de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 07 Novembro , 2009, 14:05



A VIÚVA DOS DOIS CÊNTIMOS


Permite-me, mulher viúva, que te dirija uma carta aberta. Desculpa tratar-te não pelo teu nome, mas pela tua situação na sociedade. Aceita a minha saudação de paz que é sinal de bênção do Todo-poderoso, o Altíssimo.
Sou padre católico e leio com frequência os livros sagrados, que os cristãos chamam bíblia, onde aparece o teu “caso” ocorrido no Templo de Jerusalém. Terá sido numa das vezes em que lá foste, segundo o vosso costume. A tua atitude despertou a atenção de Jesus de Nazaré. Recordas-te?! Talvez não porque foi tudo tão rápido e discreto. Mas eu vou lembrar-te e dar-te a minha opinião em público para que vejas o alcance do teu gesto simples e humilde.
À tua frente, vão homens ricos que lançam avultadas quantias nas caixas do Tesouro do Templo. Fazem coisas que dão nas vistas. O quê, não sei. Talvez o modo de vestir, de rezar ou de estar na fila e tentar alcançar o primeiro lugar.
Jesus de Nazaré, que tinha vindo à cidade para a celebração da Páscoa, observa-os atentamente. Ele não se entendia com eles, sobretudo com os que ensinavam o povo em nome do Altíssimo. Preferia a verdade à mentira, a transparência à confusão, a sobriedade à opulência e a humildade à vaidade. Este modo de proceder causa-lhes má vontade e desejos de vingança e morte. Mas não desiste e leva a sua avante.
Sentado e atento, Jesus olha também para ti. Vê que tiras da bolsa as únicas moedas que possuías e.com naturalidade as colocas na mesma caixa. Valiam pouco, bem sabes, mas eram o sinal da grande riqueza do teu coração. Depois, acompanha-te com o olhar enquanto te vais retirando e perdendo na multidão. Deixa-te partir sem dizer palavra. Sabes o que pensava nesses momentos?!
Não é difícil de descobrir pois chama o grupo que o seguia e fala-lhes de modo surpreendente. Põe frente a frente a tua dádiva e a dos homens ricos. A tua sai a ganhar. Não pelo valor da quantia, mas pela finura da qualidade. Deste o que tinhas para viver e não do que te sobrava. Ficaste sem qualquer garantia e segurança, apesar da tua situação social, enquanto a eles muito lhes restava. Posso afirmar-te que os discípulos ficam admirados pela novidade que este contraste põe a claro de forma interpelante.
Parece que Jesus de Nazaré tinha acesso aos segredos do coração e também aos teus sentimentos mais profundos, sabia em quem depositavas a confiança, conhecia as tuas convicções mais seguras e em quem descansava a tua vida. E embora não faça um elogio rasgado da tua atitude, aproveita sabiamente a oportunidade para marcar a diferença e definir critérios de vida: o valor das pequenas coisas, a grandeza da generosidade, a força das convicções, a eficácia do agir discreto, a entrega incondicional. Diferença também no apreço pela qualidade dos sentimentos, pela subordinação dos bens às pessoas, pela partilha assente na equidade e não só no supérfluo.
Sabes, mulher viúva, o teu silêncio é mais eloquente do que muitos discursos e a tua atitude mais expressiva e convincente do que tantas formas de proceder consideradas exemplares. A finura do teu gesto espelha a delicadeza de quem te observa e o alcance da mensagem que anuncia.
Aceita a minha gratidão em nome de quantos te admiram e procuram estar atentos às pessoas de hoje como, no teu tempo, esteve Jesus de Nazaré, o enviado do Deus altíssimo.

Georgino Rocha
tags:

mais sobre mim
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


24



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO