de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 17:36

O Tempo da Vida

1. É com este tema «O Tempo da Vida – quantos somos, como seremos» que decorrerá nestes próximos dois anos o Fórum Gulbenkian de Saúde (http://www.gulbenkian.pt/). A opção temática elaborada pelo reconhecido neurocirurgião professor João Lobo Antunes, versando sobre a problemática do envelhecimento humano, é extremamente positiva e estimulante. Como se sabe, a preservação da dignidade da pessoa humana na designada “terceira idade” é temática que, de forma crescente, se reveste de uma premente preocupação social. Diante das fragilidades sociais de relacionamentos, das inconsistências ou ausências da família, a comunidade dos irmãos “mais velhos” sofre (ou sofrerá) a solidão que transforma esse tempo de vida em tempo negativo e pessimista, pois que o futuro se apresenta profundamente incerto diante do presente solitário.
2. Esta jornada de dois anos da FCG (Fundação Calouste Gulbenkian) merece toda a visibilidade pública na sociedade portuguesa (e europeia). Não unicamente pelo facto da presença de grandes especialistas mundiais. Mas apresenta-se como “antídoto” de reflexão necessária e urgente para, nas exacerbadas políticas emergentes do pragmatismo e economicismo, não chegarmos às ondas generalistas de “eutanásia” como solução prática para o “mistério (terminal) da vida”. Esse pragmatismo vazio vai alastrando pela Europa, e representa, no fundo, a concepção que afinal se tem da própria vida. Sobre estas e todas as questões do bem comum, “questões de cidadania”, é urgente a reflexão de qualidade deste género para (in)formar as mentes sociais e para iluminar, com o justo e ético discernimento, as decisões no caminho da dignificação humana.
3. Vidas que não se sentem amadas, no passar dos anos e no chegar das “rugas” do tempo, são vidas de pessoas que, diante do sofrimento humano, sentem-se sós. E na desumana faceta “produtora” das sociedades actuais, ao deixarem de produzir correm o perigo de se sentirem (ou serem colocadas) na margem. Este é um dos dramas que cresce, e tanto mais cresce quanto a (bem-vinda) longevidade aumenta mas em que a “presença” fraterna e solidária diminui. Uma vida que é construída nos valores da fraternidade e da família, na cuidada preocupação de “semear” o jardim dos afectos e da amizade, pode acreditar mais na esperança de acolher o carinho, a presença e o conforto, mesmo diante das maiores fronteiras do sofrimento.
4. Como resposta a uma certa “coisificação” actual da vida, a reflexão sobre a qualidade de TODO o tempo da vida, especialmente nas fronteiras do envelhecimento, é mais que uma reflexão, é preparar e oferecer uma luz para o caminho nas horas em que já não dependemos de nós. Há dias alguém estudado dizia que a facha etária que mais está na “margem” social são as gerações mais idosas (já as crianças são sempre mais amparadas…). Reflectir socialmente para actuar solidariamente, seja este um lema de vida com qualidade… Até ao “fim” sereno, natural e pacífico (que é ponte de passagem, numa esperança que deseja vencer a própria matéria. Já hoje…!)

Alexandre Cruz

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO