de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 13 Janeiro , 2010, 12:34


«Alguém tinha de ser Sophia. Foi a Sophia»


Alberto Vaz da Silva foi o responsável pela Evocação de Sophia, tornando mais público a sua amizade e profunda admiração pela poeta maior da nossa geração. Juntou ao que escreveu, a partir de vivências e cumplicidades, no meio de silêncios e viagens, comungando emoções, escritos de Maria Velho da Costa e José Tolentino Mendonça.
Maria Velho da Costa assina um prefácio que é um poema de evocações enredadas em diálogos e saudades. «Falávamos na noite, no alpendre quase morno, sem tom nem som. Nenhuma das duas era desesperadamente musical. Não havia música nem nos fazia preciso. Falávamos mais de todos do que de tudo; do tudo eram a arte e a poesia — nem política, nem mundos a mudar.»
José Tolentino Mendonça, no posfácio, fala da «evocação intensa, dilectíssima e discreta» como Alberto Vaz da Silva se abeira de Sophia, apoiando-se na visão inaugural de um jardim E mais adiante diz que «Este é, se quisermos, um livro sobre jardins. Os que nos precedem, os que formam sem sabermos a nossa alma e os seus declives, os que silenciosamente se avistam nas várias formas de grafia, desde aquela que cintila na vastidão silenciosa dos céus (e que também nos pertence), à nossa grafia íntima, feita de arranhões, de registos digitais, de textos, crateras».
Alberto Vaz da Silva quis assinalar, com esta publicação, o terceiro aniversário da morte de Sophia. Seguiu, religiosamente, as passadas da poeta nos caminhos da sua vida desde menina. Recordações e poesia que brotam sem hora marcada, em qualquer canto, estão neste livro. Mas também há registos de viagens, conversas familiares, reflexões e militância política que a levaram a cantar hinos à liberdade sonhada e vivida. E a sua obsessão pelo mar tão presente no seu espírito e nos seus poemas.

«O sol rente ao mar te acordará no intenso azul
Subirás devagar como os ressuscitados
Terás recuperado o teu selo a tua sabedoria inicial
Emergirás confirmada e reunida
Espantada e jovem como as estátuas arcaicas
Com os gestos enrolados ainda nas dobras do seu manto»

In Geografia

Termina assim Alberto Vaz da Silva «Alguém tinha de ser Sophia. Foi a Sophia».

E ainda

«Assim pudesse o tempo regressar
Recomeçarmos sempre como o mar!»


In Musa


Fernando Martins

tags:

mais sobre mim
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO