de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Dezembro , 2006, 10:34
LUTADORES INCANSÁVEIS
NUM MUNDO DESENCONTRADO


Nutri sempre um especial afecto, misturado com uma admiração agradecida, pelos diversos secretários gerais da ONU. Sempre vi neles gente doada a uma causa difícil, se não quase impossível, como é a da justiça, da paz, do entendimento entre os povos, do clamor incómodo dos mais pobres, débeis e indefesos, da verdade sem manobras.
O mundo dos grandes é mais dominado por interesses que por projectos de justiça e de paz. Quando falam de paz, com voz de aparente sinceridade, fabricam armas de guerra e de destruição e maquinam formas novas de exploração dos povos indefesos. Dão ajudas de um desvelado patrocínio àqueles a quem antes destruíram vidas e haveres e aos quais mataram, impunemente, os seus sonhos mais que legítimos de ser gente reconhecida e livre.
É no meio deste universo de contradições que um secretário geral se move, sempre em sobressalto, sempre consciente que lhe podem retirar o tapete ao primeiro assomo de crítica ou de apelo que vá bulir com interesses constituídos. Muitos dos que se alegram com a sua presença não escondem o incómodo da mesma, porque sabem que a sua tarefa é provocar alarmes de consciência e apontar para quadros sociais que não agradáveis ao olhar, nem convidativos à instalação e ao descartar de responsabilidades.
Homens sem tempo para si e para os seus, porque a qualquer momento surgem apelos que não permitem delongas na decisão, nem podem retardar palavras de apoio e gestos de ajuda e compreensão. Só nos Papas dos últimos tempos se pode ver idêntica atenção e imediata intervenção. São todos estes os sempre acordados e atentos, que mostram o rosto de uma Providência que não discrimina, a não ser a favor dos que mais sofrem com as calamidades e os infortúnios da natureza e as injustiças dos homens.
Houve nos últimos dias o render da guarda de Kofi Annan. Um africano que, sem complexos, primou por uma disponibilidade sem limites, uma liberdade interior sem peias, uma serenidade lúcida no juízo das situações, uma capacidade de intervenção atempada, sempre frente aos inúmeros incêndios que a política dos interesses, nacionais e internacionais, foi ateando por esse mundo fora. Um homem livre que não dobrou a cerviz ante a força dos grandes, a quem pouco importavam elogios e simpatias. Mais ocupado e rendido aos problemas humanos e sociais, geradores de contínuo sofrimento.
Cinco lições para os presumíveis donos do mundo, assim lhes chamou, foram o seu legado de fim de mandato. Nelas insiste na responsabilidade solidária de todos ante as grandes causas da humanidade, do bem-estar à segurança, do respeito pelos direitos humanos à abertura para serem avaliados e prestarem contas pelos actos realizados e deveres não satisfeitos. E não se cala, por fim, ante o escândalo de um Conselho de Segurança que, desde o princípio, quase só existe como garante dos interesses só de alguns, dos grandes como é evidente, mesmo que não dispense outros, ainda que pequenos, como mero ornamento de uma democracia vazia e falsa. Estes não passam de números de favor para se conseguir, com aparente legalidade, efeitos antes já acordados e garantidos.
Por via de um testemunho esforçado e apreciável dos sucessivos secretários gerais da ONU, a que os mais honestos da sociedade, a todos os níveis, não podem ficar alheios, os adormecidos vão acordando, os injustiçados tendo voz, os prepotentes descobrindo que têm pés de barro, o mundo desencontrado a ganhar uma crescente consciência de que não é feudo de alguns, mas espaço e oportunidade de todos.
O epílogo de um mundo novo em construção, por via dos que não desistem, pode ainda estar longe. Porém, já se vai notando que a esfera vai rodando sem parar e que o sol jamais apagará, enquanto não forem todos, sem privilégios nem discriminações, a beneficiar da mesma luz e calor.

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO