de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 15 Maio , 2008, 09:02

Entre a fome, a cana e o peixe, o que decidir?

O presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, defendeu, recentemente, a extinção da Organização Para a Agricultura e Alimentação – FAO – das Nações Unidas, classificando esta Organização Internacional como um “desperdício de dinheiro”, sustentando que a actual crise alimentar mundial prova o “fracasso” desta Agência da ONU.
Num discurso transmitido pela televisão e rádio públicas do Senegal, o presidente Wade referiu-se à FAO como “um buraco sem fundo”, que gasta “a maioria do seu dinheiro no seu próprio funcionamento e com poucas operações eficazes no terreno.
A subida do preço dos bens essenciais a nível mundial “é, em larga medida, um fracasso seu”, afirmou durante o seu discurso.
Com quase 82 anos, Abdoulaye Wade foi eleito Presidente do Senegal no ano 2000 e reeleito, no ano de 2007, para um segundo e último mandato.
Sendo muito considerado no seio da Comunidade Internacional, internamente a oposição acusa-o de abuso de poder e de não respeitar os direitos humanos.
Já há vários anos, Wade defendeu que a sede da FAO passa-se da cidade Roma para um país africano, não só pelo simbolismo que isso representava, mas pelo incremento que daria ao desenvolvimento agrícola em África.
O Senegal é um país muito dependente das importações de géneros alimentares e Abdoulaye Wade propõe uma política internacional que aposte em tornar mais auto-suficientes os países mais pobres de África e não a manutenção de uma política de “caridade”, como lhe chamou, que já está desactualizada e os torna ainda mais frágeis.
O Presidente senegalês sugere que esta tarefa continue a ser atribuída à ONU, mas através do Fundo Internacional Para o Desenvolvimento Agrícola, tendo como prioridades “o investimento inovador da agricultura”, em África, através do financiamento ou apoio aos camponeses, para compra de sementes, fertilizantes e o desenvolvimento de técnicas de irrigação.
Independentemente de outras considerações, que sempre podem ser feitas, as palavras do Presidente Abdoulaye Wade não deixam de colocar algumas questões importantes, comentadas, desde há muito, na cena internacional, nomeadamente os avultados gastos que algumas organizações internacionais fazem para a sua própria existência.
Acontece, frequentemente, que do dinheiro atribuído para determinadas missões humanitárias, a maior fatia deste vai para gastos em ordenados, viagens, apoio logístico e administrativo, pelo que a verba que fica disponível, para o fim em causa, por vezes, não chega a 50%, da ajuda inicialmente disponibilizada.
A questão relativa a tornar a agricultura africana numa agricultura de ”auto-suficiência”, faz-me recordar o velho provérbio chinês que diz “se vires um pobre com fome não lhe dês um peixe, mas ensina-o a pescar.”
No entanto, é muito discutível que a Europa tenha, por regra, este comportamento, e, não raras vezes, é acusada, ao que parece com razão, de proteccionismo, em desfavor dos produtos agrícolas africanos, acusação, aliás, reafirmada na Cimeira EU-África, realizada em Lisboa, em Dezembro de 2007.
Vivemos num mundo complexo, em que os interesses de uns nem sempre tem como objectivo, infelizmente, o bem comum. Contudo, estar consciente que estes conflitos existem é a melhor forma que se pode ter para melhor os compreender e ajudar na sua resolução.

Vítor Amorim

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds