de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 21 Junho , 2007, 11:59
O religioso e o sagrado
numa sociedade laica


Passei o 10 de Junho em Paris com os nossos emigrantes. A Igreja em França celebrava nesse Domingo a festa litúrgica do Corpo de Deus. A minha ida tinha a ver com o encontro dos portugueses na catedral de Notre Dâme, igreja mãe de Paris. Arcebispo da Diocese, Embaixador de Portugal, padres que trabalham com os portugueses na região parisiense, centenas de nossos compatriotas aos quais pude falar, sobre a liturgia, o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Momento festivo de encontro nacional.
Na manhã desse dia, no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, igreja confiada aos portugueses há já 20 anos, celebrei, com uma multidão de compatriotas, a festa do Corpo de Deus, com procissão pela rua. Famílias, crianças, jovens, gente do norte, centro e sul, cânticos portugueses, ar de festa no templo, na rua e nos rostos, gente às janelas, carros a parar para ver. Tudo com serenidade e normalidade, em Paris de 2007.
Há anos, tivera eu, na cidade cosmopolita de Colónia, Alemanha, a mesma experiência religiosa. Uma procissão mariana, à noite, para a famosa catedral da cidade, com regresso no dia seguinte, à igreja de S. Martinho, de onde se partira de véspera. Respeito total das pessoas que iam na rua, se cruzavam ou estavam nos cafés das esplanadas da cidade, naquela tarde de Domingo via-se o entusiasmo e o fervor das centenas de portugueses emigrantes que participavam no cortejo litúrgico. O cardeal convidou-me para, no dia seguinte, contar aos seus padres mais novos, que nessa manhã de segunda-feira participavam na formação permanente, como tudo tinha acontecido. Pareciam não acreditar. Como tinham os portugueses coragem para tanto?
França e Alemanha são repúblicas laicas, com regime de separação entre a Igreja e o Estado. Nem num, nem noutro país vi qualquer expressão de menos respeito ou enfado por aqueles actos públicos, marcadamente religiosos. E não foi por sermos estrangeiros, mas sim porque eles respeitam e aceitam a diferença.
O Estado laico não tem por que organizar manifestações religiosas, qualquer que seja a igreja de pertença dos cidadãos. Mas, também, não tem por que as dificultar, nem muito menos proibir. Na tarde de Domingo, cruzei-me em Paris com um desfile de milhares de pessoas em patins. A polícia ordenava o trânsito. Tudo normal. Por que não também, com o mesmo direito, um desfile religioso, se for caso de se fazer com dignidade?
A democracia esclarecida, mesmo quando o Estado é laico, respeita os cidadãos, maiorias e minorias. Está ao serviço de todos, não impõe ideologias, não rasga nem esquece a história, não controla as convicções políticas ou religiosas, não dificulta as legítimas expressões, ainda que sejam públicas.
Os cristãos e a Igreja, com as suas diversas instituições, têm de aprender, se ainda o não sabem, a viver em ambientes que, por si, não favorecem, porventura como anos atrás, as expressões religiosas, pessoais ou colectivas. Mas não se devem resignar ante as atitudes antidemocráticas de quem apenas aceita ou legitima o domínio privado e a consciência individual. Viver sem sobranceria nem nostalgia, mas sem medo ou vergonha de manifestar convicções, valores morais e éticos, referências fundamentais da vida, procurando tudo testemunhar, com a convicção da sua validade numa sociedade que caminha para fazer do efémero e do vazio um ideal de vida, é hoje um dever e um direito dos cristãos esclarecidos e convictos.
tags:

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds