de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 07 Março , 2007, 19:10

Modernidade e conservadorismo,
direitas e esquerdas

Um dos direitos assumidos pelo laicismo no campo da política é ter tornado esta uma instância sem apelo, com o direito de se assumir como a mais lúcida classificadora da realidade social. Fá-lo à revelia da sua missão de um serviço a todos, construindo muros que dificultam a comunicação entre eles e abrindo valas que tornam difícil uma expressão livre de pluralismo e de uma legítima diversidade de critérios e valores.
Desta frenética actividade classificativa surgiu a nomenclatura de direitas e de esquerdas, acantonando-se pessoas e instituições nestes redutos arbitrários. Dada a matrícula original do laicismo, a Igreja foi arrumada nas direitas, também apodadas de conservadoras. Progressivo, aberto, moderno têm lugar cativo no palco das esquerdas.
Foi, assim, sintomática a reacção eufórica do primeiro-ministro, na noite em que se contaram os votos do referendo, ao proclamar que “Portugal opta entre a modernidade e o conservadorismo”. A apoiar as palavras do chefe, surgiram declarações em catadupa: a Igreja foi a grande derrotada, a sua influência no povo português tinha terminado, o norte conservador votara “não” e o sul progressista votara “sim”… Algumas destas afirmações, por descabidas, tiveram que se engolir logo no dia seguinte. Não faltaram comentadores de renome, serenos e lúcidos, a mostrar como emoções não são sempre razões. Ninguém da Igreja se defendera. Desta, só alguém insofrido não consegue conter-se e as afirmações feitas não justificavam nem comentários, nem resposta.
A Igreja, com maior sabedoria do tempo e mais reflexão com conteúdo, nunca alinhou e ainda menos usou a classificação de direitas e esquerdas, típicas dos partidos políticos, que, à falta de ideias que os identifiquem, vão-se arrumando em espaços anódinos. Cores não traduzem valores, e até se descoloram quando os espaços conquistados não são respeitados e a identificação de cada um se torna tarefa inconsistente, dúbia e atrevida.Se esquerda quer dizer abertura ao social e não só, vemos em partidos, ditos de esquerda, atitudes e posições reaccionárias, que pararam no tempo, e já só sustentadas por mentes encarquilhadas. Se esquerda quer dizer ajuda séria a pessoas em dificuldade, esta ajuda aparece mais vezes de circunstância e de favor e a cobrar créditos, que gesto de motivada e bem explicada solidariedade. Se por esquerda se entende abertura a caminhos novos, por onde se pode caminhar agora e no futuro, não faltam, vindos dessas bandas, atalhos mal amanhados, a servir para o cortejo festivo de notáveis, que nunca mais voltarão a passar por aí, porque a lama disfarçada num dia, continua lá, e gente importante e instalada em interesses não suja, de bom grado, os pés na lama.
Nada mais inconsistente que a classificação arbitrária de direitas e esquerdas, de modernos e conservadores. A Igreja, porque é para todos e, apesar dos limites e falhas dos seus membros, ontem e hoje, sabe naquilo que acredita e o que defende, não se dobra a conveniências pagas com emoções nem a ameaças, nem teme os epítetos que lhe atiram para cima, destituídos de cola e que depressa caem envergonhados.
Quem quiser servir a comunidade e não os seus interesses pessoais, partidários e de grupo, tem de respeitar, acolher, integrar no conjunto, pessoas, valores, formas de participação legítima. Tem de se esclarecer culturalmente. De contrário, faz apenas de pirotécnico de fogo de vista, em arraial nocturno e concorrido. Os atrasos de que padecemos têm, na sua causa, muitos culpados, por acção e omissão. Porque não é nem será de direita ou de esquerda, a Igreja não se furta aos juízos da história. Nem sempre soube aproveitar o terreno aberto, tendo à mão boa semente. Mas reconhece-o, di-lo e procura caminhos de conversão. Coisa que os políticos, mormente os do poder, sempre com razão, impolutos e infalíveis, jamais andarão por caminhos de pecadores.

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO