de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 05 Julho , 2009, 10:56
BACALHAU EM DATAS - 28

Pescadores de bacalhau


O DIA-A-DIA DOS PESCADORES DE BACALHAU


Caríssimo/a:


Manuel Óscar da Rocha Fernandes, “capitão pescador”, publicou, em 1992, uma brochura intitulada “A Ria de Aveiro – Os barcos lagunares e a costa adjacente – A pesca do Bacalhau” e, entre as páginas 23 e 27, escreveu:

«O Dia a dia na Pesca

O dia começava com os "louvados", normalmente às quatro horas da manhã. Eram assim chamados, porque o homem que estava de vigia e encarregado de ir chamar os companheiros para iniciar o dia de trabalho, antigamente, fazia-o cantando com versos, na maioria das vezes de sua autoria, como por exemplo:

"Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo
Filho da Virgem Maria,
Venha um homem para o leme
e dois para a vigia!
São quatro horas,
Padre nosso, Avé Maria! "


Ou ainda estes outros


"Louvado e adorado
seja o Santo Nome de Jesus
que por causa de nós irmãos,
morreu na Cruz!
E morreu para nos salvar!
Ó de baixo, salta para cima
que o de cima está a acabar!
Levantai-vos irmãos meus,
filhos da Virgem Maria
olha quem rende o leme
e os dois para a vigia!
São quatro horas,
vamos ao café!"


De seguida tomavam o pequeno almoço, constituído por peixe frito, café e pão.
Era também essa a composição do lanche que levavam para fora para o resto do dia.
Iam depois receber o isco - lula ou cavala - para iscar as centenas de anzóis que constituem os seus aparelhos de pesca. Antes da existência de frigoríficos, a isca era apanhada pelos próprios pescadores: peixes que apanhavam à zagaia e dos quais aproveitavam as vísceras ou aves marinhas que abundam nas zonas de pesca.
Seguia-se o arriar dos dóris, precedido da tradicional ordem do Capitão, que, de boné na mão, dava início à faina:" Vamos lá à vida com Deus!". Toda a tripulação se descobria e dava-se início ao trabalho.
E lá iam a remos ou à vela para o lado que mais lhes palpitava e experimentando aqui e além com a zagaia até encontrarem indícios de peixe, aí começavam a largar os seus trolleys que se estendiam por algumas centenas de metros.
Após uma permanência na água de uma ou duas horas, começavam a recolha das linhas. Se a pesca era abundante e dava para carregar o bote, vinham a bordo descarregavam e voltavam para acabar de alar o aparelho e novamente lançar as linhas para novo lanço. Pelas cinco ou seis horas, se o tempo estava claro, era içado a bordo do navio, um sinal convencionado com os tripulantes para que regressassem. Se estivesse nevoeiro, a chamada era feita por tiro de canhão e posteriormente por morteiro (foguete) seguido por toques de sereia, que, periodicamente, se sucediam, até que o último homem estivesse à vista do navio.
Uma vez a bordo, e após uma refeição quente, que às quintas e domingos era de carne acompanhada de uma caneca de vinho, dava-se início à escala e salga do pescado (esvisceração e conservação pelo sal).
Ao terminar a escala, que se chegava a prolongar até às primeiras horas da manhã, o moço encarregado de lançar o peixe já escalado e lavado para o porão, tirava o barrete e anunciava o fim do trabalho:
"Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo! Para hoje não há mais e para amanhã Deus dará".
Quase sempre tomavam uma sopa quente antes de se deitarem, normalmente constituída por um caldo de peixe a que chamavam "chora".
Acontecia por vezes, que, devido aos fundos pedregosos ou correntes de água, o pescador perdia o aparelho ou o ensarilhava. Acabado o serviço de peixe, em vez de se ir deitar, ia tratar de repor as linhas perdidas ou clarificar o aparelho ensarilhado, para na maré seguinte estar apto para poder voltar ao trabalho.
Perdia o descanso, que por via de regra não ia além de quatro ou cinco horas, ou excepcionalmente seis, quando o número de dias de pesca consecutivos abundante era considerável. Só nos dia de "brisa" (mau tempo que não permiti a pesca) é que se aproveitava para pôr o descanso em dia.»

Traçado o plano geral, busquemos alguns pormenores, para isso lendo, um que outro parágrafo, das páginas 32 a 34, do livro várias vezes citado “Histórias Desconhecidas dos Grandes Trabalhadores do Mar”:


«...A bordo, a água, elemento essencial da vida, depressa ficava choca, turva ou da cor acastanhada, com sabor e cheiro nauseabundo, após várias semanas em contacto com a madeira dos barris. Mas, mesmo nestas condições degradantes, não se pense que era gasta à discrição. O seu racionamento era rigorosamente controlado - uma caneca por dia a cada homem - e no final do dia de trabalho, depois de se lavarem com água do mar, essa sim, em abundância, havia então uma pequena tina com água e creolina, onde todos passavam as mãos e os pulsos, como protecção contra a furunculose e desinfecção de úlceras e ferimentos.
A doença era um luxo que não se podia permitir, o que levava estes homens a trabalharem até à exaustão, até ao limite supremo das suas forças; só quando caíam esvaídos se dava algum crédito aos seus queixumes, por norma sempre encarados como possível manha, invariavelmente seguidos de reprimenda áspera do chefe.
...
Mas não ficavam por aqui as agruras destes homens! Eles viam-se ainda confrontados com infecções resultantes de ferimentos acidentais, cortes feitos nas cascas dos búzios que aproveitavam para isca, espetadelas em anzóis infectados ou espinhas. E vinham os terríveis penaríssios, que na melhor das hipóteses, após longos dias de atroz sofrimento, lhes deixavam os dedos aleijados. Para as espetadelas a solução era a cauterização da ferida com um arame em brasa, metido bruscamente pela carne dentro, tratamento que nem todos suportavam, ou quando a ele acabavam por se sujeitar, era demasiado tarde. Então, a morte vinha numa agonia lenta e horrorosa, de sofrimento indescritível, reclamar o seu quinhão de vidas.
Era esta a situação trágica de todos os pescadores, ...durante tantos meses separados do mundo dos vivos, sem notícias da família, esta também sem saber se o marido ou pai estava ainda vivo. E para o luto, que todos os anos visitava várias famílias, a data era sempre a da chegada ao porto de armamento, quando ao fazer-se a contagem dos tripulantes, à medida que iam saindo do navio, alguns não apareciam. »

Do poço sem fundo que é a vida de cada um dos nossos pescadores do bacalhau quase nada se disse ... e o espaço vai já longo.
Espreitemos por entre névoas, nevoeiros, gelos e temporais. Ajoelhemos diante dos seus dramas.
Caia sentida a nossa lágrima ao folhear as páginas dilaceradas e sangrentas desta tragédia ainda por escrever.

Manuel

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO