de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 28 Junho , 2008, 13:01
Folclore, raiz de identidades

1. São muitos os festivais de folclore que são realizados de norte a sul do país nesta época do ano tão especial em termos de festas populares. E é muita a generosidade que, percorrendo todo o ano neste “amor à camisola” das colectividades, agora se intensifica nas várias preparações para que tudo decorra pelo melhor. Há em Portugal uma multidão de gente heróica que, dedicando uma grande parte do seu tempo, vai conseguindo preservar o que de melhor existe nas culturas locais. Por vezes só em épocas políticas especiais ou em apresentações de embaixadas a entidades sociais é que o folclore surge como efectivo aliado da vida pública, sendo muitas vezes grande parte do tempo deixado na periferia da difícil luta pela sua própria sobrevivência.
2. Quem olha para um rancho é como quem repara num moliceiro. O que no barco da ria são a beleza das pinturas no folclore serão todo o conjunto de artefactos que nos falam das lides mais simples e ancestrais das nossas gentes. Todos os utensílios da terra, do mar, da ria, das fainas agrícola ou piscatória, transportados nos trajes e objectos do folclore querem ser o esforço de manter na raiz das comunidades a alma e a vida das gentes. A isto chamar-se-á o preservar das identidades regionais, algo cada vez mais importante até pela distância afectiva que cresce das novas gerações em relação a toda esta riqueza patrimonial. Chegará o tempo em que essa distância será tanta em relação à sobrevivente “tradição” das culturas que serão feitos estudos sobre cada uma dessas peças que ganharão valor acrescido.
3. Cada região tem as suas gastronomias, os vinhos, doçarias, pratos típicos e as suas bandas filarmónicas de música; dessa tradição, e consoante a área de referência em relação ao mar, aos rios ou à serra, vem também a força das suas ocupações e trabalhos onde o cultivo da terra representa um valor inestimável, no aproveitar das épocas de sol e de chuvas. Mas se muitas vezes estas realidades mesmo do campo são epocais, têm épocas em que existem e noutras não, o folclore procura perpetuar e prolongar no tempo a existência contínua desses bens pelos seus próprios cantos, danças e utensílios. Os ranchos folclóricos de cada localidade acabam por ser um dos mais belos emblemas regionais, diante dos quais talvez nos falte parar, valorizar mais e apreciar a riqueza dos seus ínfimos pormenores…
4. É significativo destacar-se que, na generalidade, essa riqueza traz consigo uma bondade e generosidade dignas de registo. Os ranchos não dão lucro e os apoios, se nunca abundaram, com realismo, na actualidade portuguesa são praticamente insignificantes em relação à sua realidade. Só com grande entrega das gentes é que se conseguem manter vivos e dinâmicos; mesmo remando contra tantas marés o folclore consegue ser um dos brilhantes símbolos da vitalidade cultural da sociedade civil que tem amor em preservar as suas raízes. Até pelo factor turismo, vamos apoiar mais!

Alexandre Cruz

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO