de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Maio , 2008, 10:04
De um dia para o outro, a nossa economia mostrou a fragilidade que a sustenta. Mas mostrou também a incapacidade e a falta de visão dos nossos políticos, os que têm a obrigação de procurar as melhores soluções para motivarem os mais diversos agentes da evolução social.
Manuel Alegre, hoje de manhã, disse que a pobreza e as desigualdades no país são um fracasso da nossa democracia e um falhanço das políticas que nos têm governado. Por isso, tem intensificado os protestos e denunciado o que considera errado. Mas a verdade é que ele está lá, no fulcro das questões, na varanda do poder, onde tudo se resolve, com os votos do povo, mas nem sempre a favor do povo.
Se é verdade que a nossa democracia nasceu a acusar os capitalistas de todos os males, também é verdade que hoje temos mais capitalistas e mais ricos, mas também temos mais pobres, daqueles que passam necessidades de toda a ordem. É preciso que se diga porque é que, em pleno século XXI, temos dois milhões de portugueses a passarem fome (20 por cento da população de Portugal), sem que a classe política seja capaz de reconhecer a sua incompetência. Temos, afinal, uma classe política de trazer por casa, isto é, sem nível nenhum. É gente que não sabe o que quer nem sabe o que faz. É uma pobreza franciscana. Até parece que as inteligências do nosso País se esconderam envergonhadas ou fugiram com medo que a casa possa cair. Olhando para quem nos governa, não podemos deixar de ficar desolados e temerosos quanto ao futuro.
A nossa revolução dos cravos, que nasceu sob as bandeiras da democracia, do desenvolvimento e da descolonização, falhou redondamente, quando não foi capaz de criar justiça social, foco de múltiplos conflitos e de um desconsolo enorme. O povo está cansado de ouvir dizer que é preciso apertar o cinto, que corre o risco de cair no desemprego, que Portugal não consegue sair da última carruagem da Europa. É preciso mesmo pensar Portugal. É preciso agir rapidamente, para não acabarmos na praia, com a terra da promissão à vista. Os pobres não podem esperar mais. É urgente cerrar fileiras para combater a pobreza que vai grassando por tudo quanto é sítio.

FM

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds