de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Outubro , 2007, 09:01


O S. PAIO DA TORREIRA


Caríssima/o

Desta vez também fomos ao S. Paio de motorizada – atravessámos na lancha e lá vamos nós pela nova estrada que, junto à Ria, nos leva à Torreira. Mas outras e várias fomos de bicicleta; algumas ainda a estrada era, em boa e longa distância, por areia, apenas e só projecto (e mesmo assim lá íamos, lembras-te, Diamantino?). De bateira ou de barco não tenho memória de lá ter ido (falha minha!). Mas ali o Baltasar mai-la sua Madalena anos seguidos o fizeram e acampavam na sua característica tenda!
Depois lendas, tradições, cantares e dizeres vão surgindo.
Este escrito aí fica à vossa consideração:

«A romaria de S. Paio da Torreira é uma tradição formada no século XIX, que não tardou a transformar-se numa das maiores e mais concorridas romarias da costa norte de Portugal. Só o facto de estar voltada para a ria, integrando o grosso da frota de moliceiros da Ria de Aveiro, dá-lhe um invulgar colorido e uma rara animação. Inclusive na aposta que é feita através de uma corrida de moliceiros e outras embarcações, que diariamente se movem mais pachorrentamente. Ah, o dinamismo que aquela gente consegue desenvolver quando tem os seus barcos engalanados!
Agora uma das razões mais fortes para a concorrência crescente à romaria é que o santo, o bom do S. Paio da Torreira, é molhado em vinho. Aliás, no antigamente, por altura da festa, a imagem do santo era posta ao lado de uma tina de vinho, na qual eram depositadas as oferendas. E estas eram constituídas por tudo aquilo que os pescadores consideravam com valor.
E a tina não estava ali só para vista, não. À própria imagem do santo era dado um banho a preceito, as mais das vezes por crentes que naquele instante já se encontravam um tanto aquecidos pelo que já haviam bebido! Bem, mas apesar deste banho ter sido riscado do programa, desde há algum tempo, o S. Paio continua a ser encarado pela população da Torreira como Santo Bêbado. Mas isto é dito com todo o respeito…
Ora, pensando que, durante muito tempo, a Murtosa viveu os chamados caprichos da barra de Aveiro, que ora abria ora cerrava, provocando várias vezes a estagnação das águas da bela laguna, o reflexo disto era o surgimento de doenças. Aliás, uma das mais perigosas que sobreveio numa dessas situações foi o paludismo. Daí a veneração de um santo que é advogado divino das febres quartãs, que é como quem diz sezões.
E de 6 a 8 de Setembro, as gentes da Torreira entregam-se à festa da invocação de S. Paio, para que ele as proteja o ano inteiro. Por esses dias, de toda a parte da Ria de Aveiro chegam romeiros e festeiros. A elegante Ponte da Varela enche-se de automóveis e gente a pé. E as cinco léguas de dunas entre o Furadouro e S. Jacinto são pisadas por milhares de pessoas que vão para a romaria que à conta deles cresce que é um regalo.
S. Paio, recorde-se, foi um jovem mártir que deu a vida em defesa da fé cristã. Teria uns doze ou treze anos. Desprezou ofertas de riqueza e de liberdade. E conta-nos a lenda que se encontrava preso como refém dum rei sarraceno e era a garantia do regresso de um tio, que tinha sido condicionalmente posto em liberdade para encontrar maneira de pagar o resgate de ambos. Pois o menino Paio, mostrando-se inflexível na sua opção de crença cristã, acabaria por ser cruelmente torturado pelo rei mouro, que o tinha em cativeiro, e feito em pedaços, que foram lançados ao Guadalquivir. De qualquer modo, não esquecer a caldeirada de enguias pelo S. Paio da Torreira como quem põe um ex-voto pela consolação prandial dos povos…

A formação do núcleo populacional da Murtosa data do século XIII, altura em que ali se fixaram famílias de marmoteiros e pescadores, que se valeram dos recursos da terra e do mar. Já a sua actual freguesia da Torreira pertenceu ao termo de Cabanões e depois Ovar. Em 1855, a Torreira é integrada no concelho de Estarreja, ficando então a pertencer administrativa e judicialmente à freguesia da Murtosa. Passou a Torreira a freguesia em Outubro de 1926 e incluída no concelho da Murtosa, mas apenas em 1997 obteve a categoria de vila.»
[V. M., 168]

E como este ano o S. Paio e as festas populares já lá vão, resguardemo-nos que… para o ano há mais!...

Manuel

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO