de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 17 Setembro , 2008, 14:12

A FALÊNCIA ESTÁ AÍ!


Já por diversas ocasiões, tenho feito referências, nomeadamente neste blogue, à necessidade de uma nova arquitectura internacional, capaz de garantir a satisfação dos mais elementares direitos humanos como, por exemplo, o direito à alimentação diária, de todas as pessoas, ao mesmo tempo que dê um impulso decisivo à resolução dos gravíssimos problemas mundiais que, há décadas, se encontram por resolver pela comunidade internacional, através de acções concretas das suas instituições.
Diz o provérbio que “não há pior cego do que aquele que não quer ver”, ou seja, a sociedade internacional tem sobre si toda uma série de dados, indicadores, avisos e ameaças concretas, que já ninguém pode disfarçar como não existentes ou, então, minimizar como não prioritários e importantes na sua resolução.
Há poucos meses, quem é que imaginava, a nível do pacato cidadão dos chamados países desenvolvidos, nos quais se inclui Portugal, que a questão da escassez de alimentos ou dos seus brutais aumentos, começasse a colocar-se como uma ameaça séria, para os próprios países desenvolvidos, nestes primeiros anos do século XXI?
Já não bastavam os gravíssimos problemas, que se arrastam, indefinidamente, no tempo, relativos à falta, sistemática, de alimentos suficientes para alimentar tantas populações do continente africano, entre outros, cuja resolução está longe de se encontrar num estado satisfatório, como ainda se (re)confirma que a lógica de pôr um novo problema em cima de um ainda não resolvido persiste e não tem tendência para ficar por aqui. A chamada crise financeira internacional está aí a demonstrá-lo, inequivocamente!
Em linguagem empresarial, a conclusão óbvia a reter é que a arquitectura internacional, em vigor, está falida e, como qualquer empresa falida, deve dar o seu lugar a outras, capazes de se adaptarem às novas realidades, aos novos tempos e com novos protagonistas. Quando se fala em novos conceitos de inovação, aprendizagem permanente, globalização, reestruturação constante, investigação aplicada, adaptação às novas realidades e de muito mais que se queira acrescentar à lista, fica a ideia de que tudo isto é para aplicar a seres de outras galáxias e não a toda uma série de organismos internacionais que mais parecem viver ainda no tempo em que foram criados.
A ONU (1945), a Organização Mundial de Comércio (1994), o Fundo Monetário Internacional (1945) ou o Banco Mundial (1944) são exemplos de organismos parados no tempo ou amarrados a poderosos interesses que os impedem de se reformularem e com eles a sociedade e o que dela imana.
Não está em causa a existência destas instituições – cada vez mais necessárias –, mas sim a forma como insistem em se manterem num mundo que já nada tem a ver com as realidades e os contextos em que foram e para que foram criadas.
Estamos, pois, perante, uma série de crises estruturais, das quais a do sistema financeiro norte-americano é a mais recente, que já não se resolvem com as duvidosas receitas de antigamente, tão de agrado de alguns.
O não criar condições para a existência de um comércio mundial livre e justo, o não reestruturar toda a economia mundial, para que a riqueza seja melhor distribuída por todo o planeta, o querer lucros desmesurados e a qualquer preço, a falta de regulação e regulamentação dos mercados, entre outras causas que podiam ser, aqui, referidas, são alguns dos obstáculos que estão a impedir um progresso e um desenvolvimento sustentado e partilhado por todos, que garanta a paz, preserve o ambiente e dignifique o homem.
Se os principais dirigentes mundiais, designadamente os políticos e economistas, persistirem em fazer que não percebem esta nova realidade e a não querer ver os múltiplos desafios – e oportunidades – que ela comporta em si mesmo, para o presente e o futuro do mundo, é porque continuam a insistir em por remendos num pano gasto e roto, cuja factura acaba, como sempre tem sucedido, por ser paga pelo cidadão comum, que em nada contribuiu para que se atingisse este estado caótico e imprevisível.

Vítor Amorim

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO