de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 18 Abril , 2008, 12:55

Sempre que na Igreja há qualquer acontecimento que a comunicação social realça, normalmente os primeiros comentadores vêm do lado dos que se professam agnósticos ou são conhecidos como tal. Penso que é bem que assim aconteça. É sinal de que o que se passa não deixa desatentos os que se preocupam com o evoluir da sociedade e reconhecem que a acção dos cristãos ou incomoda ou não é sempre de desprezar.
Mesmo entre estes comentadores, os tons são diferentes, as perspectivas nem sempre coincidem, o que para uns é mais ou menos indiferente, para outros não o é tanto. Há preconceitos não ultrapassados e nostalgias difíceis de apagar ou esquecer.
Não falta quem se fixe mais nas pessoas da Igreja, outros mais nas suas afirmações, sempre com um misto de cultura adquirida noutro contexto e com horizontes onde a Igreja ainda cabe, apesar de tudo. Procuro estar muito atento e apreciar, sem rótulos nem preconceitos, estas críticas. Estou convicto de que se a Igreja não atende os que não concordam com ela ou pensam que os seus caminhos devem ser outros, estará cada vez estará mais ausente de tudo e mais fechada numa torre inacessível, mas insegura.
A história está cheia de páginas que denunciam atitudes de superioridade e sobranceria de membros da Igreja, sempre carregadas de consequências que não foram de conversão evangélica.
Vasco Pulido Valente faz também a sua leitura da última assembleia dos bispos, insistindo nos incómodos da Igreja ao verificar que perde cada vez mais a sua influência na sociedade portuguesa, e conclui o seu artigo no Público (4.4.08) dizendo: “Se a Igreja quer recuperar o que perdeu, esqueça finalmente o Estado e os ridículos privilégios de que ainda goza, e venha para a rua. Não há outra maneira de ganhar uma existência pública e política”.
A Igreja quando intervém em problemas de ordem ética e moral ou de bem comum e humanização social, não pode esquecer quem actua no mesmo terreno. Como instituição religiosa que tem por missão servir, também não pode pretender a recuperação de prestígios e privilégios. A sua missão é dar um contributo, no meio do marasmo reinante e, também, do pluralismo aceite, para o reencontro normal, no seio da sociedade portuguesa, do sentido da vida e da dignificação pessoal e comunitária, no contexto cultural e histórico que nos plasmou.
Também eu estou de acordo que é na rua que se ganham as batalhas em que vale a pena entrar. A Igreja tem por vocação viver com as pessoas e sempre próxima das suas vidas. Nasceu no meio do povo, sente-se ao seu serviço, alegra-se e sofre com ele, bebe da sua sabedoria e enriquece esta com a mensagem e a solidariedade evangélica. A sua pedagogia não é de palácios, de linguagem erudita, de trato privilegiado com os senhores, sem que deixe de ser para todos e para a todos ajudar a ser mais de Deus, origem e a garantia da sua dignificação. É uma pedagogia de presença e de testemunho convincente. Foi isso que o Concílio Vaticano II lhe veio recordar, quando a levou a considerar que, por sua natureza, ela é povo e não elite, povo que serve, porque ao ser servido pela hierarquia, deve ter capacidade para se tornar um povo original, fermento e referência de valores novos e determinantes, que o tempo não pode desgastar, porque são indispensáveis na ordenação da sociedade e na relação das pessoas.
Quando se esqueceu ou menosprezou o rumo certo, deu-se mais valor ao templo, que é sempre um lugar de passagem, e menos à rua, onde a vida é concreta e se joga todos os dias o destino, se alcançam as vitórias e se sentem as derrotas.
Concordo com VPV. A Igreja tem de andar na rua, falar uma linguagem que todos entendam, dialogar com todos, concordem ou não com a sua mensagem.
O mundo laico e plural aceita a Igreja hoje, se ela aceitar e respeitar as regras do jogo.
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO