de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 20 Julho , 2008, 10:24

O ADIVINHO PEDINTE

Caríssima/o:

Frequentávamos a quarta classe. O tempo estava calmo depois de dias de invernia. A vida voltou aos campos e até a passarada retomou os seus chilreios e os seus voos altos e repousantes.
Éramos três vizinhos e fazíamos o percurso habitual. Pouca gente, que a maioria já andava na labuta ou para lá se dirigia a passo estugado. Na época, a sineta da Junta marcava o início da actividade às oito horas da manhã e no campo o nascer do sol era a campainha.
Descontraídos e gozando a calma daquela manhã, caminhávamos com passo certo e seguro que não queríamos chegar atrasados à Escola. Eis que se aproxima um velho, com as roupas coçadas, saca às costas, mas de palavra fácil e sorriso pronto. Cumprimentou-nos e foi-nos interrogando sobre a vida da Escola. Algumas das suas observações foram surpreendentes pelo conhecimento que revelavam e pelo modo como as proferia.
Olhando para nós com mais atenção e fixando os nossos olhos, num olhar que não mais esquecemos de tão intenso, o bom do velhote lança profecias ao vento e procura ler o nosso porvir nas estrelas. Momento inesquecível porque único até àquele momento! E nós ouvíamos e não queríamos acreditar que ele estava a vaticinar como seriam as nossas vidas. Olhávamos uns para os outros e, pasmados, agora parados, fomos saindo do enlevo que as palavras encantatórias do homem tinham provocado em nós. Despediu-se, seguiu caminho.
Também nos vimos a correr para recuperar o tempo esquecido.
Certo é que esse dia foi diferente dos outros, havia algo que mudara nas nossas mentes e a pergunta era como que martelo pertinaz: «será que o sonhador acertava mesmo?» E, voltando-nos uns para os outros, a mesma pergunta lia-se nos nossos olhos como se estivesse escrita com as luzes das árvores de Natal e sorríamos: «o pedinte, pobre diabo!».

Quando nos encontramos, ainda a mesma pergunta brilha nos nossos firmamentos referindo-a ao mundo das nossas vidas e as dúvidas vão caindo: afinal o pedinte trazia na sacola a pedra que desvendava os sonhos!


Manuel

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds