de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 10:20


AI A COR, A COR!...

Caríssimo/a:

Brincar, jogar, viver a vida e aproveitar tudo o que de bom a Natureza nos oferecia para crescer. Assim era quando a correr nos atirávamo à água com o nosso “barco”. Tudo nos servia para as nossas corridas e regatas: bacias, alguidares, gamelas, pneus de camionetas, grandes troncos. E como nós nos esticávamos da ponte da Cambeia à entrada do Esteiro Grande, se éramos dos grandes; porque os mais pequenotes contentavam-se com as águas mais calmas do Esteiro Pequeno. Com remos ou com as mãos, lá havia um que chegava à meta e muitos riam e folgavam com a água que os 'afundou'.
Quando apareceu uma 'jangada', a festa foi de arromba – agora, além dos mergulhos, ouviam-se os berros do “arrais-construtor” que via a sua obra desmantelar-se e também só lhe restava mergulhar e deixar-se ir com a corrente...
Grande animação, muita sementeira de amizade e de saudade.

Nesses tempos, outros barcos os homens governavam e dispunham ao longo da Ria, junto das secas. Paisagem de postal vivo e com pujança.
Mudaram-se as correntes. Que é dos barcos? E dos homens que os governavam?
Outros barcos vão surgindo; outros lemes traçam rotas alternativas; os sonhos vão e vêm...

Porém, e foi destes que parti, outros há que levantam o ferro, recolhem as amarras, fazem-se aos ventos e às marés mas nunca encontram o farol; seja, talvez alguns dos barcos cheguem mas deixando, espalhados pelo sal das ondas do mar, os sonhos que os olhos povoavam na hora da despedida. E quantos acompanharam os restos dos barcos? E dos que conseguiram a bóia quantos saltaram para bom bordo? E o que dói, mas dói a valer, é vermos que a cor marca a diferença, tal como há quinhentos anos; ou há sessenta em que a raça traçava a fronteira da vida...
Quase apetece perguntar ainda e uma outra vez: E tu Senhor a dormir e a permitir tal horror!?
Não, não respondas, custa-nos voltar a ouvir: Tu, sim tu, que fizeste ao teu irmão? Onde está o Abel?

Manuel


Anónimo a 17 de Outubro de 2006 às 23:39
É tão bonito recordar a nossa meninice. Obrigado Manuel pelas suas histórias da infância.

João C. Abrantes, do Brasil

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO