de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 01 Setembro , 2009, 17:57
Com o fim do Verão reabre o ciclo dos regressos. Da terra visitada, do longe espreitado, da casa ao trabalho, do diferente ao mesmo, da solidão à solidão. São muitos os regressos. E as memórias do vivido como que se desvanecem rapidamente pelas urgências a cumprir com as desarrumações da partida e da chegada. Afinal os locais, as pessoas, os hábitos, as rotinas como que teimam em dizer que nada se passou e que não cairia mal um início de férias que pusesse fim a todo este cansaço.
Mas quem mais sente esta mudança de registo é o mundo da diáspora. Mais uma vez vimos os nossos emigrantes e percebemos que tiveram que regressar por um imperativo doloroso não apenas de trabalho, mas de país readquirido, família ampliada, incapacidade de voltar atrás nas opções de vida há muito tomadas. A errância não é apenas a mudança de pátria e cultura. É uma procura incessante de equilíbrio entre o nomadismo e a vida sedentária.
Neste todo há alguém que está no fim da lista. Silêncio de elegância social, bloqueio político, incapacidade de alterar uma lei de despejo. São os repatriados. Um dia, na infância ou adolescência, partiram para a terra dos sonhos, a grande América.Com ou sem culpa envolveram-se em problemas criminais de maior ou menor gravidade. Manchado o cadastro, sentem alguém bater à porta, informar-se da identificação e, depois de lhes atar as mãos enviam-nos para a sua terra. Pura e simplesmente. O crime pode ter muitos anos, mas os retroactivos na lei não têm remissão nem apelo. E ei-los que voltam dolorosamente para a pátria, sem “saber” a língua, a cultura nem se enquadrar minimamente no novo-velho ambiente. A família está partida. A esperança afundada. Regressam compulsivamente à sua terra de que tantas vezes tiveram saudades míticas e quase são obrigados a odiar. O horizonte é negro. Serão recebidos, se não têm familiares, numa espécie de orfanato para adultos, apoiados por técnicos. Não poucas vezes vem o desespero e até o suicídio.
E o silêncio quase completo da sociedade perante um drama duplo. De quem regressa para a terra como exílio, e da comunidade que tem desconfiança e medo dos novos visitantes, velhos conterrâneos.
A Igreja foi quem mais atenção deu, de início, a este drama. Mas ele repete-se e aumenta. A pergunta continua a mesma: quem poderá travar esta avalanche de dramas? Que força política consegue humanizar uma lei com efeitos tão cruéis?
.
António Rego
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Agosto , 2009, 22:30
Nossa Senhora da Nazaré


Teve lugar hoje, na igreja matriz da Gafanha da Nazaré, a festa em honra da nossa padroeira. Foi uma festa simples, mas bastante significativa, organizada pela Irmandade de Nossa Senhora da Nazaré, que tem por missão promover o culto à Virgem Maria, como lembrou, na missa solenizada das 11.15 horas, o Prior da Freguesia, padre Francisco Melo.
Gostei muito de participar nesta eucaristia, presidida pelo nosso Bispo, D. António Francisco dos Santos. Igreja cheia, coral dirigido por Cristina Ribau e acompanhamento musical da Filarmónica Gafanhense, onde sobressaiu a escolha dos cânticos e a harmonia do conjunto.
D. António elogiou a participação de todos e a urgência de se apostar numa comunidade, com projectos em sintonia com o Plano Diocesano de Pastoral.
O nosso Bispo ainda deu posse ao novo vigário paroquial, padre César Fernandes, que os gafanhões já conhecem e cuja dedicação apreciam.
À tarde realizou-se a procissão, com irmandades, instituições paroquiais, músicas e muito povo, que percorreu o trajecto habitual, passando pelo Cruzeiro.
Não houve festa profana. Sei que o povo gosta de festa, também com conjuntos musicais, comes e bebes, barracas de bolos e de quinquilharias, arraial e foguetes. Não sei se é bom ou menos bom ficar-se simplesmente pela festa religiosa. Em tempo de crise, económica e social, penso que a opção deste ano se justifica perfeitamente. Outros dirão que não. Gostos não se discutem. Mas cá para mim, que já tenho boa idade para pensar com calma, concordo com a festa religiosa apenas. Há bastantes festa musicais e outras que a Câmara de Ílhavo patrocina ou organiza.
Mais um apontamento, sobre a Irmandade de Nossa Senhora da Nazaré. Por sugestão do padre João Ferreira Sardo, a irmandade foi criada em 22 de Agosto de 1902, conforme alvará emanado do Governo Civil. Depois, os Estatutos foram aprovados pelo Bispo-Conde de Coimbra, D. Manuel Correia de Bastos Pina, em 4 de Maio de 1903. Ainda não tinha sido criada a paróquia. Pertencíamos, então, àquela diocese. A Diocese de Aveiro foi restaurada em 11 de Dezembro de 1938.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 15 Agosto , 2009, 17:44
Irmã Sílvia recebe lembranças do presidente da Junta de Freguesia,
Manuel Serra, na presença do Padre Miguel Lencastre

A Irmã Sílvia Ribau celebrou hoje, na sua terra natal, Gafanha da Nazaré, as Bodas de Ouro da sua Consagração Religiosa, no Instituto das Franciscanas Missionárias de Maria. Houve missa solenizada, presidida pelo Prior, Padre Francisco Melo, e um almoço, no Stella Maris, a que se associaram algumas dezenas de pessoas.
Para além do Prior da Gafanha da Nazaré, marcaram presença os padres Miguel Lencastre e Carlos Alberto, frei Silvino Filipe e os diáconos permanentes Joaquim Simões, Emanuel Caçoilo e Fernando Martins. Ainda vimos Irmãs do seu Instituto, do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt e do Instituto das Irmãzinhas da Assunção.
É sempre comovente, para mim, participar em cerimónias destas, em que se agradece a Deus uma vida percorrida, quantas vezes com sacrifício, ao serviço da Igreja e do mundo. Afinal, as nossas comunidades, um pouco por todo o lado, são alimentadas pelo testemunho de gente que se dá em plenitude aos outros, sem nada esperar em troca. Ainda bem que assim é, porque uma sociedade mais justa e mais fraterna não se constrói apenas com pessoas que falam muito e bem, mas, fundamentalmente, com gente que trabalha com alegria com e para os feridos pela vida.
A Irmã Sílvia, desde muito jovem, envolveu-se em tarefas paroquiais na Gafanha da Nazaré, nomeadamente, como catequista, visitadora de doente e de pobres. Foi membro da JOCF (Juventude Operária Católica Feminina) e participou, em Fátima, num congresso dessa organização da Acção Católica. Depois, o Prior Saraiva terá descoberto a vocação da Sílvia. Diz ela: “A minha mãe falou-me que o senhor Padre Saraiva lhe disse que eu tinha vocação religiosa. Passado algum tempo falou-me a mim própria …”
Certo é que, aos 19 anos, entrou no noviciado das Franciscanas Missionárias de Maria e aos 20, em 1959, tomou o hábito. E desde aí, até hoje, com 50 anos passados, nunca se arrependeu de “fazer esta caminhada com Jesus Cristo e de realizar o Seu projecto”, com “fidelidade, inteira disponibilidade e alegria”.
Os meus parabéns à Sílvia, minha colega da “doutrina” (como era designada a catequese da nossa infância), e da primeira comunhão, com o saudoso Prior Guerra.

FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 15 Agosto , 2009, 17:02

Alegria do mundo, Estrela d’Alva:
Nenhuma estrela como Vós nos guia.
Sois o braço do Deus forte que nos salva,
Virgem Maria.

Sois a escada de luz lançada à treva
Para ligar ao Céu a terra fria.
Fulgente aurora, a vida em Vós se eleva,
Virgem Maria.

Só o trono de Deus é mais sublime
Que o vosso trono, à luz do eterno Dia:
Celeste Mãe da paz que nos redime,
Virgem Maria.

Toda a honra à Trindade seja dada
E os Anjos Vos exaltem à porfia,
Porque sois nossa Mãe, de Deus amada,
Virgem Maria.


Do Livro das Horas

Nota: Um pouco de história aqui

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 29 Julho , 2009, 14:22
Segundo o Diário de Notícias, mantém-se o braço-de-ferro entre Igreja e Estado, a propósito dos dossiês sobre o património religioso e a educação. Nova regulamentação acaba com quadro de capelães como funcionários públicos. Ler mais aqui.
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 27 Julho , 2009, 17:25

"Estamos reunidos em nome de Deus e convocados por Ele, para juntos procurarmos desvendar o futuro e partilhar dons e talentos que queremos colocar ao serviço do bem comum.
Queremos vencer o medo sentido pelos que pensam que têm pouco para repartir e receiam ficar sem nada. Partilhamos a alegria dos que desvendam o segredo de que quando se reparte o que temos contagiamos os outros para que não falte nada a ninguém."

Da Homilia do Bispo de Aveiro, D. António Francisco
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Julho , 2009, 11:48

Casamentos que a Igreja anulou

"Não separe o homem o que Deus uniu." É esta a frase que remata o rito do casamento católico. Apesar de não reconhecer o divórcio, por considerar que, à luz da fé, a união entre marido e mulher é indissolúvel, a Igreja Católica admite que alguns casamentos não são válidos. Porque algo falhou: a vontade, a capacidade para cumprir os seus requisitos ou os propósitos da união. Para conferir nulidade a um casamento, o caso é analisado num tribunal eclesiástico, é moroso, sigiloso. E delicado, pois envolve a intimidade do casal. O DN foi conhecer três vidas assim. Uma das pessoas já voltou a casar e tem família. Porque, diz a Igreja, o seu primeiro casamento nunca aconteceu

Ler mais aqui

Editado por Fernando Martins | Domingo, 12 Julho , 2009, 21:20
Na Sé de Aveiro
.
Crê o que lês;
ensina o que crês;
e vive o que ensinas

Participei hoje, na Sé de Aveiro, na ordenação de um presbítero e de seis diáconos permanentes, em cerimónia presidida por D. António Francisco dos Santos. Com o templo repleto de fiéis, vindos um pouco de toda a diocese, em especial das paróquias dos ordinandos, senti que a Diocese vai ficar mais rica para enfrentar os desafios pastorais do futuro. Ali estavam pessoas de Nossa Senhora da Assunção de Espinhel, S. Miguel de Oliveira do Bairro, S. Tiago de Vagos, Santo António de Vagos, Nossa Senhora do Bom-Sucesso e de S. Paio da Torreira e de Santa Marinha de Avanca.
Experimento sempre alguma emoção em cerimónias destas, ao confrontar-me com testemunhos, concretos, de pessoas que assumem, com a radicalidade da sua entrega, o serviço de anunciar e viver a Boa Nova de Jesus Cristo, aos homens e mulheres do nosso tempo. Jovens e menos jovens aceitam o desafio de não se deixarem seduzir pelas interpelações de um mundo sem Deus ou à margem de Deus, dando-se em plenitude à Igreja e aos seus projectos de construir uma sociedade alicerçada na verdade, na justiça, na liberdade, na paz e no amor.
Partindo do princípio de que é preciso construir o “bem comum” para um “mundo melhor”, o Bispo de Aveiro pediu aos que iam ser ordenados que fossem “humildes, constantes e generosos”, nesta igreja diocesana que tem de ser “formadora da fé e construtora da esperança”, em “espírito de comunhão, com bispo, presbíteros, diáconos permanentes e leigos”.
Referindo que a ordenação de um presbítero constituiu, entre nós, o “primeiro momento do Ano Sacerdotal”, D. António recomendou a todos os presentes que sensibilizassem “as comunidades cristãs para a importância deste ministério ordenado”, enquanto lembrou o Santo Cura de Ars, que o Papa Bento XVI nos apresenta como modelo para este ano.
No ritual da ordenação dos diáconos permanentes, na altura da entrega dos Evangelhos, há uma frase que sintetiza, de forma expressiva, um programa de vida muito rico: “Crê o que lês; ensina o que crês; e vive o que ensinas.” Para os diáconos permanentes, mas também para os presbíteros, para os bispos e para os leigos.
O Bispo de Aveiro ainda manifestou votos de louvor para todos os que trabalharam, “generosa, dedicada e assiduamente” para que este dia acontecesse.

FM

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Junho , 2009, 18:29


Os portugueses sofrem na pele as consequências da crise que se abateu sobre a sua economia, mas já começam a ficar imunes ao autêntico bombardeamento noticioso que todos os dias explora o tema, das mais diversas maneiras. Neste conjunto de notícias, histórias, dramas e casos de polícia entram, também, as receitas mais ou menos milagrosas que muitos daqueles que não deram pela crise a rebentar querem agora apresentar para se sair da mesma.
A Igreja Católica, ao reflectir sobre estes temas, deve evitar aparecer como mais uma "receitadora" perante a crise, até porque o seu notável trabalho junto daqueles que mais sofrem a torna uma voz muito mais autorizada do que aqueles que têm da pobreza apenas a imagem que lhes chega pela televisão ou nas fotos dos jornais.
Octávio Carmo
Ler todo o texto aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 17 Junho , 2009, 09:21

Em Braga, nos dias 17 e 18 de Junho, o II Conselho Nacional dos Bens Culturais da Igreja reflecte e debate a problemática dos "Arquivos da Igreja: memória das comunidades ao serviço da sociedade". O assunto é importante e diz respeito a todos.
Expliquem-se os termos: Arquivo - centro dinamizador do respeito pelos nossos maiores, materializado na adequada atenção à preservação dos documentos, ao seu estudo e à sua divulgação (não mero depósito de papel envelhecido) / Igreja - comunidade de baptizados, comprometidos com a vida (não uma associação, um clube, ou um nicho de protagonismos ou de sossegos) / Memória - veículo de comunhão que projecta o futuro na firmeza da experiência (não um atá-vico impedimento da ousadia) / Comunidades - único lugar onde ser cristão é possível / Serviço - a dura realidade do amor (mesmo para quem não queira) / Sociedade - campo muito vasto do testemunho de vida cristã, feito de mulheres e de homens com valores porventura muito diferentes dos da Ecclesia.
Depois de toda a sensibilização para a importância do património documental da Igreja Católica, feita ao longo de anos, as comunidades eclesiais têm pela frente o enorme desafio de encontrarem as respostas mais adequadas - e justas - para que a salvaguarda e a fruição desse património aconteça com inteligência e entrega. Essas respostas passam pela institucionalização e dinamização de Arquivos, também eles geradores de cultura e marcadamente comprometidos com a evangelização e a pastoral.
Afectar recursos, humanos, técnicos e financeiros, aos Arquivos da Igreja será sempre uma epifania de respeito pelos que nos legaram a fé, mas também de respeito pelo que somos - como o somos e como nos verão - no seio de uma sociedade cada vez mais plural. Afinal, que testemunho de Igreja dão os nossos compromissos colectivos a respeito dos Arquivos?


Editado por Fernando Martins | Sábado, 06 Junho , 2009, 11:19
D. António Marcelino

Os bispos europeus do Conselho das Conferências Episcopais da Europa responsáveis pelas questões sociais estarão reunidos em Zagreb, Croácia, dia 9 de Junho, para reflectirem sobre a crise económico-financeira. Neste encontro que terá 34 participantes de 21 conferências episcopais reflectir-se-á sobre as experiências, iniciativas e respostas da Igreja na Europa sobre a temática da crise actual.
Portugal estará representado por D. António Marcelino, bispo emérito de Aveiro.
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Maio , 2009, 11:42
As plataformas digitais
desafiam sobretudo
os mensageiros
;
"O Dia Mundial das Comunicações Sociais é uma ocasião para avaliar ou criticar, propor ou projectar a presença da Igreja Católica nos media. Este ano a acontecer entre um abundante caudal informativo sobre intervenções e presenças católicas, proposições acerca do carácter tecnológico das comunicações - que encontra na Mensagem do Papa um certeiro contributo - e a realização de projectos que testemunham o envolvimento eclesial nessas ferramentas mediáticas digitais.
O seu carácter determinante nos processos de comunicação motiva a necessidade frequente de não hiper-valorizar os meios, por mais poderosos e eficazes que sejam. Para acentuar a certeza da necessidade de uma mensagem, a ser comunicada através de um mensageiro. Ela é de todos os tempos, também de hoje."

Paulo Rocha
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Maio , 2009, 17:15
A Agência Ecclesia, da Igreja Católica, tem um "site" renovado. Com diversidade de temas, oferece aos interessados em questões religiosas bons motivos para visita diária. Louvo a iniciativa, como não podia deixar de ser.
Tenho acompanhado, desde a primeira hora da sua existência, o esforço de muitos que teimaram em colocar a Igreja Católica na WEB, no sentido de se abrir ao mundo, deixando o espaço limitadíssimo do adro da igreja. A qualidade do que oferece é indesmentível. E a ousadia também, sobretudo quando reflecte temas e divulga notícias que são tabus para muita gente. Por tudo o que têm feito e pelo que prometem, aqui fica o meu aplauso.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 08 Maio , 2009, 19:46

Bento XVI sublinha as suas intenções de “peregrino da paz”, de quem quer “venerar os lugares santos que têm desempenhado uma parte tão importante em alguns dos principais acontecimentos da história bíblica”. No discurso de chegada, o Papa evidenciou a sua motivação espiritual e pastoral na viagem à Terra Santa.
O Papa expressou um “profundo respeito pela comunidade muçulmana” e saudou o papel de liderança do rei Abdallah na promoção “de uma melhor compreensão das virtudes do Islão”.
Bento XVI recordou a mensagem de Amman (2004), uma das “nobres acções” para “promover uma aliança de civilizações entre o Ocidente e o mundo muçulmano”, contrariando “as previsões daqueles que consideram a violência e os conflitos inevitáveis”.
Também o rei Abdallah II, no seu discurso de boas vindas, apontou os esforços para promover a paz no Médio Oriente e no mundo, “incentivando o diálogo inter-religioso, apoiando os esforços para encontrar uma solução justa, evitando o extremismo”.
O Papa relembrou ainda os esforços de paz desenvolvidos pelo antigo rei Hussein, pai de Abdallah II. “Que o seu empenho em resolver os conflitos na região continuem a dar frutos num esforço para promover uma paz duradoura e verdadeira justiça para todos aqueles que vivem no Médio Oriente”.
Fonte: Ecclesia
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Março , 2009, 21:37
Segundo informações do Vaticano, o número de católicos no mundo aumentou, em particular em África e Oceânia, mas diminuiu na América. Isto mesmo diz o Anuário Pontifício de 2009. Os dados referem-se a 2007 e tèm por base mais de 2900 circunscrições eclesiásticas.
De acordo com o documento, o número de padres também aumentou, sendo agora superior a 408 mil.
tags:

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds