de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Junho , 2008, 15:50
(Clicar na foto para ampliar)

"Quem, nos dias de hoje, entrar na Sala das Sessões da Câmara Municipal de Aveiro e lançar um olhar atento sobre o conjunto das cadeiras de alto espaldar que a ornamentam, tenderá a reter no seu cérebro uma certa impressão de assimetria. Para além das dez que, em posição frontal, se encontram alinhadas ao longo da vasta mesa, uma outra se encontra encostada à parede do seu lado direito, mas faltando no lado oposto a que formaria o seu par. Não é de crer que se tivessem adquirido apenas onze cadeiras para aquela Sala e não se tivesse adquirido a que completaria a dúzia. Quase ninguém sabe hoje que essa outra cadeira, que foi pertença da Câmara Municipal de Aveiro, se encontra actualmente no Paço Ducal de Vila Viçosa, desconhecendo-se, até há muito pouco tempo, a sua proveniência. Foi a cadeira ofertada a El-Rei D. Manuel II que, durante a sua visita a Aveiro, em Novembro de 1908, manifestou desejo de a possuir e que nela se sentou durante o memorável passeio fluvial que o levou da Barra ao desembarque no Canal Central da cidade. Encontra-se descrita na obra “Cadeiras Portuguesas” de Augusto Cardoso Pinto.

Também muito poucos terão hoje conhecimento dessa visita, e menos ainda saberão como ela decorreu, que cerimónias, festas e realizações populares tiveram lugar. Aproximando-se o seu centenário, e embora “a descrição dos esplendorosos festejos com que Aveiro solenizou a visita do Soberano [seja] tarefa bastante difícil e quase impossível” (Districto de Aveiro, n.º 3767, 30 de Novembro de 1908), parece apropriado relembrá-la para que, de facto, ela “nunca [seja] esquecida por este povo” (Acta da sessão extraordinária da Câmara Municipal de Aveiro de 28 de Novembro de 1908)."


In Preâmbulo do livro "D. Manuel II e Aveiro", de Armando Tavares da Silva

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Junho , 2008, 13:53

O Presidente da República nomeou, sob proposta do Governo, a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República.
A Comissão será presidida por Artur Eduardo Brochado dos Santos Silva e terá como vogais Francisco Sarsfield Pereira Cabral, João José de Sousa Bonifácio Serra, Maria Fernanda Fernandes Garcia Rollo e Maria Raquel Henriques da Silva.
Aníbal Cavaco Silva dará posse à Comissão no Palácio de Belém, hoje, dia 12 de Junho, pelas 19 horas.
Em 5 de Outubro de 2010, como é sabido com certeza por todos os portugueses, celebra-se o centenário da República. Penso que esta é uma excelente oportunidade para se fazer mais luz sobre esse período da nossa vida colectiva. Não têm faltado historiadores que se debruçaram sobre a revolução republicana e sobre a chamada primeira República, com as intermináveis guerras político-partidárias, que levaram ao "Estado Novo" de Salazar.
A Igreja, como é sabido também, sofreu bastante, directa ou indirectamente apanhada pelo ricochete das contendas. Não vejo mal nenhum em se ficar a saber, com verdade, a causa dessas contendas, embora seja útil sublinhar que, no fundo, as metas da democracia, da liberdade, de mais justiça social e da alfabetização, entre outras, encontraram campo para se estabelecerem entre nós. Em alguns casos tardou o progresso, mas algum chegou.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 07 Junho , 2008, 15:31


Faz hoje anos que Portugal e Castela assinaram o Tratado de Tordesilhas. Para os que não sabem o que isso foi, eu adianto que, em 1494, precisamente no dia 7 de Junho, o mundo descoberto ou por descobrir foi entregue a duas potências da época. O apoio para esse acordo veio da Santa Sé, que era, na altura, quem aprovava estas decisões políticas.
O Tratado de Tordesilhas dizia que uma linha traçada, de pólo a pólo, 370 léguas a poente das ilhas de Cabo Verde, definia que, tudo o que ficasse a nascente dessa mesma linha, seria do rei de Portugal e de todos os seus sucessores, para todo o sempre. A outra parte do mundo ficaria para Castela.
Este tratado diz bem da grandeza e do prestígio das duas potências. Portugal deixou há muito o topo do mundo e caiu numa crise que os portugueses saberão ultrapassar. Sem nunca mais, no entanto, poderem aspirar à posição hegemónica que há mais de meio milénio protagonizaram no mundo conhecido ou por conhecer. Pese, embora, muitos ainda sonharem com o 5.º Império.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 24 Maio , 2008, 10:04

José Mattoso, insigne medievalista, vai estar no CUFC, em 4 de Junho, pelas 21 horas, para mais uma Conversa Aberta, integrada no Fórum::UniverSal. Vem para falar de “O Lugar da História”, com moderação de Teresa Roberto, da Universidade de Aveiro.
Reconhecido em Portugal e no estrangeiro como um dos mais notáveis medievalista, foi catedrático na Universidade Nova de Lisboa e autor de muitos trabalhos ligados à sua especialidade. Dirigiu a publicação de uma História de Portugal, foi investigador de méritos firmados, tanto no nosso país como em Timor, e recebeu vários prémios, de que se destacam o Prémio Pessoa e o Troféu Latino 2007.
Natural de Leiria, onde nasceu em 1933, José Mattoso foi monge beneditino, em Singeverga, tendo regressado ao estado laical em 1970. A partir daí, dedica-se, com mais intensidade, à investigação científica, publicando, paralelamente, inúmeras obras.
Na semana passada, anunciou, numa homenagem que lhe foi prestada pelo Centro de Estudos Islâmicos e do Mediterrâneo, em Mértola, onde fixou residência, o abandono da actividade científica, acusando o Estado de valorizar as ciências experimentais e exactas, em detrimento das ciências sociais e humanas. Disse ainda que a investigação histórica que hoje se faz em Portugal se sustenta em “investigações vagas, superficiais”, realçando-se por vezes “generalidades e aspectos anedóticos”, como sublinhou o PÚBLICO de sábado passado, 17 de Maio.
É este investigador, de personalidade e saberes muito fortes, que o CUFC convidou para mais uma Conversa Aberta. A entrada é livre.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 09 Maio , 2008, 12:25

Vamos entrar, como manda a tradição, nas Festas da Cidade. Com programa variado e para todos os gostos e idades, não falta a componente religiosa, em torno de Santa Joana, a princesa Joana que um dia trocou Lisboa por esta humilde vila, que era Aveiro. Depois, pelo que fez pelos mais pobres e pelo exemplo de fé que testemunhou, foi beatificada e proclamada padroeira da cidade e da diocese. O seu culto espalhou-se pelo país, mas foi em Aveiro que ele se radicou com mais entusiasmo. Santa Joana tem nome em muito do que há na cidade e arredores. Ruas, estabelecimentos comerciais, paróquia, instituições religiosas, seminário, tuna musical, livros, irmandade, museu, e por aí fora. O povo, com a sua generosidade e intuição, acolheu-se ao regaço da padroeira, desde há muito. E até é curioso ver não crentes a pronunciarem-se, como enlevo, sobre Santa Joana.
No dia 12 de Maio, data da partida para o céu da princesa Joana, para aí receber a glória do bem que fez e do testemunho que deu, Aveiro recorda-a com devoção. É o dia da padroeira, com procissão vistosa, onde pontifica o fervor das nossas gentes. Se puder, passe pelo seu túmulo, no Museu de Santa Joana. Pode ser que Santa Princesa lhe segrede qualquer recado.

FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 05 Maio , 2008, 12:22
Ponte da Cambeia

Restos da ponte, à esquerda


O progresso, por vezes, destrói as nossas memórias palpáveis. Não devia ser assim, mas é. Infelizmente.
Um dia destes disseram-me que as obras em curso na zona do Jardim Oudinot tinham destruído a velha Ponte da Cambeia, de tantas recordações. Não quis acreditar e fui certificar-me. É verdade. Já lá não está. O progresso podia ter em conta as memórias vivas do povo. Mas nem sempre as respeita, como era seu dever. A culpa não é minha, que sempre aqui, e não só, valorizei as marcas do passado.
A Ponte da Cambeia era, na minha infância, o centro de muita vida. Ali esperávamos os barcos mercantéis que traziam, das feiras de Aveiro e da Vista Alegre, as mercadorias adquiridas pelos gafanhões. Eram entregues ao barqueiro, com sinais identificativos, e na hora combinada eram esperadas pelos seus donos. Nesta ponte e noutros locais das Gafanhas. Quando havia atraso, os barqueiros deixavam-nas ali mesmo, na certeza de que não haveria ladrões.
Ali, na ponte, pudemos assistir a manobras arriscadas, em dias de temporal, com os homens do leme a orientarem as embarcações, com rigor, para passarem sem perigo. Nadava-se, conversava-se, atiravam-se piadas aos barqueiros, com perguntas ingénuas e algumas vezes maldosas: “Quem é o macaco que vai ao leme?”
Recordo-me, bem, da pesca do safio. Vara forte, com arame numa ponta. Preso tinha o anzol. Enfiava-se nas tocas onde se refugiavam os safios e esperava-se que ele atacasse o isco. Depois, com força, puxava-se, puxava-se, que ele oferecia enorme resistência. A propósito do safio, permitam-me que lembre a história contada por José Cardoso Pires no seu livro “Lavagante”, um inédito recentemente editado. Diz ele que o lavagante é marisco manhoso. Vai alimentando o safio na sua toca, levando-lhe comer constantemente, para o engordar. Quando vê que o safio, pelo tamanho, já não consegue sair do refúgio, então mata-o e dele se vai alimentando. Daí, penso eu, a dificuldade que os pescadores tinham em o sacar da toca. Porém, nunca faltava a ajuda dos presentes, que davam uma mãozinha.
Depois disto tudo, como não hei-de ter pena de ver desaparecer a antiga Ponte da Cambeia. E como eu, outros, muitos outros gafanhões, que de várias partes do mundo me têm contactado, a propósito das fotos que aqui publico. Sei que não era uma ponte romana nem coisa que se pareça. Mas era a nossa Ponte. Ponte do lugar da Cambeia, da Gafanha da Nazaré. Presumo, contudo, que no mesmo local venha a nascer uma nova ponte, com os traços fundamentais da que foi derrubada. Se assim for, ainda bem.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 29 Abril , 2008, 11:41

Um livro de D. Manuel Clemente, Bispo do Porto

Esta Terça-feira, dia 29 de Abril, pelas 19 horas, será lançada a obra «Portugal e os Portugueses», da autoria de D. Manuel Clemente, Bispo do Porto e Presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais.
A apresentação do livro, que terá lugar na livraria da Assírio & Alvim – Rua Passos Manuel 67B, Lisboa – será feita por Guilherme d’Oliveira Martins, Presidente do Centro Nacional de Cultura.
No primeiro capítulo – “Portugal e os Portugueses”, é reflectida a “relação entre os Portugueses e Portugal”. A segunda parte da obra – “Notas de Cultura Portuguesa” – aborda os temas do “Clericalismo e anticlericalismo na cultura portuguesa”, “O culto de Nossa Senhora: da fundação à restauração da nacionalidade”, “Maria na devoção dos portugueses – uma devoção nacional?” e “O Cristianismo é uma realidade ribeirinha”.
O terceiro e último capítulo – “Religião na Europa” – examina as questões do “Cristianismo e Europa: uma relação essencial” e “Religião na Europa: uma fronteira aberta”. Há ainda um anexo com entrevistas.
O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura apresenta o primeiro texto da obra – “Relação entre os Portugueses e Portugal” – que foi publicado pela primeira vez em Annualia 2006-7, da Editorial Verbo.
"A relação que mantemos com Portugal é, fundamentalmente, bíblica. Olhamos Portugal como uma personalidade colectiva portadora de uma alma, no sentido romântico do termo, ainda que referido a algo muito anterior ao Romantismo. E a relação que mantemos com esse gostoso e custoso colectivo vem na esteira de um outro povo, que se descobriu eleito e portador de uma missão universal", pode ler-se.

Fonte: Ecclesia. Clique aqui para ler mais

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 25 Abril , 2008, 15:23

Comemora-se hoje mais um 25 de Abril. Houve os tradicionais discursos comemorativos na Assembleia da República, um dos símbolos da liberdade então conquistada. Assembleia que se vestiu de gala para recordar uma data histórica que marcou a era de uma nova democracia.
Paralelamente às celebrações oficiais ao nível mais alto do Estado, registo o silêncio na grande maioria das autarquias portuguesas, afinal um símbolo do Poder Local que se enraíza nas conquistas de Abril. Esse silêncio, malhas que a ignorância e a injustiça tecem, merece ser combatido. Realmente, sem o 25 de Abril, não teríamos um Poder Local tão expressivo e tão defensor dos interesses das nossas gentes.
Ouço e leio quanto baste para saber que o 25 de Abril tem defensores acérrimos e críticos ferozes. Uns e outros, ao que julgo, terão algumas razões para cantar vitórias e para manifestarem a sua tristeza. Ambas as situações encarnam beneficiados com a liberdade e condenados à pobreza.
Há tempos, entre amigos, falava-se disso. Um idoso ouvia em silêncio os prós e os contras do 25 de Abril, ao jeito de quem pensa que não tem voto na matéria. Ouviu, ouviu, e em determinada altura comentou secamente: “Está tudo muito bem; talvez todos tenham razão; mas eu não queria voltar atrás!”
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 25 Abril , 2008, 15:04

Passados 34 anos sobre o 25 de Abril de 1974, altura em que foi derrubado o regime que vigorou em Portugal durante quarenta e oito anos, muitas são as opiniões divergentes, que ainda hoje se fazem sentir. É natural e salutar que assim seja.
Para uns, tratou-se do corolário de uma luta, de décadas, que culminou na “revolução dos cravos”, acabando com o regime fascista, corrupto, ditatorial e sangrento que governava Portugal.
Para outros, foi o fim do sonho do grande império colonial, que começava no Minho e acabava em Timor, sendo um dos baluartes dos valores cristãos e da luta anticomunista que o mundo ocidental travava contra os chamados “países da cortina de ferro”.
Para alguns, o 25 de Abril, foi uma oportunidade de assumirem a personagem de “vira-casaca” adaptando-se às novas circunstâncias criadas e tirando delas os máximos benefícios, em proveito próprio.
Um outro grupo de portugueses – bem minoritário – para quem o 25 de Abril de 1974 representava uma ruptura com um passado bolorento e caduco, via a grande oportunidade de iniciarem reformas de fundo, em nome dos princípios então em voga: liberdade, igualdade e fraternidade, através de uma democracia de qualidade.
Os exemplos poderiam continuar, mas estes bastam para dizer que cada português teve, ou não, o seu 25 de Abril, através da forma como o viveu e como este lhe modificou, para melhor ou pior, o seu modo de viver e de pensar, a sua qualidade de vida e as expectativas que lhe foi gerando relativamente ao seu futuro pessoal e colectivo.
O Primeiro-ministro sueco, Olaf Palme (1927-1986) disse, relativamente ao 25 de Abril de 1974, que “Fazer uma revolução era fácil; difícil é fazer reformas”.
Dito de outro modo: falar é fácil, pelo menos a partir de Abril de 1974 passou a sê-lo; o difícil é, como noutras ocasiões, encontrar quem tenha competência e vontade de trabalhar, em nome do bem comum.
Mesmo descontando a tendência que o português tem para um pessimismo doentio e miserabilista, será que se fez tudo o que era possível para sermos um povo com mais esperança no presente e com mais confiança no futuro?
Deveríamos e poderíamos ter ido muito mais além, na criação de melhores condições de vida para os portugueses e se tal não aconteceu foi pela fraca prestação daqueles que se têm ocupado da gestão dos bens públicos – sobretudo os partidos políticos, e mais concretamente os que têm ocupado funções de poder.
Não menos importante, é o fraco grau de cidadania assumida pelos portugueses e a sua falta de exigência, justa e legítima, perante quem os deve ajudar, servindo-os. Costuma-se dizer que “quem cala consente” e o conformismo e o silêncio são os piores inimigos para o desenvolvimento de uma sociedade.
António Barreto, concorde-se ou não com a pessoa ou com o seu percurso político-partidário, escreveu no jornal “Público”, de 27 de Janeiro de 2008: “Este é o mundo em que vivemos: a mentira é uma arte. Esta é a nossa sociedade: o cenário substitui a realidade. Esta é a cultura em vigor: o engano tem mais valor do que a verdade.”
Falar, nos dias de hoje, do 25 de Abril de 1974, é pensar e falar na capacidade que temos em regenerar o que tem que ser regenerado; aperfeiçoar o que tem que ser aperfeiçoado; na vontade em resolvermos as dificuldades e problemas que nos surgem e na qualidade de vida e de democracia que podemos prometer e cumprir, de forma competente, perante todos cidadãos.
Se assim não for, o 25 de Abril de 1974 será sempre passado sem sentido e um memorial de recordações e nostalgias que jamais poderão fazer parte do futuro.

Vítor Amorim
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Abril , 2008, 21:21

A MEMÓRIA DE 1506. Esta ideia de civilização era tão recente. Estavámos em 70. d.C. e a destruição de Jerusalém obrigou à dispersão dos judeus pelo mundo, ao exílio, diáspora, גלות. Até meados do século XV, a Península Ibérica foi um mundo possível para os judeus sefarditas. Em Portugal, obtiveram relativa liberdade religiosa e destacaram-se na vida pública até que veio um doloroso baixar de pano. As perseguições começaram em Espanha: em 1355, 12 mil judeus morreram em Toledo; em 1391, foram 50 mil em Palma de Maiorca. A Inquisição iniciou operações e o terror alastrou em larga escala, veio o édito de expulsão e milhares de judeus procuraram refúgio em Portugal. Triste rumo.
Leia mais aqui e aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Abril , 2008, 14:40


A data não foi esquecida. Ainda bem. Ainda bem, porque o povo, com as suas múltiplas preocupações, não tem tempo para tudo. De qualquer forma, neste espaço de partilha costumo alertar todos os meus leitores para datas históricas, sobretudo as que me dizem respeito mais de perto.
Quando se lutou por este estatuto, como antes para a criação da freguesia e depois para a elevação a vila, não faltou quem discordasse, alegando que a Gafanha da Nazaré não tinha, ainda, estruturas de cidade. Nunca alinhei por esses protestos. É que, como sempre acreditei, se os não tem, tem de se esforçar por consegui-los.
Não duvido de que a Gafanha da Nazaré tem bastantes infra-estruturas, decerto, até, mais do que algumas cidades, mas também aceito que tem de conquistar outras, não de rajada, que isso é muito complicado em tempos de crise, mas paulatinamente. Contudo, com persistência e determinação. A comunidade vai crescendo e novos tempos exigem novas respostas sociais, culturais, cívicas, educativas, desportivas e de lazer, mas também religiosas. Mas isso só será possível se houver unidade e conjugação de esforços, entre toda a gente. Ficarem todos à espera de que alguém faça alguma coisa não leva a parte nenhuma. Hoje, porém, não falarei disso. Lembro só que vale a pena pensar em projectos que possam contribuir para o enriquecimento da cidade. Todos lucraremos.

FM
::

Lei nº 32/2001

(Publicada no Diário da República de 12 de Julho de 2001, nº 160, série I-A, página 4230)

Elevação da Gafanha da Nazaré,
no concelho de Ílhavo,
à categoria de cidade

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

Artigo único: A vila de Gafanha da Nazaré, no concelho de Ílhavo, é elevada à categoria de cidade.
Aprovada em 19 de Abril de 2001.
O Presidente da Assembleia da República,
António de Almeida Santos

Promulgada em 7 de Junho de 2001.
Publique-se.
O Presidente da República,
Jorge Sampaio

Referendada em 29 de Junho de 2001
O primeiro-ministro,
António Manuel de Oliveira Guterres

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 15 Abril , 2008, 11:20





Aveiro completará 250 anos de cidade em 2009. Foi em 1759 que o rei D. José elevou Aveiro a cidade, poucos meses depois de ter condenado ao cadafalso o último duque, acusado de ter participado no atentado contra o rei. Será que esta elevação a cidade correspondeu, de algum modo, a um arrependimento real pela condenação à morte do duque?
O que se sabe, de concreto, é que no dia 11 de Abril de 1759, o rei, “considerando a situação natural, povoação e circunstâncias que concorriam na vila de Aveiro e nos seus habitantes, e folgando pelos ditos respeitos, e por outros que inclinaram a sua real benignidade, houve por bem elevar a dita vila de Aveiro, notável por mercê filipina, à dignificante categoria de cidade”. (Calendário Histórico de Aveiro)
Deixando isso, penso que Aveiro tem de celebrar este aniversário com acções abrangentes, desde culturais e artísticas, até sociais, religiosas e desportivas. Importante será, a meu ver, envolver toda a população, nomeadamente os jovens. Porque é preciso mostrar o esforço dos nossos antepassados, numa luta constante pelo progresso a todos os níveis.
Festas, celebrações, concursos de vária ordem, exposições, cortejo etnográfico, jogos desportivos e arraiais populares, reedições de obras de autores aveirenses do passado, de tudo um pouco deve haver nas festas da cidade. Que hão-de ser feitas.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Abril , 2008, 19:43

“O Lago Azul”

Ler é um prazer. E quando as leituras incidem sobre livros bem escritos, em toda a linha, então o prazer sai redobrado. Mais ainda: quando se trata de bons romances históricos, na minha óptica, que não passo de um leitor comum, maior é o prazer de ler.
Depois destes condimentos, que à partida garantem um gosto enorme, “O Lago Azul”, de Fernando Campos, não podia deixar de me levar até ambientes de tempos que já lá vão, há muito, com guerras e interesses de toda a monta a traçarem destinos de nações e pessoas. Pessoas que na altura ditavam leis, quantas vezes bélicas, que envolviam, naturalmente, a arraia-miúda. E os portugueses, neste caso, derrotados cá por casa, por lá andavam, quais mercenários, servindo senhores ao sabor de quem melhor pagava.
O primogénito de D. António, Prior do Crato, casa na Holanda com uma princesa. Um católico casa com uma calvinista, por amor. Mas depois…
Depois, a filha mais velha, Maria Bélgia, que também casou por amor, ao sentir-se traída pelo marido, vinga-se. O fio do romance, entretecido na história da época, fica para quem gostar de ler.
Só mais uma consideração: Os romances são, reconhecidamente, os melhores retratos dos que construíram a história das nações e dos povos. Neste caso, os leitores ficam com uma ideia interessante e mais ou menos conhecida: os portugueses andaram mesmo por todo o mundo, ao sabor do vento que lhes convinha, é certo, mas também aderindo a jogos contraditórios, nem sempre compreensíveis.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Abril , 2008, 14:29

A RTP transmitiu, ontem, uma reportagem sobre as comemorações da abertura da Barra de Aveiro, ocorrida em 3 de Abril de 1808.


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Abril , 2008, 11:58
Ana Paula Vitorino e Inês Amorim



Um livro de Inês Amorim

“PORTO DE AVEIRO: Entre a Terra e o Mar”

O primeiro acto das cerimónias comemorativas do Bicentenário da Abertura da Barra de Aveiro decorreu na antiga Capitania, em Aveiro, com o lançamento do livro de Inês Amorim, “PORTO DE AVEIRO: Entre a Terra e o Mar”. Trata-se de uma obra de luxo, pelo conteúdo e pela edição, que terá de fazer parte de qualquer estante de quantos prezam a nossa cultura, a nossa terra e as nossas gentes. Veloso Gomes, professor universitário, disse na apresentação, entre muitas outras considerações técnicas e científicas, que esta obra “é um bom livro para nos afastar das preocupações do dia-a-dia”. Mostra-nos um património riquíssimo e estimula o interesse por estes temas, sublinhou.
Recordou, com evidente oportunidade, a ideia de Luís Gomes de Carvalho (o homem e o técnico que mais contribuiu para concretizar o sonho de abrir uma barra que lavasse a nossa laguna, ao tempo, e durante muito tempo, cheia de águas podres) de que era “preciso construir um dique à moda da Europa". Já então se sonhava com o projecto de pertencermos, de direito e de cultura, de técnica e de progresso, à Europa.
A secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, depois de recordar que Aveiro, Ílhavo e Gafanhas ganharam "uma fantástica Ria em sorte”, e “homens com vontade indómita a abraçar o Mar vizinho”, lembrou uma frase que ouviu – O Porto de Aveiro é fruto desse abraço entre o Sal e o Mel –, “em que o Sal simbolizará, aqui, a panóplia de entraves com que se depararam (…), e “O Mel significará enxugamento de maleitas, bem-estar, progresso, qualidade de vida…”
Ainda não li, como é compreensível, este livro de Inês Amorim, a autora que todos elogiaram pelo trabalho desenvolvido, com cuidado e rigor científico. Dele falarei, obrigatoriamente, quando bem mastigar e deglutir este trabalho que nos mostra, assim creio, os desafios que se puseram a quantos, há dois séculos e até antes, sentiram a necessidade de abrir uma barra, que desse vida de qualidade garantida, de uma vez por todas, à laguna aveirense, deixando entrar e sair navios, numa contribuição indesmentível para o progresso destas terras de Aveiro, Ílhavo e Gafanhas, sobretudo.

Fernando Martins

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO