de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 17 Outubro , 2006, 22:31
DIÁLOGO DIFÍCIL:
GOVERNO E AUTARQUIAS
NÃO SE ENTENDEM
::

Ontem senti que tinha a obrigação de assistir ao programa "Prós e Contras" que passou no primeiro canal da RTP. Era minha obrigação porque os problemas do País, em geral, e das autarquias, em particular, nos dizem directamente respeito. Mas não gostei muito, diga-se desde já, porque as questões sérias e importantes em debate caíram muitas vezes nos ataques pessoais e nos insultos gratuitos, prejudiciais para todos.
Fernando Ruas e Ribau Esteves, presidentes, respectivamente, das Câmaras de Viseu e de Ílhavo, representavam o poder autárquico. Do outro lado da contenda estavam o ministro António Costa e o fiscalista Saldanha Sanches. Este último, acérrimo defensor da ideia de que a corrupção domina as autarquias do nosso País. Moderou, como pôde, a jornalista Fátima Campos Ferreira.
A partir da intervenção de Saldanha Sanches, o debate aqueceu, sem nunca se provar a veracidade das acusações que tem dirigido aos autarcas. Uma coisa é certa: na política, como em todas as profissões, há gente honesta e gente menos honesta.
Sobre as políticas orçamentais que o Governo quer implementar, ficou por demonstar, quer de um lado quer de outro, quem tem razão. No fundo, talvez ambos tenham alguma dose de razões, mas a verdade é que é público o despesismo de muitas autarquias, que gastam sem quaisquer preocupações de evitar o endividamento. A ânsia de mostrar obra feita leva os nossos autarcas a gastarem o que não têm, cultivando a ideia de que quem vier depois que pague as contas.
O Governo deve, realmente, controlar o défice público, mas não pode, à custa disso, exigir o que não cumpre. O Estado gasta de mais e não paga atempadamente aos seus fornecedores. Agora, no esforço de dominar a situação que os Governos anteriores criaram, corta a direito, sem um diálogo consistente e credível que o poder autárquico possa apoiar. Depois, é o que se vê: greves por todos os lados, descontentamento na maioria das autarquias, protestos em todas as frentes.
Ontem, a discussão não conduziu a qualquer solução. Eu, pelo menos, fiquei com a ideia de que o Governo vai impor a seu programa, sem olhar a meios. Que castigue os infractores é aceitável; que promova a solidariedade nacional é importante. Mas também tem de continuar a procurar, pelo diálogo persistente, as melhores soluções para as autarquias poderem lutar pela melhor qualidade de vida das populações mais afastadas dos grandes centros urbanos de Portugal.
Fernando Martins

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO