de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 21 Março , 2007, 17:48
POEMA 2

A palavra retira-se a silêncio.
Chama-o à sua interioridade
para que fique sendo
um recuo feliz. Ou, talvez, mais que
esse recuo, tempo
de espera, de penúria, de constante
transparência que cai em pensamento
mas sem que o pensamento chegue a frase.
E, mesmo assim, como se vai regendo
a plenitude da penúria. Que age
e se acrescenta pelo campo dentro
onde somente mais penúria se abre.
É então que a palavra recupera isento
o ímpeto da sua vacuidade
e se dispõe a devolvê-lo
em silêncio feliz. E potestade.

Fernando Echevarría
Singeverga, 18 de Março de 2007

::

Leia mais sobre um retiro de poetas,
em "Poeta arrisca-se à conversão católica",
no "Público" de hoje, no caderno P2

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds