesia, o que viu e sentiu, diz que vem sempre “estonteado e cheio de luz” que o trespassa.
Depois pega nos “apontamentos rápidos”, em “meia dúzia de esboços afinal, que, como certos quadradinhos, do ar livre, são melhores quando ficam por acabar”. E acrescenta com nostalgia de poeta da prosa: “Estas linhas de saudade aquecem-me e reanimam-me nos dias de Inverno friorento. Torno a ver o azul, e chega mais alto até mim o imenso eco prolongado… Basta pegar num velho búzio para perceber distintamente a grande voz do mar. Criou-se com ele e guardou-a para sempre. – Eu também nunca mais o esqueci…”
FM

Editado por Fernando Martins | Domingo, 12 Agosto , 2007, 11:14
UM ESCRITOR SEMPRE VIVO
:
Se fosse vivo, Miguel Torga faria hoje 100 anos. Na tranquilidade deste domingo, os seus admiradores podem muito bem dedicar-lhe alguns momentos, com a leitura de um ou outro texto, quiçá de um poema tão simples quanto inspirado. Mostram, assim, que o poeta permanece vivo nos que o admiram.
Homem de temperamento difícil, tão agreste como as penedias do seu Marão, tinha na alma a simplicidade de uma criança e uma ternura ímpar que reflectia em muito do que escrevia, quer em prosa quer em verso.
Não gostava de dar entrevistas nem autógrafos, não gostava de festas sociais nem de grandes convívios, mas gostava de calcorrear as serras do seu Reino Maravilhoso que tanto retratava na sua extensa e diversificada obra.
Coimbra vai abrir hoje a casa em que viveu, durante 40 anos, na cidade dos doutores, nos Olivais, revelando, com ela, algumas facetas da sua riquíssima sensibilidade.
Penso que no futuro e a partir de hoje todos teremos que meter nas nossas agendas este destino, talvez para descobrirmos um pouco mais a alma deste escritor multifacetado.
:
Um poema de Miguel Torga
:
UM POEMA
:
Um poema, poeta!
É o que a vida te pede.
A fome diligente
Colhe
E recolhe
Os frutos e a semente
Doutros frutos.
Junta à fecundidade
Da natureza
Os frutos da beleza...
Versos grados e doces
Na festa do pomar!
Versos, como se fosses
Mais um ramo, a vergar.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 09 Junho , 2007, 14:24


A MELHOR ARTISTA JOVEM
DE JAZZ DA EUROPA
:

É sempre com muita satisfação que leio notícias e comentários que enaltecem o mérito de pessoas que conheço e admiro. Hoje deu-se o caso de ler que a cantora Jacinta, artista de jazz de larga projecção, foi escolhida por 20 editores europeus da revista Selecções Reader's Digeste como a "melhor artista jovem de jazz" da Europa. Jacinta, de 36 anos, é a única presença portuguesa entre as 27 categorias escolhidas, como "a melhor festa" ou "a melhor arte de rua".
Aqui ficam os meus parabéns para a minha amiga e conterrânea Jacinta, com votos de que continue a progredir na sua carreira profissional e artística.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 11:42


Cinema: o meu amigo Manoel



Entre os meus amigos conta-se Manoel de Oliveira, um cineasta a que ninguém fica indiferente. Conhecido por muitos como autor de obras extensas e difíceis de acompanhar é, sobretudo, um realizador multifacetado, que tem percorrido os mais diversos géneros, trabalhado narrativas em diferentes ritmos e revelando sempre uma enorme competência cinematográfica.
Começou com "Doura Faina Fluvial", em 1930, seguindo-se diversas curtas metragens até 1942, data da sua primeira longa bem famosa, "Aniki Bobó". Nos vinte anos seguintes apenas um par de curtas metragens, uma das quais, "O Pão", em duas versões. A partir de 1962 a sua carreira intensifica-se progressivamente, até criar o espantoso ritmo de um filme por ano, que desde os anos 80 caracteriza a sua carreira.
Para além do drama "Vale Abraão" - como vários outros dos seus filmes tomando por base Agustina Bessa Luís e um dos seus trabalhos mais cotados - passou pela comédia, como "A Caixa", a reconstituição histórica e o romance e, também, por apontamentos até certo ponto autobiográficos como "Viagem ao Princípio do Mundo" e "Porto da Minha Infância", este último com uma vertente humorística muito considerável e em que retoma o trabalho de actor, que preencheu o início da sua carreira e "meio papel" em "A Divina Comédia", substituindo Ruy Furtado que morreu antes do filme terminado deixando muitas sequências em aberto.
A desconfiança do público português levou muito tempo a ser dissolvida. "Aniki-Bobó" vinha de uma época distante e filmes excelentes, como "Francisca" ou "O Sapato de Cetim" não eram de leitura fácil para a generalidade do público. Primeiro em França, depois em outros países (incluindo os Estados Unidos) o génio criador de Oliveira começou a ser reconhecido e divulgado, o que tornou inevitável o despertar mais forte do público português, sobretudo o mais cinéfilo. O nível de divulgação foi aumentando, sem nunca atingir a dimensão merecida. Mas mesmo para quem põe reservas ao autor e ao seu estilo Manoel de Oliveira é hoje unanimemente considerado o melhor cineasta português e, acrescente-se, o mais produtivo.

Francisco Perestrello
:
Manoel de Oliveira recebe o Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes de 2007
tags:

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO