de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Junho , 2008, 13:52

Muitos políticos, felizmente que não todos, têm, por vezes, raciocínios sobre a vida social e política, que não saem das baias estabelecidas pelos seus partidos. Nota-se, assim, a falta de horizontes mais largos e profundos e alguma prisão interior que não os deixa ser livres, nem expressar-se livremente. A disciplina de voto passa muitas vezes a ser, também, disciplina de pensamento e de opinião. Quando se sonham ou esperam favores, não se ousa dissentir dos que mandam ou influenciam as decisões, ou ir mais longe nas opiniões pensadas e reflectidas. É perigoso sair do estabelecido, se não se tem estofo para aguentar consequências, que podem ser fatais para quem sonha. O terreno da política partidária está, frequentemente, armadilhado e com percalços inesperados.
Gostava, e é legítimo esperá-lo, de ver gente com lugar na Assembleia da República, em postos de governação ou em estruturas políticas e administrativas, ser livre no seu pensamento e não se sentir acorrentado por interesses pessoais ou outros de qualquer ordem. Ponderar as próprias opiniões deve ser uma coisa normal, à luz das exigências do bem comum, da convivência sadia e do serviço à comunidade, sob a inspiração de postulados democráticos, princípios fundamentais e valores universais, como a subsidiariedade, a solidariedade, o respeito pelos outros, a intimidade e a interioridade pessoal, a liberdade de consciência, princípios e valores sempre enriquecedores, quando bem entendidos e respeitados.
Há chavões que passam na política de pais a filhos, ou seja, de veteranos a novatos, sobre os quais já não se perde tempo a reflectir. Afirma-se, e pronto. Uma pobreza ainda generalizada. As ideologias perderam cor e vigor, nivelaram-se ou construíram muros inacessíveis de incomunicação e as pessoas vivem de interesses.
Raciocinar à superfície é raciocinar de modo pobre, interessado e não gratuito. O medo de ir mais longe, descobrir novos horizontes de vida, aceitar confrontos é, para muita gente, uma fuga à verdade e à realidade, e um aconchegar-se no ninho. Só a verdade liberta, só a verdade é fundamento da liberdade interior, só ela tem futuro.
Um dos aspectos mais comuns na pobreza do raciocínio e dos confrontos, normais e necessários para um enriquecimento mútuo, vê-se na confusão entre governo e Estado, fazendo-se do primeiro o senhor e dono das pessoas e dos seus bens, dono de tudo como Estado providência. As iniciativas privadas e as ideias dos outros nunca são boas porque diminuem ou beliscam o poder e a missão de um tal Estado. Basta reflectir um pouco, libertos da cegueira dos preconceitos, para logo se ver a pobreza em que se foi caindo.
Esta reflexão, sempre incómoda porque a realidade a isso leva e nunca é agradável tocar feridas ocultas, veio-me agora ao de cima, quando li num diário (DA, 26.5.08) artigo assinado por um deputado em exercício com este título: “Mais e melhor escola pública, sim. Privatização, não”. Se o signatário se despisse do preconceito partidário, o raciocínio seria mais aberto e objectivo e teria uma dimensão de serviço ao país, para além do pendor partidário. Quem é que não deseja uma melhor escola pública? O mal, a meu ver e como parece evidente, está em dizer “mais e melhor escola pública”, porque, então, cai-se no facciosismo de pensar que só o que é estatal é que é público. Será que o signatário está mesmo convencido? É o raciocínio, fascista e totalitário, do “único” e do “nós”, que nega valor à participação democrática plural, porque só vê inimigos nos que não pensam segundo o sistema. Assim não vamos longe. Os partidos políticos passam e, quando estão, têm de aceitar o jogo democrático aberto. De contrário, anulam tudo à sua volta que não seja concordância acrítica com o dito e o decidido. Pensamento pobre é pobreza de decisão. Já todos vimos que calar os dissidentes é empobrecer o país. A diferença é riqueza a acolher e a aproveitar, se o respeito pelos outros ainda tem lugar.


António Marcelino
tags:

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO