de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 23 Janeiro , 2010, 22:18
PELO QUINTAL ALÉM – 5


Ti Sarabando com Ti Mar'Joana

O PASTO

A
Ti Sarabando
e a sua Mar'Joana ( Maria Joana)

Caríssima/o:

Hesitei no título: erva... pasto...
Vendo bem as coisas, optei por “pasto”; “erva” nos dias que vão passando até nos dicionários se lhe junta outra conotação muito afastada daquela que nos levava junto dos animais para os alimentar...
Os tempos são outros e não apenas o sentido das palavras se alterou...

a. Pelo nosso quintal há muita erva mas não da que se criava com a sementeira e a adubação abundante para se cortar e levar para os currais das vacas, dos coelhos, dos porcos. Agora não se criam animais e a erva nasce sem ser semeada!

e. Também pelas muitas terras da nossa Gafanha que é da erva que se semeava depois da apanha do milho? Não se vê...
Naqueles tempos, as terras eram limpas de felgas e melhãs; logo “adubadas” com esterco dos currais. Depois deste espalhado, lançavam-se à terra as sementes de cevada, centeio ou aveia. A seguir, margeava-se o terreno.
Parte destas sementeiras destinavam-se a dar grão, mas a grande maioria serviria de alimento para o gado na invernia.
Era ver então como, foicinha na mão, ah!, corta que corta, se enchia a carroça ou ajeitava o molho que se levaria à cabeça ou aos ombros.

i. Quando a economia de subsistência era rainha, tudo se aproveitava. Destas plantas, os do nosso tempo se lembrarão, as folhas e os caules verdes iam alimentar o gado. Das searas, as paveias eram levadas para a eira, malhadas, ensacava-se o grão; a palha ia para os colchões, para a cama dos animais e, por vezes, para a manjedoura.

o. Directamente para a saúde, nada consta; convenhamos, porém, que muitos considerandos positivos se poderiam acrescentar sobre o equilíbrio fisiológico e emocional ...

u. E aqui se agiganta a figura do Ti Sarabando.



Para nós, uma lenda da nossa Terra; para muitos, um desconhecido.
Toda a vida se dedicou à lavoura das suas terras com a preciosa colaboração da Mar'Joana.
Homem forte, para o baixo, lá vinha com o seu molho de erva à cabeça e por acaso encontrava sempre a quem dar dois dedos de conversa. Bem, dois dedos...
“Parente e amigo, o homem achar-se-á enganado!...”
O sino toca a chamar para a Missa e os devotos e as devotas começam a passar rumo à Igreja.
“Parente e amigo... Quando Jonas...”
Como o monólogo vai longo, ao pressentir menos atenção da outra parte, dá-lhe uma sacudidela com a mão livre e prossegue:
“Parente e amigo, o homem achar-se-á enganado!...”
Às tentativas para pôr ponto final e partir para outra, surgia sempre com renovado ânimo:
“Parente e amigo...”
Vão passando as pessoas que regressam da Missa... Apesar do cansaço de quem o escutava, creio que ainda hoje o podíamos contemplar com o molho de erva à cabeça e com igual vivacidade e entusiasmo virar-se e, desfiando a sua Bíblia, sorrir profeticamente, levantar o dedo e falar como quem vive e acredita no que diz:
“Parente e amigo: o homem achar-se-á enganado!...”

Porque de gado e de erva se trata, respiguemos um soneto de raiz bíblica que renova um desafio de Camões:

Raquel

Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prémio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assi negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida;

Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: – Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!

E terminemos voltados para os mais novos (se é que há algum perdido por aí...):

«Quem em novo não trabalha, em velho come palha.»

Manuel

Anónimo a 24 de Janeiro de 2010 às 17:42
Acabo de ler a tua crónica. Hoje é domingo. Está um dia de sol brilh-ante, que nos ilumina a alma, mas frio. Olho a casa de meus pais, ao
lado é uma terra de cultivo. Era aqui o assentamento da casa so Vizinho Sarabando. Nela nos abriga-vamos da nortada, depois das brin- cadeiras,quando o Vizinho Saraban- do se juntava a nós e nos "explica-va" a biblia segundo a sua opinião e fé.
Entretanto aparecia a Ti Mar'Joana
normalmente com um pedaço de boroa numa das mãos, e um dente de alho na outra. Sempre foi esta a sua
"marenda"!

Ângelo

mais sobre mim
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO