de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 29 Abril , 2008, 11:08

Cereais: de novo, para ajudar a entender!

Por mais de uma vez tenho abordado algumas questões relativas ao aumento dos cereais, em todo o mundo, com a consequente escassez destes bens alimentares na dieta básica de milhões de pessoas, o que tem provocado reacções de todo o género, que vão das manifestações públicas, em todos os continentes – algumas até bem violentas -, até a declarações de preocupação, proferidas por vários responsáveis políticos e religiosos, designadamente ao nível da Organização das Nações Unidas, independentemente da ineficácia que vem demonstrando, desde há vários anos, no seu funcionamento.
São factos indesmentíveis, ainda que, relativamente à causa, ou causas, que estão na origem destes aumentos, continuam a não aparecer respostas claras, explícitas e objectivas. Esta falta, persistente, de esclarecimentos rigorosos não deixa de ter uma leitura, a meu ver, negativa, pois começa a sobressair a ideia de que as explicações surgem em função dos interesses políticos ou ideológicos de quem diz que os dá.
Ainda, ontem, dia 28 de Abril, ouvi dois economistas portugueses a falarem deste assunto e os argumentos ou as razões de ambos não foram nada coincidentes.
Estaremos perante uma situação cujas explicações surgem em função de se gostar e defender, ou não, uma qualquer teoria económica?
Se assim for, tenho dificuldade em compreender porque é que as Nações Unidas promovem, a partir de hoje, dia 29, uma reunião na cidade de Berna, na Suíça, para discutir a crise alimentar mundial, tendo o seu mandatário a esta reunião, Jean Ziegler, referido que o direito à alimentação é “um direito fundamental para todos os que têm fome no mundo”.
Para este alto funcionário da ONU, o papel dos biocombustíveis, na crise alimentar, tem sido determinante nos aumentos dos cereais e a grande causa da fome no mundo, acusando a indústria dos biocombustíveis de estar por trás da súbita escalada do preço dos cereais.
Jean Ziegler ainda se pronunciou sobre a especulação, que calcula ser responsável em trinta por cento no aumento do preço dos produtos alimentares, estando, segundo disse, por trás das recentes interdições à exportação de arroz, em grandes países produtores, como é o caso do Brasil.
Esta iniciativa da ONU foi, entretanto, noticiada pela Rádio Vaticano.
Quanto à Comissão Europeia, deixou, ontem, um alerta sobre a crise alimentar. Nas suas previsões de Outubro de 2007, esperava uma subida de dez por cento, no preço da comida para o ano de 2008. Agora, diz que o aumento será de trinta e nove por cento, por causa da especulação, segundo notícia do “Diário Económico”, de hoje.
Voltando a ontem, dia 28, o economista João César das Neves escreveu um artigo de opinião, no jornal “Diário de Notícias”, com o título “O Fantasma da Fome Global”, no qual, reconhecendo que “A subida mundial dos preços alimentares é um tema dramático”, parece, depois, entrar em considerações onde “ A atenção mediática” centrada “em alguns efeitos pontuais”, o “Nervosismo internacional, maus anos agrícolas e instabilidade sociopolítica local hão-de passar.”
Falando da “famigerada especulação”, João César das Neves refere que “só de vez em quando surge para ficar com culpas.”
Afinal no que ficamos? Será que está tudo bem ou a caminhar para isso, não passando todas estas as notícias, destes últimos dias, de um alarmismo injustificado e perigoso?

Vítor Amorim

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO