de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Maio , 2008, 11:00


Quando era jovem fui educado no princípio de que o desporto era uma escola de virtudes. Jogava-se por amor à camisola e a mística clubista prosperava. Cada um tinha o seu clube. E a fidelidade era tal, que até se dizia que se mudava de religião, mas de clube nunca.
Depois veio o profissionalismo levado ao extremo, e com o dinheiro veio o “sistema” , de que alguns dirigentes falavam há muito. Os sérios, naturalmente, para quem os fins não justificam os meios. Mas certos adeptos, para os quais o que importa é ganhar, custe o que custar, até batem palmas aos que, por artes subterrâneas, levam a água ao seu moinho. Honestidade deixou de contar. O importante é voar nas asas da fama, que às vezes dá grandes negociatas. O desporto deixou de ser a tal escola de virtudes. Esta palavra, no mundo do desporto profissional, em muitos casos, passou de lema de vida para motivo de sorrisos mal disfarçados.
As condenações a clubes, dirigentes e árbitros, anunciadas ontem mas conhecidas há dias, vieram mostrar o tal “sistema”. Será, penso eu, a ponta do iceberg, que urge mostrar e condenar na íntegra. Para bem do desporto e de quem o vive lealmente.
Acredito, no entanto, que há dirigentes e atletas honestos. Leais, correctos no jogo, sabendo ganhar e perder com dignidade. Incapazes sequer de experimentar a corrupção. Esses precisam de ser louvados e acarinhados. Os outros, os corruptos, esses têm de ser, depressa, erradicados do desporto. O desporto tem de ser sadio. O desporto podre não pode ter lugar na sociedade democrática. A nossa juventude precisa de continuar a cultivar o princípio das virtudes dentro e fora dos campos desportivos.

FM
tags:

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO