de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Janeiro , 2009, 14:05
Ribau Esteves, Saul Gomes e Alfredo Marques

JUSTA HOMENAGEM A TODA A NOSSA GENTE


“D. Manuel per graça de Deus rey de Purtugal e dos Alguarves d’aquem e d’alem mar em Africa e Senhor de Guine e da conquista, neveguaçam, comerçio d’Etiopia Arábia Pérsia e da Imdea.” Assim inicia, D. Manuel I, o Venturoso, o Foral de Ílhavo, em 8 Março de 1514. Mas só em 2 de Setembro de 1516, perante as autoridades ilhavenses, juiz e vereadores, se procedeu à sua aplicação, como reza o auto de entrega do documento, cujo original se encontra religiosamente guardado nos cofres camarários.
Ontem, no Museu Marítimo, em cerimónia integrada nas comemorações dos 110 anos da restauração do Município de Ílhavo, o presidente da autarquia, Ribau Esteves, afirmou que o lançamento da edição fac-similada do Foral de Ílhavo simboliza uma justa homenagem “a toda a nossa gente”, sublinhando que urge investigar mais o nosso passado para melhor “prepararmos as gerações vindouras”.
Disse que importa valorizar permanentemente o nosso património e promover a cultura a todos os níveis, nomeadamente, em torno de tudo o que estiver ligado às nossas tradições, como o mar e o bacalhau.
Na sua intervenção, o presidente ilhavense salientou as apostas feitas no âmbito cultural, frisando os dinamismos comunitários, mas também os de cidadãos sem quaisquer ligações associativas. Referiu que o pilar estratégico da cultura, em que a autarquia tem investido, é fundamental para o desenvolvimento sustentado.
Lembrou que o individualismo que nos caracteriza tem sido a causa do nosso atraso, face aos países europeus, adiantando que o desafio que se nos impõe exige a cooperação à escala intermunicipal e com o sector universitário, essencial para implementar candidaturas a ajudas com sabor a êxito. Ainda sublinhou que é tempo de se cultivar a solidariedade em favor de municípios menos desenvolvidos da nossa região.
Mas se é verdade que o Foral se apresenta como marco essencial da vida do nosso município, já que representa uma certa autonomia em relação aos Senhores de então, também é verdade que Ílhavo é uma povoação já referenciada no século XI, como atestam alguns documentos citados por Saul Gomes, docente universitário e responsável pela introdução histórica e revisão científica desta obra digna de qualquer estante. E acrescentou que Ílhavo se reafirma no contexto da reconquista cristã e da rota dos cruzados a caminho da Terra Santa, de passagem por terras do Vouga.
Recordou que Ílhavo foi desde tempos imemoriais uma terra de agricultores e de pescadores, tendo-se destacado pela força comunitária das suas gentes, mais do que pela extensão do seu território.
Por sua vez, Alfredo Marques, presidente da CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro), garantiu que Ílhavo desempenha na região um papel preponderante que vai para além do seu desenvolvimento territorial, económico e demográfico, graças ao dinamismo do presidente Ribau Esteves, bem patente nas suas intervenções junto das instâncias regionais.
As comemorações dos 110 anos da restauração do Município de Ílhavo encerram no próximo domingo, 18 de Janeiro, pelas 15.30 horas, com a inauguração de uma estátua, na Rotunda Sul do Nó 3 da A25, junto à Friopesca, da autoria do artista ilhavense António Neves. Depois, pelas 17.30 horas, no Centro Cultural de Ílhavo, vai ter lugar um espectáculo evocativo: "Carlos Paião – Uma vida de canções"

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Janeiro , 2009, 17:16

A Carta de Foral, ou Foral, é um documento concedido unilateralmente pelo Rei ou por um senhorio durante a Idade Média.
Era atribuído para concessão de aforamento ou foro jurídico próprio, a título perpétuo e hereditário, aos habitantes de uma povoação que se queria libertar do poder senhorial, não tendo os cidadãos qualquer intervenção na elaboração e aprovação do mesmo.

Os Forais Antigos concedidos pelos primeiros monarcas, após a Reconquista Cristã, constituíam uma medida para promover o povoamento e defender os territórios conquistados aos muçulmanos.
Eram diplomas que consagravam direitos, privilégios e obrigações, específicos aos habitantes de uma dada comunidade, sob o ponto de vista económico, social e político que, com o passar do tempo, acabou por originar fragmentação, ou seja, cada município regia-se pelas suas leis particulares, desajustadas já da sua época, sobrepondo-se o foro e privilégio dos senhorios ao direito público, o que gerava muitas injustiças e constituía uma fonte de conflitos, principalmente a partir do séc. XV.
A este suceder de contrariedades, adveio a reforma manuelina dos forais contra os abusos praticados pelos alcaides e governadores dos castelos, no que respeita à aplicação da justiça, cobrança indevida de impostos, opressões às populações e falsificação ou interpretação errada dos forais medievais, mormente nas questões relacionadas com a cobrança de direitos reais, em que a coroa acabava por sair prejudicada.
Assim, num contexto de modernização do país e centralização do Estado, D. Manuel advoga a aplicação de leis gerais e uniformizadoras para todo o País, consignadas nas Ordenações Manuelinas, substituindo os Forais Antigos obsoletos na linguagem (escritos em latim) e introduzindo preceitos regulamentares na vida económica com a aplicação do sistema tributário, um dos seus principais objectivos desta reforma.

Os Forais Novos pretendem ajustar os conceitos normativos à realidade político-social do séc. XV, em que a sociedade portuguesa conhece profundas transformações estruturais com a ascensão da burguesia e o comércio da Expansão Ultramarina, já muito aquém do contexto político-social da Idade Média.
Assim, por alvará de 20 de Julho de 1504, D. Manuel mandou que, de cada foral, fossem realizados três exemplares: um para a câmara do concelho, outro, sendo caso, para o senhorio ou donatário do mesmo
e, finalmente, um terceiro, em registo de chancelaria, para o próprio arquivo real.
É neste contexto que surge o Foral de Ílhavo, concedendo autonomia legislativa, fiscal e económica ao concelho, marco de uma nova idade na vida municipal. Manuscrito lavrado por mãos de exímio calígrafo, em fólios de pergaminho e encadernado com planos de tábua, coberto de couro lavrado com ferragens evocativas da simbólica áulica de D. Manuel, Ílhavo é presenteado com a entrega deste documento, assinada pelo punho do próprio soberano, no dia 8 de Março de 1514. No entanto, só dois anos mais tarde, a 2 de Setembro de 1516, seria entregue ao juiz e vereadores do concelho.
Preservando no seu arquivo camarário este precioso original da carta de foral assinada pela mão do próprio Rei D. Manuel, a Câmara Municipal de Ílhavo decidiu, em tom de desfecho das comemorações dos 110 anos da Restauração do Município, lançar no dia 13 deste mês uma publicação com a respectiva transcrição e reprodução em fac-símile, num acto de partilha deste precioso documento com toda a comunidade.
Fonte: "Viver em...", da CMI
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 22 Dezembro , 2008, 13:00

Estátua Comemorativa na Via da Ria

Encontra-se em adiantada fase de execução a Estátua Comemorativa dos 110 Anos do Município de Ílhavo, obra que ficará a perpetuar esta data que a Câmara Municipal comemorou durante todo ano.
O local escolhido para a implantação desta obra foi a rotunda da Via da Ria (junto à Friopesca), por se tratar de um ponto de encontro entra as duas Cidades do Município, Ílhavo e Gafanha da Nazaré, ficando também próxima da maior Cidade da Região, Aveiro
A Estátua, da autoria do artista Ilhavense António Neves, será inaugurada no próximo dia 18 de Janeiro.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 15 Dezembro , 2008, 14:18
MARÉS

O Eng. Senos da Fonseca acaba de publicar mais um livro, dedicado à divulgação de temas ilhavenses. O produto da venda de MARÉS, com data de 2008, reverterá para uma instituição de solidariedade, garantida que está a despesa da edição, que é de sua conta. Diz o autor na apresentação do seu trabalho que o título – MARÉS – reflecte o “sabor do ir e vir das mesmas e dos consequentes estados de espírito que me provocam”.
Embora Senos da Fonseca sublinhe que “MARÉS não poderá ser um trabalho perfeito”, por causa da “pressa”, a verdade é que me deu gosto lê-lo, pelas memórias que me suscita. Com este livro, o autor continua a enriquecer a historiografia ilhavense, na medida em que traz à tona d’água temas que podem cair no esquecimento. Se é que, para os mais novos, não são pura e simplesmente questões completamente desconhecidas. Refiro-me, por exemplo, à demolição da Capela das Almas, à dança dos nomes na Praça da República, à Estrada Ílhavo-Mota, aos 110 anos de Independência do Concelho de Ílhavo, à Capela de Nossa Senhora de Penha de França, com o Bispo D. Manuel de Moura Manuel, à Arraisa Calôa e a tantos outros assuntos que abordou, com muita sensibilidade, no seu blog TERRA DA LÂMPADA, com nacos de poesia em muitos dos seus escritos. Aqui recordo, ainda a título de exemplo, a visita que fez ao S. Paio da Torreira.
Senos da Fonseca, a que já me referi no meu blogue, a propósito dos seus livros, “ÍLHAVO - Ensaio Monográfico” e “O Labareda”, é hoje uma referência para quem aprecia conhecer melhor o passado e o presente de Ílhavo.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 06 Novembro , 2008, 13:13
Utilizador do Pólo de Leitura

Pólo de Leitura da Gafanha da Nazaré quer mais leitores

Não sei se todos os gafanhões sabem que na Gafanha da Nazaré há um Pólo de Leitura, da responsabilidade da Biblioteca Municipal de Ílhavo. Se não sabem, sugiro que passem por lá, para o verem com os próprios olhos. O Pólo de Leitura está no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, na ala voltada para a Extensão de Saúde. Trata-se de um espaço arejado, com boa luz e com ofertas diversificadas. Há ali bons livros, vídeos, computadores e acesso à Internet. Para todos os gostos e para todas as idades.
Cláudia Rodrigues no espaço de acolhimento

Cláudia Rodrigues, técnica de biblioteca, adiantou-me que há cerca de 300 leitores por mês e que a esperança de que esse número cresça faz parte da programação da Biblioteca. Nessa linha, quando aparecem crianças em número suficiente, organiza-se a Hora do Conto ou a Hora da Leitura, e todos os meses é promovido um autor, com a apresentação das suas obras mais representativas.
Os leitores, possuidores de cartão de utilizador, têm liberdade para requisitar livros para ler em suas casas, pelo período de 15 dias, período esse que pode ser alargado, se tal for necessário.
Reconhecendo que há horas mortas, coincidentes com os horários escolares, Cláudia Rodrigues sugere que os adultos passem a frequentar o Pólo de Leitura nas suas horas livres, já que o ambiente é acolhedor. Se pensarmos bem, há muitos aposentados e reformados que poderiam criar hábitos de leitura, pois não faltam livros novos e mais antigos que vão chegando ao Pólo, de acordo, decerto, com as solicitações.
Aquela responsável ainda lembrou que o Pólo de Leitura pode beneficiar de dádivas de bons livros, se houver gente generosa com vontade de colaborar. Basta pegar neles e entregá-los no Pólo.
O Pólo de Leitura da Gafanha da Nazaré funciona às segundas-feiras, das 14 às 18 horas, e de terça a sexta-feira, das 10 às 12.30 horas e das 14 às 18.30 horas.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 31 Outubro , 2008, 20:58
Jornal PÚBLICO anuncia...
O governo reconheceu hoje que a ligação rodoviária entre Aveiro e a cidade de Ílhavo era de interesse público e autorizou a utilização de solos da Reserva Ecológica Nacional. O despacho foi feito pelos ministérios do Ambiente e das Obras Públicas.
O despacho, assinado pelo secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, Machado Ferrão, e pelo secretário de Estado adjunto, das Obras Públicas e das Comunicações, Paulo Campos, publicado hoje no Diário da República, determina que "seja reconhecido o relevante interesse público da construção da ligação entre Aveiro e Ílhavo da Circular Interna Poente à cidade de Ílhavo, correspondente à segunda fase da variante norte.
A obra, segundo a decisão, melhora a acessibilidade e mobilidade da zona, “desviando o trânsito da EN 109 e da sua passagem pela cidade de Ílhavo e fazendo a ligação ao concelho de Aveiro”.
Ler mais no PÚBLICO

Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Setembro , 2008, 16:04

Aquando da Regata dos Grandes Veleiros, que atraiu ao Porto de Aveiro muitos milhares de visitantes, a Câmara Municipal de Ílhavo (CMI) deliberou fazer a reunião habitual a bordo do veleiro russo Sedov. Pessoalmente, considero muito feliz a iniciativa, pelo simbolismo de que se revestiu, ao sublinhar, de forma original, a importância por todos atribuída à regata. Mas houve quem criticasse a decisão da autarquia, já que, dentro do veleiro, e segundo as normas internacionais, a CMI estaria em território estrangeiro.
Tanto quanto sei, ninguém da autarquia se opôs, tendo até apoiado tão simbólica ideia de mostrar quanto o povo considerou meritória a Regata dos Grandes Veleiros. Tenho para mim que a grande maioria dos ilhavenses (e neles incluindo os gafanhões, naturalmente) até gostou que a reunião se tivesse realizado no veleiro russo. Noutro qualquer, teria o mesmo gosto, penso eu.
As políticas, porém, às vezes têm destas coisas, perdendo tempo com ninharias e descurando o verdadeiro valor da iniciativa da autarquia, num momento em que tudo o que se fizer para promover a nossa região pode ser fundamental para o seu progresso.
FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 19 Setembro , 2008, 22:01
Creoula

A bordo do “Creoula”, numa viagem entre Lisboa e o Porto de Aveiro, foram traçadas as coordenadas do “Fórum Náutico do Município de Ílhavo”. Delinearam-nas 14 entidades das 18 convidadas pela autarquia ilhavense, sublinhando o presidente Ribau Esteves que este foi um passo importante, com vista a criar “uma plataforma institucional de grupo e de conjunto que vai valorizar esta área tão importante e cada vez mais atractiva”, em especial no sector náutico de recreio, conforme pude ler no Diário de Aveiro. Esta aposta pretende congregar todas as isntituições ligadas ao mar e à ria, nomedamente, clubes, empresas e marinas, em especial para incentivar o gosto pelas actividades náuticas, promovendo a região, sob todos os pontos de vista.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Setembro , 2008, 21:13

Ana Maria Lopes, especialista de temas marítimos e da ria, mas também de tudo quanto diz respeito a Ílhavo, terra maruja, tem um blogue dedicado a estes assuntos. Merece, por isso, a atenção de quantos comungam das mesmas ideias e de todos os que apreciam a cultura das nossas gentes, e não só. Hoje publicou uma série de fotografias sobre a Camponesa de Ílhavo, com texto alusivo, de excelente nível, como é seu hábito. Vejam, que vale a pena, em Marintimidades.
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 05 Setembro , 2008, 10:34

No dia 20 de Setembro, o Porto de Aveiro vai registar a passagem da Regata Internacional dos Grandes Veleiros, integrada nos festejos dos 500 anos do Funchal. A iniciativa é da Câmara Municipal de Ílhavo, que deseja, assim, comemorar os 110 anos da Restauração do Município e os 200 anos da Abertura da Barra de Aveiro.
A frota dos grandes veleiros formar-se-á, entre 10 e 13 de Setembro, no porto histórico de Falmouth, na costa sudoeste de Inglaterra, de onde largará para Ílhavo, para uma estadia de 3 dias, de 20 a 23 de Setembro, no Terminal Norte do Porto de Aveiro.
Deste porto, os veleiros seguirão para a capital da Madeira, Funchal, para o Festival Náutico e comemorações na Cidade, que ocorrem entre 2 e 5 de Outubro.
A realização deste evento é uma organização da Câmara Municipal de Ílhavo em parceria com a Sail Training International e com a Administração do Porto de Aveiro.
Para saber mais, clique em Ponto de Encontro, que tem ao leme a minha boa amiga Marieke

mais sobre mim
Julho 2023
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds