de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Abril , 2008, 10:58

Neste passado domingo, dia 6, o tempo estava primaveril e eu e a minha mulher, com mais quatro casais amigos, decidimos desfrutar da tarde, amena, com um piquenique à mistura, conversando das coisas correntes da vida de cada um.
A dada altura, o Jorge refere que o calor que se faz sentir é de mais para a época do ano e que vai fazer mal a algumas culturas que tem no seu quintal.
- A continuar assim, amanhã, já vou ter que ir regar e não me convinha nada, pois estou cheio de trabalho. Pode ser que chova, amanhã – acrescentou.
O Luís, adianta que se prevê, a partir de segunda-feira, chuva, coisa de que ele não gosta muito, mas que para o Jorge era um bom sinal.
- Isso é mesmo verdade? – questiona, pouco convencido, o Jorge.
O Balseiro, disse que tinha combinado, para o dia seguinte, ter lá em casa um empreiteiro, para umas pequenas obras de reparação de um beiral dos arrumos e, se chovesse, teria que cancelar tudo.
O Paulo, o único agnóstico do grupo, juntamente com a sua esposa, culto, sadio provocador em questões religiosas, mas com uma grande dimensão espiritual e de generosidade, vira-se para mim, a sorrir, e diz-me:
- Vítor, lá tens que falar com o teu Deus para ver se Ele consegue safar o pessoal todo!
Virado para o Paulo, mas com todo o grupo a ouvir, disse-lhe que na Igreja Católica não temos deuses feitos por medida nem ao gosto dos crentes. Há um Deus único, que nos ama a todos, que não faz distinções entre homens e dá a estes plena liberdade para optarem pelas acções que melhor acharem para a sua vida e muito menos é um gestor de interesses particulares.
Desiludam-se se acham que o Paulo ficou calado. Não, não ficou. Não é hábito nele.
Como o Paulo é um homem culto e sabedor, começou a falar de toda uma série de práticas que, segundo ele, são correntes na Igreja Católica, como sejam as promessas do tipo “dás-me aquilo e eu dou-te isto”, passando pelos vários humores que temos, enquanto cristãos, na nossa relação pessoal com Deus, indo buscar exemplos do género: “Se a vida vos corre bem, Deus é bom. Se a vida vos corre mal perguntam que mal fizeram a Deus para serem castigados, logo Deus é mau, e isso é decidido por vós.”
Pouco depois, a conversa terminou e a comida e as bebidas, descontraidamente, chamavam por nós, o que muito nos confortou para o convívio poder continuar.
Uma conversa, banal e fortuita, sobre o estado do tempo e as expectativas que cada um tinha sobre o mesmo, para dia seguinte, de acordo com as suas necessidades, revelava até que ponto somos frágeis na nossa fé e nos esquecemos do Criador.
Entre o sol para uns e a chuva para outros, senti que se caminhava, ali, naquela hora, mais depressa para a manipulação de Deus do que para a compreensão do semelhante.
As dificuldades que os homens sentem em adaptarem-se a Deus são imensas, pelo que, alguns, estão sempre prontos a tentar ver se Ele se adapta a eles, mesmo não o pensando. A tentação é grande e só não o sabe quem ainda não a experimentou.
Durante alguns minutos, só se ouvia a minha voz e a do Paulo. Nem ele nem eu chegámos a saber o que o restante grupo pensava.
“Não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã já terá as suas preocupações. Bem basta a cada dia o seu trabalho” (cf.: Mt 6,34).
Seria nisto que o restante grupo estava a pensar? E nós, no que pensamos?

Vítor Amorim
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO