de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Setembro , 2008, 21:20
Senhora dos Navegantes chega aos cais
Senhora dos Navegantes pronta para a viagem
Procissão pela Ria sai da Cale da Vila


Nós, os da beira-mar e beira-ria, somos assim, no dizer poético do primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro, D. João Evangelista de Lima Vidal: nascemos “na proa de alguma bateira…” e “somos feitos, dos pés à cabeça, de Ria, de barcos, de remos, de redes, de velas, de montinhos de sal e areia, até de naufrágios. Se nos abrissem o peito, encontrariam lá dentro um barquinho à vela, ou então uma bóia ou uma fateixa, ou então a Senhora dos Navegantes".

A festa, de que falei por aqui algumas vezes nos últimos tempos, mostra isso mesmo. Começou no sábado, no Stella Maris, também a celebrar uma data festiva, para lembrar a bênção da primeira pedra do actual edifício-sede, que aconteceu em 18 de Setembro de 1983.
Na homilia da missa de acção de graças, presidida pelo nosso bispo, D. António Francisco, não faltou o momento para a evocação de quantos, ao longo de décadas, contribuíram para que esta instituição fosse, realmente, uma âncora para muitos trabalhadores do mar e suas famílias. Mas D. António soube dizer, com oportunidade, que importa agora alimentar “perspectivas de futuro”, respondendo a outros desafios e avançando por “novos caminhos”, sabendo “remar com os ventos da esperança”.
Hoje, à tarde, a procissão pela ria, com a Senhora dos Navegantes no barco “Jesus nas Oliveiras”, rodeada de gente que se acomodou à sombra da sua bênção, foi um sinal expressivo de fé, graças ao trabalho do Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, que em boa hora levantou do esquecimento esta iniciativa do Padre Miguel Lencastre.
D. António Francisco, com presbíteros e diáconos do arciprestado, associou-se, presidindo à festa da ria, dos marítimos e suas famílias, bem como das gentes da borda d´água, ávidas de algo diferente, que lhes acicate o sentido do divino. Ali vimos irmandades, a Filarmónica Gafanhense, Grupos Folclóricos, autoridades civis e militares e o povo a emoldurarem o ambiente.
Barcos grandes e pequenos, de trabalho e de turismo, e muita gente engalanaram a ria até ao Forte da Barra, passando por São Jacinto que soube, como manda a tradição, honrar Nossa Senhora, com gestos expressivos de devoção à Mãe de Deus, que vela permanentemente por todos os que sulcam as águas dos oceanos e da nossa laguna.
Uma volta pela Meia-Laranja, antes da Senhora dos Navegantes chegar à sua capelinha, no Forte da Barra. A eucaristia, animada pelos grupos etnográficos convidados para a festa, foi outro momento alto.
Na véspera, no Stella Maris, D. António Francisco lembrou que, com Nossa Senhora, aprendemos a chegar a seu Filho Jesus, estabelecendo, com Ele, um verdadeiro diálogo de esperança. E foi isso, decerto, o que aconteceu durante a missa celebrada junto da Senhora dos Navegantes, no Forte da Barra, antes de todos demandarem outras festas.

FM

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds