de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 23 Junho , 2008, 15:32

A maior herança


1. A maior herança serão sempre os valores e não as coisas. Com valores que dão sentido à vida e com princípios que nos façam vivermos em paz no caminho comum, constrói-se uma vida feliz. Assim, o decisivo da vida depende do profundo do ser, interior humano, e nunca daquilo que exteriormente pode hoje ser tudo mas amanhã não ser nada. Antigamente dizia-se que a melhor herança eram as terras, depois passou a ser o curso. Acrescente-se que o determinante mesmo, e cada vez mais nos dias que correm, são os valores humanos que fazem persistir a pessoa no cultivar dos ideais mais elevados. Com valores, com persistência e polivalência, pode-se construir o edifício belo da vida; já com coisas, mesmo que herdadas, mas sem valores, toda essa construção corre o perigo de ruir, pois que não tem os alicerces de sustentabilidade humana que são os valores profundos que iluminam as sábias atitudes e opções.
2. No meio de todas as heranças, a cultura clássica e judeo-cristã são esse património de valores que foram edificando, mesmo que à “revelia”, modos de vida em sociedade, fraternidade, justiça, paz e democracia. Talvez no nosso tempo de globalização, em que todas as convicções e certezas entram em questionamento (num certo sentido bem vindo como “prova dos 9” da sua própria autenticidade), é mesmo importante ir à fonte da nossa maior herança: a cultura clássica que ergueu o humanismo cristão, na aprendizagem das múltiplas faces da liberdade e da tolerância que permita o reconhecimento das diversidades. Renegar a história é apagar-se no tempo. Aprofundar a nossa própria identidade de que somos herdeiros, e ler nela o que foi “salto” impulsivo, acolhedor e abrangente, será perscrutar os tempos das novas recepções transculturais que estão aí. O fechamento de fronteiras será a asfixia; o não pensar permeável a tudo o que vier, será anulação própria. O futuro precisa do pensamento humano…
3. Vem esta reflexão a propósito do reconhecimento prestado à maior investigadora portuguesa dos estudos clássicos, a Professora Maria Helena da Rocha Pereira. Há breves dias, pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, foi-lhe atribuído o Prémio Padre Manuel Antunes. Sabiamente, o reconhecimento visou destacar a «importância dos Estudos Clássicos numa sociedade cada vez mais refém da tecnologia». É pertinente e, olhando as mais novas gerações tecnológicas, surge como sinal de grande interpelação, pois a humanização da sociedade assim o reclama e o próprio sentido de humanidade dos humanos fará com que se sublinhem os valores subjacentes à triunfante vida científica e tecnológica. Não está em causa o prescindir das novas forma de conhecimento científico, mas trata-se de apontar-lhes uma finalidade última que seja o sentido de humanidade. Se se rejeitar a herança clássica, que edificou o designado mundo ocidental, este andará na crise à deriva, como barco perdido no meio do mar. Os pensadores da cultura clássica precisam de ser (mais) ouvidos!

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO