de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Novembro , 2009, 13:53
LIDAR COM AS CRIANÇAS
CONSTITUI UM DESAFIO

Lidar com as crianças, no seu dia-a-dia, constitui um desafio! À paciência, à tolerância, à capacidade de se desdobrar em mil e uma tarefas, que preenchem a actividade dum professor.
Muito se tem escrito sobre os direitos que as assistem, sobre a protecção que a sociedade lhes deve, mas pelo mundo fora, ainda se depara com muita injustiça, maus-tratos, negligência. Em alguns países africanos, subdesenvolvidos, ainda persiste a exploração da mão-de-obra infantil, em trabalhos árduos que não estão de modo nenhum de acordo com a fragilidade dos protagonistas.
Por esse mundo fora constata-se uma discrepância entre os direitos/regalias de algumas crianças, que têm tudo a seu favor, brinquedos, alimentação, boas escolas, cuidados de saúde primários e outras que sofrem no corpo e na alma as agruras de um destino cruel.
Nos países em guerra em que tudo escasseia, alimentos, apoio sanitário e até familiar, depara-se com a subnutrição das pobres criancinhas. As imagens chocantes que circulam na net, são disso clara evidência. Nos países desenvolvidos, começa a tomar forma, cada vez com mais visibilidade, o resultado dos excessos alimentares, traduzidos na obesidade infantil. Os eternos desequilíbrios da civilização.
Para quem contacta com esta realidade - a infância, há décadas, vêm à memória episódios pitorescos que trazem um certo colorido a estes dias cinzentos que teimam em ficar.
Um dia, numa das várias escolas por onde passei, havia um aluno, homónimo do grande português que transpôs o Cabo Bojador, Gil Eanes. Tal como o famoso navegador, também este Gil era aventureiro e tinha nas veias o apelo do mar, quase ali a bater-lhe à porta. Era uma criança irrequieta, viva e dócil ao mesmo tempo.
Um dia, numa aula de Português, em que a professora se ocupava a explicar um qualquer assunto, foi-se apercebendo que aquele aluno denotava uma agitação fora do habitual. Sentado na primeira fila, mesmo em frente ao quadro e à professora, apresentava um comportamento estranho! Ora se ria baixinho, ora cochichava com os colegas. A mestra continuava empenhada na explicação, exposição da matéria. O Gil, com aquela carita de bolacha Maria, não parava de se contorcer na carteira.
Sem se conter mais, pergunta-lhe a professora:
Diz lá, Gil, o que se passa! Porque estás tão agitado? Desembucha, rapaz!
Muito envergonhado, comprometido, depois de muito instado a falar, lá atira o aluno, a custo:
É que... é que...
Diz, Gil, avança! - Diz a professora.
É que... a professora tem a mola aberta!
Depois de reposta a “decência” no seu vestuário, um sorriso beatífico inundou o rosto da professora que a muito custo se conteve para não explodir numa gargalhada estrepitosa.
Aqueles malandrecos não deixam passar nada, nem um simples mas desestabilizador esquecimento!

M.ª Donzília Almeida

tags:

mais sobre mim
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


24



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO