de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 12 Abril , 2008, 14:25

Foram necessárias umas imagens televisivas (neste caso gravadas por um telemóvel) para que os portugueses se pusessem a falar sobre a violência e a indisciplina que se vai fazendo sentir em alguns estabelecimentos de ensino, em Portugal.
A constatação de que vivemos numa sociedade apática ou conformada, cansada ou anestesiada, e que só se dá conta de que as coisas existem ou acontecem quando aparecem na televisão, parece evidente. Teremos que aguardar que novas imagens surjam, na TV, para continuarmos a falar deste ou de outros assuntos? Se resposta é sim, mal vamos!
E que dizer das 184 denúncias, por violência, recebidas pela linha SOS Professor? E das 7028 ocorrências, que vão do furto à agressão, registadas pelo programa Escola Segura? Tudo isto, e muito mais, são dados relativos, apenas, ao ano lectivo 2006-2007!
Provavelmente, para alguns, o mais fácil é dizer que a culpa é dos pais e as coisas já poderiam ficar por aqui, quanto a responsáveis.
Os sindicatos, dirão que os professores não têm meios para exercerem a sua autoridade profissional na escola e a culpa, sendo, também, dos pais, é, em primeiro lugar, do Ministério da Educação.
Se ouvirmos os pais, a responsabilidade é dos professores, que deviam exercer a sua autoridade, mesmo sobre os seus próprio filhos, apesar de existirem pais que, logo que podem, vão, eles próprios, agredir os professores, sempre que estes exercem a autoridade, resultante do exercício da profissão de educadores dos filhos. Paradoxos!
Há quem diga que o estatuto do aluno não fomenta a autoridade dos professores e das escolas, por ser demasiado brando, já que a sanção máxima prevista é a da transferência do aluno para um novo estabelecimento de ensino, o que pode ajudar a indisciplina.
Dizem, outros, que o sistema de sanções, além da transferência, é muito burocrático e moroso, o que desmotiva os professores em aplicá-lo, daí a permissividade.
Já no passado dia 3 de Abril, do corrente ano, o P.G.R. afirma que já há crianças, a partir dos seis anos, com pistolas nas escolas, para não falar das centenas de facas ou navalhas que circulam no interior e exterior dos estabelecimentos de ensino.
O Ministério da Educação, não podendo negar os factos, diz que está tudo controlado.
Se somarmos a isto a droga, que vive, lado a lado, com estes estabelecimentos, ou seja, com os alunos, temos uma situação muito preocupante na educação, em Portugal.
Talvez por nunca ter sido professor, não consigo entender como é que estes podem dar aulas quando têm medo dos alunos, dos pais e sei lá mais do quê! Serão mesmo aulas?
E mesmo que haja pais que não eduquem os filhos, isso implica que os professores deixem de ter autoridade para exercer as suas competências profissionais?
É verdade que a escola pública reflecte muito do bom e do mau que afecta a sociedade. Neste caso, um mal profundo, sinal de uma grave crise de valores, permissiva, sem referências de conduta e sem regras para uma socialização sã e solidária.
Há que dar, rapidamente, os instrumentos que devolvam às escolas e aos professores a legítima autoridade e disciplina, que devem exercer, em tempo útil e eficaz para todos.
Aos alunos e encarregados de educação devem ser dadas a conhecer as “regras da casa”, sempre simples, claras, de fácil interpretação e aplicação para todos.
Exigir resultados e objectivos bem definidos e rápidos a toda a comunidade escolar é o mínimo que se lhe deve pedir. Só assim, se podem separar os que teimam em não cumprir as regras estabelecidas, legitimamente, daqueles que cumprem e se esforçam em obter os melhores resultados escolares possíveis.
É tempo de se começar a saber com quem se conta para ensinar e disciplinar e com quem não se conta para aprender e obedecer.
Vítor Amorim
Nota: Foto do meu arquivo

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO