de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Agosto , 2008, 21:24

Reparos justos merecem sempre resposta atempada


Sou dos que entendem que as obras públicas devem ser louvadas, quando oportunas e válidas, e criticadas quando acontece o contrário. Ao longo dos anos, sempre defendi a reposição, possível, do Jardim Oudinot. Critiquei alguma inoperância e bati-me por uma reconstrução digna do nosso povo. Com o renovado Jardim Oudinot, não me cansei de aplaudir o trabalho feito.
É óbvio que um projecto desta envergadura e de real interesse público não pode ser considerado obra acabada e perfeita. Como me dizia o meu amigo Gaspar Albino, o Jardim Oudinot tem de continuar a merecer trabalhos de manutenção e de valorização, para que o povo sinta que vale a pena andar por lá. Pessoalmente, estou convencido de que assim vai ser.
Por seu lado, o também meu amigo Armando Cravo, por e.mail enviado ao presidente da Câmara de Ílhavo, Ribau Esteves, apressou-se, e bem, em dar-lhe os parabéns pelo trabalho feito, mas acrescenta, sublinhando um reparo:
“'Esqueceram-se’ das pessoas da Gafanha da Nazaré, que sempre se deslocaram a pé para a ‘Praia dos “ Tesos’ e que agora serão cada vez mais!...
É necessário traçar um pequeno corredor pedonal, a partir da rotunda das portas de água, logo a seguir à barreira de protecção metálica do acesso ao Sto. André, para que as pessoas e velocípedes não pisem a relva como já está a acontecer. Certamente não acredita que as pessoas para não pisar a relva, se sujeitam a fazer um percurso ‘desnecessário’, que rondará os 100 metros.”
A esta observação pertinente, o autarca ilhavense adiantou, depois de agradecer os parabéns pela obra levada a cabo, de parceria com a APA:
“No que respeita ao seu reparo, devo dizer que estamos a fazer a definição (as equipas da CMI e da APA) sobre a solução técnica mais adequada para a travessia (da Via Portuária) de peões e ciclistas entre a Av. José Estêvão e o Jardim Oudinot, procedendo-se à execução da solução escolhida acto imediato a essa definição (o que queremos seja breve), e por essa via melhorar as condições de circulação em segurança nessa zona e dissuadindo o pisar da relva.”
Ora aqui está a prova evidente de que a falar (neste caso a escrever) é que a gente se entende.

FM

joão marçal a 1 de Setembro de 2008 às 12:04
Houve uma vez um arquitecto paisagistico que só costruiu os caminhos depois de estes serem definidos no relvado pelas opções dos utentes.

Cumprimentos

JM

mais sobre mim
Agosto 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO