de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 02 Novembro , 2009, 20:00




Ser Modelo!


- É modelo?
A frase soou nebulosa, dentre uma chusma de alunos, tal qual a voz orquestrada por um coro de jornalistas que assediam uma pop star.
Foi no percurso para a sala de aula, quando já se preparava para entrar, que foi surpreendida por aquela abordagem insólita.
Olhou em redor, procurando vislumbrar o alvo de tão inesperada quanto estranha pergunta.
Num espaço onde se cruzam e entrecruzam as mais diversas indumentárias, algumas um tanto bizarras, haveria de encontrar o protagonista.
O coro de vozes intensificou-se e, de repente, entendeu que a pergunta lhe era dirigida.
Seria a curiosidade infantil, característica de uma faixa etária cuja espontaneidade e sentido crítico estão à flor da pele, ou haveria, na verdade algo naquelas cabecinhas ingénuas, que lhes faria associar à teacher, a imagem de uma qualquer modelo de passerelle?
Explorando o campo semântico da palavra, evocava algo semelhante a “um modelo de virtudes”, que não lhe assentaria, certamente,  como uma luva, pois a profissão docente conduz mais à categoria de mártires... do que de santos! E... modelo modelo, só o Continente na sua forma apelativa de marketing!
Que estaria a perpassar naquelas cabecitas tontas, tão observadoras e perspicazes, para atirarem aquela pergunta: - É modelo?
Após uns segundos de reflexão, repara que havia colocado na lapela uma flor retirada dos tons outonais que revestem a natureza.
Sensível às mutações cromáticas que se operam em seu redor, e transpondo para a toilette do dia, esse colorido, conjecturou que talvez fosse esse o motivo da observação.
Mas daquela gente de palmo e meio ainda a dar os primeiros passos na formação da personalidade e numa crescente adultez, saiu a observação estética sobre o vestuário da sua professora.
Durante a aula, aqueles olhitos não paravam de observar e de quando em vez, inoportunamente (!?), saltava o comentário: - A teacher, hoje, vem muito bonita!
E... pensamos nós, adultos, que as adoráveis criancinhas são indiferentes a muita coisa e nem reparam naquilo que é acessório, como o traje e a apresentação dos adultos.
Chamando a brasa à sua sardinha, como sempre num compromisso pedagógico, aproveita, ali, a circunstância, para fazer uma breve explicação do novo léxico.
- Pensei que modelos eram só as teenagers!
Essa idade lhes concede, a beleza, a elegância e a graciosidade necessárias para essa profissão e os requisitos indispensáveis para vingarem na mesma.
Constatou também como a aspiração de vir a ser modelo povoa a mente sonhadora e a fantasia de tantas adolescentes e jovens.
Quando se olham ao espelho e o narcisismo lhes acalenta a auto-estima, vão alimentando o sonho de vir a ser gente nesse mundo de competição. Mal sabem, pobrezitas, o mundo cão em que se vão meter e as decepções e frustrações que ele lhes acarreta.
No seu espírito de pessoa madura, pensa a teacher: - Afinal, se como o povo diz, “O hábito não faz o monge”, também é verdade que “O trapo faz a modelo”, na simplicidade e apreciação desta gente miúda!

M.ª Donzília Almeida
30.10.09
tags:

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


24



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds