de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 23 Junho , 2008, 15:32

A maior herança


1. A maior herança serão sempre os valores e não as coisas. Com valores que dão sentido à vida e com princípios que nos façam vivermos em paz no caminho comum, constrói-se uma vida feliz. Assim, o decisivo da vida depende do profundo do ser, interior humano, e nunca daquilo que exteriormente pode hoje ser tudo mas amanhã não ser nada. Antigamente dizia-se que a melhor herança eram as terras, depois passou a ser o curso. Acrescente-se que o determinante mesmo, e cada vez mais nos dias que correm, são os valores humanos que fazem persistir a pessoa no cultivar dos ideais mais elevados. Com valores, com persistência e polivalência, pode-se construir o edifício belo da vida; já com coisas, mesmo que herdadas, mas sem valores, toda essa construção corre o perigo de ruir, pois que não tem os alicerces de sustentabilidade humana que são os valores profundos que iluminam as sábias atitudes e opções.
2. No meio de todas as heranças, a cultura clássica e judeo-cristã são esse património de valores que foram edificando, mesmo que à “revelia”, modos de vida em sociedade, fraternidade, justiça, paz e democracia. Talvez no nosso tempo de globalização, em que todas as convicções e certezas entram em questionamento (num certo sentido bem vindo como “prova dos 9” da sua própria autenticidade), é mesmo importante ir à fonte da nossa maior herança: a cultura clássica que ergueu o humanismo cristão, na aprendizagem das múltiplas faces da liberdade e da tolerância que permita o reconhecimento das diversidades. Renegar a história é apagar-se no tempo. Aprofundar a nossa própria identidade de que somos herdeiros, e ler nela o que foi “salto” impulsivo, acolhedor e abrangente, será perscrutar os tempos das novas recepções transculturais que estão aí. O fechamento de fronteiras será a asfixia; o não pensar permeável a tudo o que vier, será anulação própria. O futuro precisa do pensamento humano…
3. Vem esta reflexão a propósito do reconhecimento prestado à maior investigadora portuguesa dos estudos clássicos, a Professora Maria Helena da Rocha Pereira. Há breves dias, pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, foi-lhe atribuído o Prémio Padre Manuel Antunes. Sabiamente, o reconhecimento visou destacar a «importância dos Estudos Clássicos numa sociedade cada vez mais refém da tecnologia». É pertinente e, olhando as mais novas gerações tecnológicas, surge como sinal de grande interpelação, pois a humanização da sociedade assim o reclama e o próprio sentido de humanidade dos humanos fará com que se sublinhem os valores subjacentes à triunfante vida científica e tecnológica. Não está em causa o prescindir das novas forma de conhecimento científico, mas trata-se de apontar-lhes uma finalidade última que seja o sentido de humanidade. Se se rejeitar a herança clássica, que edificou o designado mundo ocidental, este andará na crise à deriva, como barco perdido no meio do mar. Os pensadores da cultura clássica precisam de ser (mais) ouvidos!

Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Junho , 2008, 15:22
A concorrência


1. Tudo tem o seu lugar. A concorrência tem também o seu lugar, como oportunidade em que se espera sempre um melhor «serviço ao cliente», como tantas vezes se diz. Se é verdade que não haver concorrência será sinal de não liberdade e de uma sociedade apática, também é verdade que a absolutização desmedida da concorrência pode ultrapassar as fronteiras do bom senso. O agravamento da situação social e económica tem vindo a fazer crescer fortemente as chamadas queixas do consumidor, o que demonstra que tantas vezes se procura vender «gato por lebre», e sendo, como diz o povo, que «o que parece barato sai caro».
2. Em qualquer coisa a adquirir há sempre imensas linhas e entrelinhas, em letra minúscula e numa linguagem incompreensível para o cidadão comum. Muitas vezes, na pressa do «não há tempo a perder», só depois é que se descobre que se foi iludido com o que parecia a melhor opção. O tempo que vivemos actualmente é favorável, de forma crescente, a todos os malabarismos para vender e comprar. A “bola” terá de estar do lado dos cidadãos que, atentos, procuram saber justamente aquilo em que estão a apostar. Saber perguntar, ainda que não se conheça nem saiba muito bem como, saber ver «com olhos de ver», não como quer desconfia mas como quem procura efectivamente assumir os seus direitos, são atitudes de uma cultura viva e atenta às realidades mais simples do dia-a-dia.
3. Claro que a publicidade vai desenvolver-se cada vez mais, mas muitas vezes a sua própria ética intrínseca não conhece o mesmo desenvolvimento. Com frequência demasiada procura-se iludir em vez de servir. Toda a megaespeculação dos mercados internacionais que continua são essa ponta do iceberg do que acontece nas bases, nestas regras de um jogo que multiplica as ansiedades e faz crescer a desconfiança. Hoje, a concorrência desenfreada ocupa quase todos os espaços e idades, só não se verifica é tanta concorrência na cultura, nos valores e nas atitudes que são a generosidade desinteressada. Uma renovada consciência de sociedade e de sentido de humanidade torna-se um novo imperativo ético, que faça crescer os sentidos da complementaridade e da interdependência.
4. Há dois mil anos Alguém perguntava de forma tão pertinente: «De que vale ao Homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua própria vida?» É esta interrogação, a par daquela dos Génesis «onde está o teu irmão?», que quererão entrelaçar os dinamismos da não resignação, do inteiro compromisso em oferecer verdade e generosidade onde parece reinar a concorrência do férreo vencer o outro. Sem utopias, porque na esperança que se quer construir cada dia. Se não formos por este edifício humano ético das complementaridades, a concorrência será a nova “guerra” do século, multiplicando ansiedades e inverdades. Não haverá saúde que aguente!

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Junho , 2008, 16:45
Gerar proximidade

1. Proximidade ou distância, depende do lado da vida em que nos colocamos. Se formos a apreciar a fundo a dignidade de cada pessoa humana, logo nos apercebemos que o mistério da vida, na sua riqueza da diversidade, manifesta-nos, acima de tudo, a radical comum pertença à humanidade. Por vezes, muitas das divisões e distâncias que as culturas, interesses ou políticas, foram ou vão gerando (e gerindo), precisam deste regresso à condição ancestral da comum dignidade humana. Talvez, em determinadas circunstâncias tenhamos mesmo de colocar a mente e os olhos que só sabem dividir diante dessa imagens fecundas do embrião e do bebé no ventre materno. Imagens estas que, do seu pressuposto rigor científico do milagre da vida, muito poderão sensibilizar e transformar afectiva e racionalmente muitos pensamentos.
2. Quantas divisões que existem no mundo (porque nas pessoas do mundo) que precisam desse respirar fundo e do justo apreciar do dom da vida comum a todos e cada um! O tempo sociológico que vivemos propõe-se reinterpretar todas as coisas. É a globalização na sua dinâmica impulsiva que, partindo das forças dos interesses das economias, coloca as diversidades mais próximas. Tal facto pode trazer o melhor quando se aprecia e integra, ou o pior quando se exclui quem pensa diferente. Saber cultivar a proximidade inclusiva das culturas, não como sobreposição ou anulação, será um dos grandes desafios do século XXI. A tecnologia põe-nos em contacto; mas serão os princípios, critérios e valores, que darão o tom a este novíssimo encontro.
3. O ano (2008) europeu para o diálogo intercultural testemunha e impulsiona a necessidade premente desta mesma reflexão, a ser levada até às últimas consequências. É neste contexto que a prestigiada Fundação Calouste Gulbenkian (http://www.gulbenkian.pt/) abriu um programa sugestivo: Distância e Proximidade. Para todos os cidadãos humanos do mundo e do Portugal actual, trata-se, este género de reflexão não de uma abordagem lateral que se possa prescindir, mas sim de um enfrentar as problemáticas de fundo das sociedades contemporâneas, a partir das mais pequenas coisas em que, no fundo, todos vivemos a mesma interacção de diferentes culturas, numa interdependência diária; até as crises sociais, como a recente dos combustíveis, nos demonstram isso mesmo: precisamos e só sobrevivemos uns-com-os-outros.
4. Para comissário da pertinente iniciativa da FCG foi convidado Arjun Appadurai, natural de Bombaim e residente actualmente em Nova Iorque (esperemos que regresse um dia à sua terra!), que é «uma das personalidades que mais tem reflectido sobre as questões da violência cultural, do reconhecimento da diferença cultural como valor da modernidade e sobre as consequências da globalização». Venha o tempo em que estas questões da proximidade das diversidades estarão todos os dias em cima da mesa como factor decisivo de desenvolvimento humano. Será por aqui!

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 18 Junho , 2008, 20:31
O labirinto europeu

1. Queremos uma Europa dos cidadãos, mas quando estes se manifestam livremente, ainda que a sua opinião solicitada não vá ao encontro da vontade das lideranças, nesse momento, já preferimos a Europa das instituições. Se os cidadãos não participam, há queixas justificadas pelo alheamento das pessoas do processo europeu; quando participam corre-se o risco a que a quase totalidade dos estados-membros procurou fugir evitando o referendo; quando participam efectivamente, quase que não se quer democracia nessa participação, pois o caso do não irlandês, e particularmente das sucessivas reacções, deixa transparecer claramente que de deseja que a vontade dos cidadãos pouco valha para os líderes europeus. A encruzilhada do labirinto.
2. Não é fácil descortinar os caminhos de saída deste labirinto, em que se respeite efectivamente a opinião dos cidadãos, pois se esta não é acolhida como parte integrante todos os cenários fazem crescer o alheamento e a insignificância da participação. Para os líderes, os cidadãos parecem ser um problema, pois estes não seguem cegamente o caminho trilhado pelos acordos parlamentares. É certo que muitos desses cidadãos que votam não até podem viver de subsídios europeus, e que para votar é preciso muita formação e consciência comunitária. Mas, ainda que toque a subjectividade indescortinável, a noção da Europa de Valores parece hoje uma utopia longínqua que faz de Bruxelas já uma capital fugidia que pouco une e que, no dia-a-dia se manifesta mais pelo Banco Central Europeu nos anúncios das taxas de juro ou nas greves do que numa consciência da riqueza das identidades e culturas que habitam a Europa agora alargada.
3. A hora é de pausa e de reflexão. E imagine-se se em todos os estados-membros se tivesse realizado o referendo sobre a ratificação do Tratado de Lisboa. Talvez a festa se tenha comemorado antes do “jogo” começar. E quanto mais as lideranças procuram nestes tratados a afirmação da «carreira política pessoal», como afirmou peremptoriamente o primeiro-ministro de Portugal, mais os cidadãos se sentem usados no seu voto e mais repelente criam em relação às lideranças. Estas foram-se, progressivamente, distanciando das bases e dos problemas reais das populações. É, naturalmente, muito difícil manter a liderança do geral atendendo a todas as situações particulares. Mas neste caso a Europa tem feito história, todavia, tendo-lhe faltado nos últimos tempos a prudência que brota da sabedoria. Esta não vem da tecnologia mas da arte de prever todas as possibilidades em questão.
4. Neste contexto parece haver algo de ingénuo (sinal de pragmatismo não sábio?) neste processo, pois nele não se prevê como lidar com o não. O não irlandês está aí, como um sinal inquietante, numa caminhada europeia que é irreversível mas que tem de respeitar a opinião dos cidadãos. Como foi possível tanta festa antes do tempo, sem ouvir os cidadãos e sem um «plano B» como previsão sábia de todas as possibilidades? Quanto mais depressa mais devagar? Em frente, na convergência, pelo aprofundamento plural dos Valores dos povos Europeus. Quem agora tomará a dianteira?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 17 Junho , 2008, 17:31
Valores comuns?

1. Foi na América que há dias um acidente especial foi notícia de destaque. Tratava-se de um senhor idoso que ao atravessar uma estrada foi atropelado. Ficou caído no chão. Veio o carro seguinte e passou por cima. As pessoas, quer dos carros quer dos passeios da berma abrandavam um pouco, mas logo seguiam a sua vida. A pessoa atropelada logo viria a falecer. Mas o mais gritante do acontecimento foi a passividade dos transeuntes até alguém “pôr a mão” ao acidentado. A notícia foi badalada, e abordada mesmo a questão de fundo do individualismo e da indiferença dos caminhantes perante um “irmão humano” estendido na estrada. Foram as imagens da câmara de filmar da estrada que gravaram esse indiferentismo e o salve-se quem puder da vida tida de moderna das designadas grandes cidades do mundo. Mesmo sem as generalizações sempre injustas, dá muito que pensar sobre o modelo de civilização em andamento pelas estradas da vida ocidental.
2. Foi já no mês passado que um grupo musical francês, da chamada arte de música electrónica, provocou um aceso debate sobre a polémica de um vídeo colocado na internet, no Youtube. A arte do vídeo da música tinha como título «stress». As imagens, acompanhadas de enérgica música electrónica, mostravam um grupo de jovens dos subúrbios de Paris a saírem do seu bairro e, por onde iam passado, a provocarem graves distúrbios públicos: «Roubo, assédio, destruição de um café, confrontos com a polícia, carjacking, terminando com a queima de um veículo», foram as fortes imagens seleccionadas para passar a mensagem musical. Polémica instalada, os defensores deste estilo de liberdade respondem com arte cinematográfica, dizendo que o vídeo é uma magnífica obra de arte semelhante a filmes como «O Ódio» e «Manual de instruções para crimes banais». Títulos evocadores de arte mortífera.
3. Deste caso francês, que quase regista os motins dos bairros pobres incitando a violência, o grupo musical e a respectiva editora dizem que se trata de arte e que é inofensivo, pretendendo caracterizar a cobertura que os média fazem quando ocorrem os motins dos subúrbios de Paris. Dá que pensar, e para mais novamente no país da razão que parece continuar a extravasar a própria ordem da racionalidade. A montante e a jusante, quer como facto polémico quer na sua resposta, sente-se que um certo património de valores comuns de dignidade da pessoa humana e da não-violência se vão expirando. Claro que há que ter cuidado com a referência a «valores comuns» em tempos da proclamação exaltada dos «valores individuais». Não existam ilusões, sem sobreposições, precisamos mesmo de valores comuns na base da dignidade da Pessoa, esta na sua vocação ao sentido de pertença e de comunidade. Quando não, este género de «acidentes» tem grave tendência para a multiplicação. A sensibilidade e o bom senso, enxertados na sólida formação humana e cívica, serão os valores comuns que garantem a dignificação pessoal e o sentido da história comum. Mas que lugar estes ocupam na formação contemporânea?

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Junho , 2008, 17:49
As mazelas da Competitividade

1. Já são várias as ocasiões em que pais de crianças e adolescentes, verdadeiramente interessados com a melhor educação dos seus filhos, o maior tesouro, manifestam uma profunda preocupação com os efeitos maléficos da competitividade feroz. Já não é só no 12º ano de escolaridade, na fronteira delicada de grandes decisões e transições, que os adolescentes sofrem os abalos de um sistema de vida que coloca os resultados práticos acima de quaisquer valores, mesmo, muitas vezes, acima dos valores da ética pessoal e social. Logo a partir de uma «publicidade férrea» nos meios de comunicação, no dizer de Lipovetsky, os mais novos vão entrando numa lógica em que o outro se apresenta mais como “concorrente” e menos como um “irmão”; que o digam muitos dos entretenimentos reinantes, onde a força e o domínio do outro é o objectivo primordial.
2. A reafirmação contínua da competitividade nos grandes discursos sócio-políticos faz transferir para o quadro educativo das gentes mais novas a lei da superioridade. O delicado refrão de que os melhores é que triunfam na vida pode fazer regressar a lei de Darwin, fazendo emergir uma selecção natural dos mais fortes por vezes menos respeitadora e integradora das diversidades. Não são casos isolados, já entre alunos do básico e secundário, os registos de desumana “inveja” escolar, de egoísmo na não partilha de conhecimentos, de angústias profundas ou mesmo cansaços (e até quase-esgotamentos) diante de resultados não tão excelentes. Parece que tudo se encontra formatado mais na ordem do melhor sucesso para mais dinheiro ganhar no futuro, que propriamente na ordem da descoberta progressiva da vocação a uma área de conhecimento para servir a sociedade.
3. Pode ter efeitos bloqueadores da totalidade da experiência humana a focalização exclusiva na obtenção dos melhores resultados para mais e melhor poder competir. É verdade, sem dúvida, que o esforço, rigor e trabalho, terão de acompanhar o crescimento da vida. Mas quase que valerá a pena pedir-se que as crianças sejam crianças e que os adolescentes não sejam adultos competitivos antes do tempo. Uma vida equilibrada na razoabilidade é que proporcionará o cidadão humano do futuro, aquele que sabe que a vida é um todo social e não uma caminhada solitária em leituras de vida vividas na competitividade como valor absoluto. As mazelas deste modelo de sociedade estão aí, espelhadas nas ansiedades stressantes acalmadas com milhões de anti-depressivos. A vida é desafio diário; mas quanto mais desenvolvermos as capacidades de humanidade pessoal e social mais conseguiremos ser resposta estimulante.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Junho , 2008, 20:37

Era uma vez… A carreira

1. Era uma vez, algures lá longe em outro mundo, um governante de um país. Mergulhado nas águas sedutoras do poder omnipotente, um dia afirmou que a ratificação de um tratado europeu, na Europa de 27 países, era um dos passos «mais importantes da minha carreira pessoal». No dia seguinte o referendo acabaria por ser chumbado. Era uma vez um treinador de futebol, de uma selecção de um país em que o futebol tinha proporções colectivas enérgicas e em que esse líder treinador, mesmo com os prós-e-contras, havia conseguido um popular lugar ao sol. Na hora de continuar ou deixar a equipa, o próprio confessa que «a federação não cobriu a parada», pelo que «o dinheiro foi a razão para partir» rumo à Inglaterra. No dia seguinte, os rigorosos ingleses exigem a língua inglesa!
2. “É uma vez”, e é bem verdade, que alguns acontecimentos deste género vão fazendo vir à tona da água a qualidade, ou sua ausência, das lideranças que vão comandando os barcos sociais. Não é novidade que a fasquia da generosidade das grandes lideranças vai baixando e que vestir a camisola do serviço desinteressado é realidade, hoje, quase tida como ideia irrealizável. Mas talvez o pior de tudo seja que quase todos os vedetismos contemporâneos afirmam-se com as suas exorbitâncias, em termos económicos ou éticos, absolutamente escandalosas. (Quanto “pior” melhor?!) O generoso amor à camisola parece ser uma espécie em vias de extinção, e as mais novas gerações vêm vindo para este mundo e aprendendo desta escala de valores que dá primazia ao que se tem em vez do que se é.
3. Valorizar-se e sublinhar-se a «carreira pessoal» acima das causas a defender é ver tudo ao contrário, quase que fazendo dos eleitores-cidadãos o joguete de afirmações mais interessadas no prestígio pessoal que no autêntico espírito de serviço ao bem comum. É essencial rebater cada vez mais esta tecla! Confessamos que já nos parecia estranho um programa televisivo com o título «corredor do poder», mas afinal tudo faz parte do mesmo carreirismo, este que é um elemento perturbador da vi(d)a de uma sociedade democrática mais saudável. Quanto aos milhões que giram em torno dos grandes carreiristas famosos do futebol, neste escândalo, valerá a pena perguntar, nem que seja como inquietude inconformista com a realidade do ser pessoa: para quem já se vangloria dos “trilhões” que tem, de que valem mais uns milhões de euros?!
4. Não será tudo um profundo engano de pura ilusão, e logo de quem todos os dias tem uma visibilidade mediática extraordinária. Sinal de desumanidade? Império dos milhões de euros mas do vazio de valores? Enquanto esta forma de lideranças tiver todos os palcos, os valores humanos da educação para a generosidade serão praticamente impossíveis. Ou não será?!...

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Junho , 2008, 19:54

António de Lisboa e do mundo

1. Talvez seja quando saímos do país que mais e melhor apreciamos as raízes que, quase sem darmos por isso, continuamente nos habitam. De há muitos séculos que o 13 de Junho tem um carácter eminentemente popular, na melhor acepção do termo. Na essencial liberdade, são muitas as povoações que o desejam, muitas as terras que trazem inscrito o seu nome como patrono, o nome do santo mais famoso de todo o mundo, Santo António. Desconhecer ou não reconhecer a sua obra extremamente inventiva na sua época é refugiar-se no presente solitário, ocultando o melhor dos valores e dos princípios universalistas que, como antecipação (dos tempos das descobertas), fazem de António o eminente cidadão do mundo. Um dos primeiros.
2. Nasceu em Lisboa a 15 de Agosto de 1195, de nome, no seu “bilhete de identidade”, Fernando Martim de Bulhões e Taveira Azevedo. Após a entrada, aos 15 anos, no convento de Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, aos 25 anos, a sedução pela palavra (de que ele conhecia grandes exímios enquanto estudava no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra) viria a proporcionar a sua transferência para a Ordem dos Franciscanos, a par da mudança de seu nome para “António”. Destacou-se pela cultura e pelo poder da palavra, leccionou em várias universidades europeias, assumiu (também na conjuntura) o horizonte viajante da vida, que o viria a conduzir a Pádua, cidade italiana onde viria a falecer (no bairro de Arcella) a 13 de Junho de 1231. De sua breve vida ficara um rasto imenso da palavra como sentido de justiça, evangelização, serviço aos pobres e profético horizonte de universalismo.
3. É significativo em António de Lisboa (de Pádua, do Bonsucesso, de Canelas, …) o sentido itinerante do gosto da pertença que vence todos os muros do tempo e do espaço. Não será excesso dizer-se que, conhecendo bem a sua época, a história de vida de António pertence as páginas mais belas e corajosas da história humana. Temos de ter a necessária distância crítica para compreender que na sua época não seria comum, como nos séculos posteriores, o sentido de partir viajante e em que o barco desse tempo – que teria o brilho lendário de Marco Pólo e das suas viagens venezianas à corte mongol (China) –, esse barco não era um cruzeiro seguro dos nossos tempos. Tudo aconteceu de forma arriscada, ousada, na partilha corajosa dos tesouros da mensagem (cristã) como força dignificante da vida toda, do encontro com o outro e dos valores comunitários. Mesmo que, por vezes, o excesso tenha registo histórico…
4. Se hoje verificamos o enraizamento de um conjunto de tradições e romarias, estas terão de ser o espelho de uma adesão ao seu conteúdo que redescubra os impulsos estimulantes que nos faça sair (de nós, ao encontro dos outros) para nos reencontrarmos. Não é uma questão espacial. É tarefa existencial que enriquece de sentidos e valores a própria vida. Talvez hoje seja esta a viagem mais importante.


Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 11 Junho , 2008, 15:10
Bénard da Costa

Universalismo, Valor a rentabilizar


1. Com a actualidade em polvorosa com outras questões, o 10 de Junho parece já ter sido esquecido. Sobra a polémica de uma ou outra “frase” dita que também faz apagar, rapidamente, algumas questões de fundo salientadas na celebração deste dia das comunidades que vivem em português. Destacamos o discurso de João Bénard da Costa, aprofundando a raiz profunda do universalismo característico dos portugueses. De uma noção de língua, que em Heidegger (1889-1976) é a «casa do ser», os portugueses, efectivamente, assumiram e assumem, na generalidade, uma capacidade de relacionamento e interlocução que continua a registar páginas de história viva com os outros.
2. Nos tempos que vivemos, como foi sublinhado nos diversos discursos, as relações entre os povos não podem ser um factor lateral mas essencial. A história dos cinco milhões de emigrantes portugueses espalhados pelo mundo, mesmo que contenha grandes lutas e sofrimentos, também espelha esse facilitador do relacionamento humano. Vivemos já o tempo em que, pese embora tantas condicionantes de vária ordem, o sentido de universalismo é um dos eixos que faz a diferença. Daqui em diante, em tempos de globalização e mega-aceleração da vida diária, os factores de diferenciação talvez se venham a transferir das potencialidades técnicas para as capacidades de relação humana.
3. Se o presidente da República «desafia os portugueses a serem “exigentes e rigorosos” consigo próprios», estímulos positivos que ninguém de bom senso colocará de parte, todavia, esta mesma correspondência terá de ser assumida de modo total. Os portugueses habitam em famílias, instituições, escolas, mundo do trabalho. Esta procura do rigor «cá dentro» não é incompatível com um universalismo de rasgados horizontes. Casa mais arrumada é projecto que, não perdendo todo o potencial criativo, vai mais longe. O ser da cultura portuguesa, mesmo a partir da matriz da língua, em português, contém em si o gérmen da totalidade. Mesmo acima do mitológico exaltado por escritores e poetas, e ainda que racionalmente não se queira assumir o desígnio da portugalidade (até para não deixar que as emoções comandem as razões), o certo e o facto é que o universalismo está no bilhete de identidade dos portugueses.
4. É verdade que de todos os povos, pois que todos somos cidadãos de um mesmo mundo em relação. Mas se formos ao código genético cultural, este que não depende da riqueza mas está assente em valores, há povos que se relacionam melhor uns que outros e entre estes estão os portugueses. É um facto que também quer derivar em responsabilidade e, actualmente, em valores e oportunidades, até como nova relação que seja impulso de ligação das nossas comunidades emigrantes às suas terras de origem…Será possível?


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 10 Junho , 2008, 22:36

Escravos da Economia?


1. Os noticiários das últimas semanas, de sobremaneira, procuram ser autênticas aulas de economia. Especialistas das diversas áreas económicas convergentes procuram explicar, até ao limite, todos os pormenores do que está a acontecer na economia mundial. As múltiplas greves confirmam na rua o mal-estar consequente às loucuras petrolíferas e financeiras. Da Europa a notícia do alargamento das horas de trabalho semanal. Os próprios governos de chancela tipicamente social estão vergados de tal forma que a primeira palavra de todos os discursos é sempre «economia» e só depois, lá para o final, então vem a palavra «social». A competitividade, sem olhar a grandes meios para atingir todos os fins vitoriosos, é palavra-chave já desde criança, para quem até a “lavagem” noticiosa dos juros e dos combustíveis vem dizer que parece não haver mundo para além da economia.
2. Juntando a toda esta feira económica, estamos em pleno campeonato europeu de futebol, Euro 2008, onde, a par das festas colectivas, são exorbitantes os números económicos das transmissões televisivas, para já não falar das loucuras clubísticas que conseguem sempre uns largos milhões para “comprar” novos deuses, os jogadores de futebol. Talvez tudo pareça surreal demais para ser a verdade da nossa actualidade. Apelidamo-nos de mundo desenvolvido, e muitas vezes como contraposição ao mundo subdesenvolvido de que temos também grande quota de responsabilidade histórica (pois que os países europeus assim proporcionaram). A Europa e o mundo estão em plena transformação, numa corrida atroz para ver quem chega primeiro a tudo; nesta corrida (que demonstra tão pouco desenvolvimento humano), regressa o triunfo da lei do mais forte.
3. Das realidades mais importantes dos dias de hoje, e com a aprendizagem da história (económica), talvez seja o tornar bem patente dos mecanismos de interacção económica. Não ver só o agora, mas perscrutar o depois. O endeusamento económico será a fatalidade de uma selva mortífera para os mais frágeis; o regressado deus-economia agrava as fracturas e desigualdades já existentes mas, simultaneamente, fará crescer sempre essa revolução da multidão “contra” a meia dúzia de senhores do mundo. É um erro dizer sempre a palavra economia em primeiro lugar, pois esta opção demonstra a menor visão das funções humanas da própria economia. Sendo verdade que o realismo obriga a enfrentar com inovação e esperança as complexas questões económicas, todavia estas não são um fim em si mesmo, mas sim um serviço com sentido de humanidade. A ética do trabalho (para todos) e a dignidade humana, nunca perdem a validade; antes são factor primordial de desenvolvimento. Este não se esgota, está muitíssimo acima dos factos da economia.


Editado por Fernando Martins | Domingo, 08 Junho , 2008, 20:53
Ateísmo, Fé e Liberdade

1. Esta é uma das fundamentais fronteiras do entendimento humano e da tolerância. Toca uma respeitabilidade que quererá ser iluminada pela ordem da racionalidade. Por sua vez, a noção de liberdade (da pessoal à social) assume-se como o terreno garantido pelos estados para a ocorrência partilhada da diversidade de propostas; mas estas também não poderão ser estanques, haverão de procurar, de forma ascendente e dinâmica, responder ao sentido de vida do ser humano e à saudável convivência da humanidade.
2. Vem esta reflexão a propósito da recentemente criada Associação Ateísta Portuguesa (AAP). A liberdade dos estados, chamados de modernos, nem pode fermentar a sua criação nem impedir a sua realização. O mesmo sucede aos terrenos da religião, como expressão da fé: o estado, nem pode orientar nem impedir. Mas o que não significa que os estados devam ser indiferentes; muito diferentemente disso, os estados deverão estar vigilantes… Esta vigilância só pode estar em conformidade com a matriz da convivência democrática que assenta na dignidade da pessoa humana que brota da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assim, a bitola de referência transversal terão de ser «as acções que», no sábio dizer de Vieira, «dão o ser».
3. Há dias, sobre esta criação da AAP, D. José Policarpo foi interpelado. A resposta, única certeira, foi o claro princípio da comum respeitabilidade. Afirmou D, José que «cá estaremos para respeitar e dialogar, esperando também ser respeitados». É bom acolhermos este horizonte, também porque ele coloca as pessoas como o verdadeiro centro das opções de consciência, facto que não significa o absoluto privatismo das convicções, mas sim o assumir da relacionalidade (racionalidade tolerante) como princípio fundamental de uma sociedade adulta.
4. Não é pela negativa que se deve ver esta problemática de fundo que toca o sentido da vida, da história e da misteriosa esperança que bota da dignidade única da pessoa humana. No princípio da autêntica liberdade religiosa dos estados – o que é diferente de serem confessionais (felizmente que esses tempos já passaram) ou de serem laicistas (como que querendo apagar com os sentidos profundos da vida das pessoas) –, neste patamar da liberdade e da cooperação em ordem ao bem comum, brota como desafio decisivo a formação: dos que são ateus, a atitude filosófica e existencial da procura incansável de algo mais; dos que professam alguma fé confessional, a premência de uma formação contínua (que supere os vazios pragmáticos e) que dê o sentido da beleza fascinante que é a VIDA… esta que, da profundidade do ser, faz brotar a poesia, a esperança, o sentido inapagável do absoluto de Deus.
5. O enquadramento autêntico da liberdade proporcionará não o silêncio que fecha, mas a abertura dos melhores diálogos sobre a vida, sobre o que somos e a que esperança nos sentimos chamados. É mais esta grandeza, como possibilidade crescente, que brota deste facto; terá de ser a racionalidade razoável a presidir às opções conscientes de cada pessoa no referente às suas âncoras mais profundas. Seja esta frescura dialogal o terreno futuro! Há sempre tanto a aprender uns com os outros!

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Junho , 2008, 18:42
Fernando Nobre
O tempo de gritar

1. «Talvez tenha chegado o tempo de gritar!» A afirmação é de Fernando Nobre, presidente da AMI – Assistência Médica Internacional http://www.ami.org.pt/, em sessão (realizada a 4 de Junho) promovida pelos Serviços de Acção Social da Universidade de Aveiro. A resposta à temática «É possível sonhar com um mundo melhor?», integrando a apresentação do seu último livro «Gritos contra a Indiferença» (2008, editora Temas e Debates), foi partilhada com a experiência de serviço humanitário que ultrapassa todas as fronteiras. A AMI, fundada a 5 de Dezembro de 1984, tem sido ao longo destes já longos anos a realização solidária desse grito de esperança e de inquietação humana que supera as fronteiras dos estados, no primado da causa do serviço às pessoas na sua situação.
2. Quem vive autenticamente para servir não esconde as dificuldades e as barreiras encontradas nessa mesma entrega. Fernando Nobre não teme, por exemplo no recente caso da Birmânia, em esconder os problemas encontrados mas manifesta a esperança da resolução positiva das contrariedades, também na desejada abertura de fronteiras ideológicas para a solicitude para com as populações afectadas. Nas sociedades democráticas ele apresenta um tripé no qual assentar a construção social: 1. O Estado (de direito); 2. A economia (social); A sociedade civil (viva e fortemente actuante). Como se depreende, talvez pudéssemos ordenar de forma diversa estes três vectores, mas sempre no essencial da sua preservação harmónica e como estruturação de uma comunidade verdadeiramente humana.
3. Este último livro completa o anterior «Viagens contra a Indiferença» (2004). A obra actual também é colectânea de artigos e conferências realizadas nestes últimos dez anos, em que nos apercebemos da evolução premente que a luta contra a indiferença assume. Destaca Fernando Nobre que, da sua leitura viajante do mundo, e diante do colapso de tantas certezas recentes cabalmente desmoronadas, não chega falar é mesmo preciso «gritar» e agir. Uma boa (e profundamente inquietante) leitura para o tempo de verão poderia ser este escrito do presidente da AMI. Não são pensamentos dedutivos, de cima para baixo. Antes pelo contrário, partem da crueza das realidades e procuram esboçar uma concepção realista de sociedade em dignidade da pessoa humana. Se perdermos esta «luz» de sabedoria, perdemos tudo.
4. Tanto que é preciso reinterpretar toda a realidade a partir destas realidades tão cruas! E tanto que estes sábios da experiência deveriam ser mais ouvidos pelos decisores, dos políticos aos educativos! Também nestes terrenos é preciso um gritar humano!

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 04 Junho , 2008, 19:47
A euforia e a razão

1. Tudo parece preparado. A onda de euforia, agora do Euro 2008, está no ponto-mel para celebrar as vitórias ou chorar as derrotas. Mesmo para os mais racionalistas é um facto a onda que se observa… Naturalmente em excesso, pois o entusiasmo não conhece fronteiras. Quem vê uns minutos de televisão, a publicidade logo anuncia a matriz futebolística… A Suíça, povo metódico e mais introspectivo, onde a selecção está alojada, está acordada e surpreendida com toda a festa antes do título; os jogadores sentem essa pressão e não querem defraudar; das equipas técnicas, mesmo que só se diga que «vamos fazer o melhor», depois do Euro 2004, só se pede o título. Tudo pode acontecer, a estrela da sorte ou o azar que também tiveram connosco os adversários de Portugal em 2004. Das nossas comunidades imigrantes já seria de esperar a euforia e a festa; mas esta cresceu galupantemente, até ao ponto de não retorno. Sem um único jogo e sem qualquer vitória todas as emoções já estão ao rubro a ponto de que todos são bestiais; mas se as coisas não correrem assim tão bem é a queda para o reverso da medalha, da depressão e das bestas. São assim as emoções.
2. Contraditoriamente com a onda da euforia colectiva, nota-se que, desta vez, há mais prudência e maturidade; são mesmo os jogadores a dosearem com a razão (do trabalho) toda a carga de obrigação a que as emoções os impulsionam. Mas um sinal diferente está dado, quer se queira, quer não. As comunidades portuguesas, por esse mundo fora, andam à procura de um símbolo positivo de pertença; esse, é um facto (e mesmo acima de todas as psicologias das emoções), com a selecção de futebol está encontrado. Quem não se lembra do que aconteceu no Euro 2004? É um excesso, é criticável, mas é um facto que vence a própria razão. Está mal? Está bem? Talvez estas sejam questões racionais demais para algo que supera toda a lógica. Ficou-nos aquela frase, inspirada em Agostinho da Silva, em que se diz que «Portugal não se entende pela razão, pois pela razão um povo tão pequeno não poderia construir um tão vasto império, nem poderia, depois de perder a sua independência, recuperá-la e resistir ao mais poderoso monarca da terra, conseguindo, além do mais, o que não conseguiria unido à Espanha: recuperar o Brasil aos Holandeses» (Pedro Calafate).
3. Se toda esta energia emocional for “canalizada” com determinação para as causas comuns, então seja bem-vindo tudo o que mobilizar e der confiança à identidade dos portugueses. Com racionalidade e empenho determinados que impeçam os excessivos baixios, mas projectando de forma inovadora acima da mera razão lógica e prática das coisas práticas. Afinal, equilibrando, há vida para além da razão!

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 04 Junho , 2008, 11:30
A Paz Infantil

1. Corria o ano de 1982 e, na sensibilização crescente para os valores da respeitabilidade humana para com as crianças, a Organização das Nações Unidas instituiu o dia 4 de Junho como o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão. O mês de Junho, abertura do tempo de verão, convida-nos, assim, ao incentivo da reflexão sobre a preservação da dignidade da pessoa humana a partir idades mais tenras. Como sabemos e pelas notícias que todos os dias vemos (e muito para além delas), tanto que é preciso sensibilizar globalmente pela positiva. Esta dramática realidade da violência infantil exprime-se de forma múltipla, de modo «físico, sexual, psicológico, social, económico, entre outras».
2. A história da violência infantil regista a própria história da dignificação da pessoa humana, em que até ao século XVIII a criança era pouco valorizada e muito desrespeitada, tendo sido vítima quer de trabalhos forçados quer submetida a todo o género de agressões. Neste contexto, é importante destacar que os estudos da psicologia, pedagogia, pediatria e psicanálise realizados no século XIX trouxeram uma nova consciência da autonomia da criança e, por isso, a consequente dignificação daquela que está em fase de aprendizagem do ser. Parece estranho revisitar esta triste história, mas os múltiplos abusos violentos que continuam a ser realizados “hoje”, directa ou indirectamente, assim reclamam esta tomada de consciência de que essa história negra não terminou.
3. Zelar por uma cultura da paz infantil não é só tarefa dos pais. É missão da sociedade em geral (da educação à saúde, dos governantes à comunicação social) e que acaba por nos interpelar sobre o modelo de sociedade futura que queremos. Quando a violência entra pelas televisões, cinema, e já mesmo pelas publicidades dentro; quando os símbolos geracionais apostam numa certa força da libertinagem que esbarra com a liberdade dos outros…destas formas tão informais vai-se gerando uma cultura não pacífica e competitiva até ao rubro, já entre as crianças. Quem dera que todos os dias fossem vividos não «contra» nada, mas sim a favor dos valores e princípios de tal maneira que não houvesse qualquer espaço para a violência. No mundo continuamos muito distantes deste ideal; mas a aposta determinada no acolhimento das diferenças e na cultura da paz, sem dúvida, afirma-se como a tarefa educativa decisiva de todas as gerações.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Junho , 2008, 13:03


O Rio de Amy


1. Nestes dias decorre o Rock in Rio. Se o slogan que foi percorrendo os últimos meses dizia «eu vou», já da nossa parte confessamos que nunca fomos nem contamos ir ao grande festival que abre os festivais de verão já característicos do verão português. O Rock in Rio nasceu no Brasil, Rio de Janeiro, no ano de 1985. Tendo andando meio irregular nas suas realizações, a partir de 2001, a estratégia mobilizadora voltou-se para a causa «Por um Mundo Melhor», este o lema simpático do festival que ocorre nestes dias novamente para os lados de Lisboa. Nesse ano de 2001, conseguiu-se a realização do acto simbólico de cinco minutos de silêncio no início do festival; silêncio mesmo para três mil rádios e 522 televisões de todo o mundo já presentes. O final deste silêncio foi marcado pelo toque de sinos e libertação de uma imensidão de pombas brancas, pedindo a paz para o mundo.
2. Como hábito nestas coisas, o evento foi crescendo. A certa altura os artistas são mais as vedetas do mundo do espectáculo que os viventes das causas que o festival quer representar. Bom, há sempre uma ou duas frases simpáticas que se dedicam ao mundo melhor, mas quanto ao resto, pelo que se noticia, parece que a “música” é efectivamente outra! Queremos acreditar que tudo o que envolve o festival seja mesmo por um mundo melhor(?)! De uma coisa não haja dúvida: é incontornável o poder destas realizações que, de modo informal vão passando todas as mensagens, do melhor ao menos melhor. Sem ser contra nem a favor, mas mantendo o olhar atento ao que acontece, para quem quer compreender como vão as motivações, as vontades, as participações, as causas, a sua coerência profunda, este acontecimento e os seus continuadores fazem-nos pensar sobre o que querem as juventudes, ou o que outros querem que eles queiram (?).
3. Na noite de abertura do Rock in Rio estavam, segundo alguns organizadores e jornalistas, cerca de 100 mil pessoas a assistir. Claramente que o entretenimento, hoje um privilégio ampliado da novas gerações, tem todo o seu saudável lugar. Mas fazer do entretenimento a própria vida será outra realidade bem distinta, facto que também existe. Uma das vedetas da primeira noite era Amy Wienhouse. Artista, pelos vistos de renome de que confessamos a total ignorância pelo desconhecimento. De tão badalada e da nossa curiosidade em saber quais os valores que merecem tamanha idolatria, em viagem de carro ouvindo na rádio ecos da grande noite anterior, eis que ficámos surpreendidos pelos símbolos que Amy representa e com os quais ilumina, consciente ou inconscientemente, os seus fãs seguidores: «Vulnerável […] Decadente. […] Um misto de gravidade emocional e vulnerabilidade extrema. […] Frágil, magnífica, autêntica, verdadeira, descontrolada, decadente, fraude ou trágica»; vícios. (Público, P2. 1 Jun. 8-9)
4. Ficámos surpreendidos e perguntamo-nos onde está a filosofia da qualidade desejada para a construção do mundo melhor? Enfim, com realismo, é mesmo assim que vai o Rio…



mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO