de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 02 Setembro , 2007, 12:07

A CATEDRAL DA LAREIRA

Na Catedral da Lareira
há chamas ajoelhadas,
erguendo as mãos da fogueira,
esguias como as espadas.

São poentes os vitrais…
Ardem pinheiros… Perfume…
As chamas rezam missais
com letras feitas de lume

Quero rezar com vocês!...
Ó Sol! Senhor português,
escuta o meu sonho, atende-o…

Vem ensinar-me a rezar
– tu que és o brando luar,
e a flor, o fruto, e o Incêndio…

José Gomes Ferreira




Nota: Um livro de José Gomes Ferreira, LONGE, perdido na estante, e que me veio à mão, há dias, levou-me a pensar como a memória é curta, tantas vezes. José Gomes Ferreira é um poeta que, durante muito tempo, foi bastante falado. Hoje está simplesmente esquecido. Como ele, muitos outros, que foram, e são, grandes poetas.
LONGE foi publicado em 1921. A segunda edição, que possuo, veio a lume em 1927, quando o poeta, na altura, era Consul de Portugal na Noruega, como o atesta um seu cartão, com dedicatória a Alfredo Brochado.

Anónimo a 4 de Setembro de 2007 às 23:15
Foi muito feliz em recordar um poeta de quem já ninguém fala

Boa ideia

Manuel Ferreira

ALMARIADA a 6 de Junho de 2008 às 17:43
Não, desculpe discordar, mas o José Gomes Ferreira não está nada esquecido! ;) Há imensos poemas dele na net! ;)

mais sobre mim
Setembro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO