de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 27 Março , 2010, 16:15

 

Primeiro-ministro e ministro das Obras Públicas

 

3.º Dia da Criação

 

 

«30 anos a pensar e 30 meses a concretizar» é uma boa síntese para enquadrar a importância da ligação ferroviária ao Porto de Aveiro, no dizer do primeiro-ministro. No final da viagem feita de comboio, desde a plataforma multimodal de Cacia até à área portuária, na Gafanha da Nazaré, José Sócrates afirmou que «quem deixa de investir perde o futuro e não está no mundo», enquanto garantiu que «o investimento público contribui para o dinamismo da nossa economia». Aliás, referiu que «um pouco por todo o mundo os Estados estão a fazer esforços nesse sentido».

«Investir nos portos é determinante nas economias modernas», para apoiar as exportações, disse. «Se nós queremos exportar mais temos que ter portos com mais competitividade, para oferecer às empresas melhores condições», sublinhou o primeiro-ministro. Mais ligadas ao Centro e Norte da Europa, poderão criar mais «dinamismo económico». Informou, entretanto, que os cinco maiores portos portugueses passam a estar ligados á rede ferroviária nacional.

Para o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, «se dez anos é muito tempo, 30 anos é muitíssimo tempo» para levar por diante um projecto destas dimensões, tão necessário  para a região e para o país.

 

 

 

 

 

Agradeceu aos lutadores e aos obreiros pelo trabalho desenvolvido, louvando o significado do «cumprimentos dos compromissos assumidos», tendo frisado as capacidades do município de Ílhavo.

Ribau Esteves adiantou ao primeiro-ministro que o projecto da Marina da Barra, reformulado, vai ser apresentado novamente, esperando-se a sua aprovação, já que esta marina vai ser um factor de desenvolvimento turístico, com enquadramento da área portuária. Ainda sublinhou a inoportunidade das portagens pagas, de que se fala, nos acessos às praias.

O autarca ilhavense não perdeu a oportunidade de recordar a José Sócrates que importa trabalhar com alegria e determinação, sem alimentar «as telenovelas venezuelanas».

O presidente da APA (Administração do Porto de Aveiro), José Luís Cacho, considerou que estas inaugurações culminam projectos de décadas. E se há 200 anos, Luís Gomes de Carvalho, em carta dirigida ao Rei, radicado no Brasil por força das Invasões Francesas, considerou a abertura da Barra como o 2.º Dia da Criação, então hoje, esta festa, representará para a região e para o país, naturalmente, o 3.º Dia da Criação, tal é a sua mais-valia para o desenvolvimento económico e social.

José Luís Cacho disse, ainda,  que a APA vai continuar a apostar na modernização  do Porto de Aveiro, para mais e melhor ajudar as empresas da região.

FM

 


Editado por Fernando Martins | Sábado, 27 Março , 2010, 10:14

A pedofilia na Igreja Católica

 

Anselmo Borges

 

 

 

 

Na semana passada, fui abordado por vários jornalistas sobre a calamidade dos padres pedófilos. Que achava? A resposta saía espontânea: "Uma vergonha." Aliás, no sábado, apareceu, finalmente, a Carta do Papa, na qual manifestava isso mesmo: "vergonha", "remorso", partilha no "pavor e sensação de traição".

 

O pior, no meio deste imenso escândalo, foi a muralha de silêncio, erguida por quem tinha a obrigação primeira de defender as vítimas. Afinal, apenas deslocavam os abusadores, que, noutros lugares, continuavam a tragédia.

 

Há na Igreja uma pecha: o importante é que se não saiba, para evitar o escândalo. Ela tem, aliás, raízes estruturais: o sistema eclesiástico, clerical e hierárquico, acabou por criar a imagem de que os hierarcas teriam maior proximidade de Deus e do sagrado, de tal modo que ficavam acima de toda a suspeita. Mas, deste modo, aconteceu o pior: esqueceu-se as vítimas - no caso, crianças e adolescentes, remetidos para o silêncio e sem defesa.

 

null )

 

tags:

mais sobre mim
Março 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds