de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 22:34




Todos humanos e humanitários

1. Os acontecimentos recentes do Haiti, a par de outros do género onde a condição humana é fortemente interpelada, continua a fazer-nos relançar algumas questões fundamentais. Quantas vezes observamos que em situações trágicas as fronteiras são abertas à solicitude dos “outros”, ou as próprias linhas políticas são relativizadas, pois que socorrer os que mais precisam, sejam eles “quem” forem, afirma-se como o pilar essencial de acção. Mas depois, passado o limpar das águas ou o apagar do fogo parece que tudo volta ao passado de fronteiras fechadas, de relações sociais frias, sofrendo um forte apagão toda a frescura solidária que a urgência faz despertar nos primeiros tempos.

Alexandre Cruz



2. Onde pára a memória de situações trágicas no que elas podem ter de aprendizagem social, local e global? Quando se conseguirá integrar, mesmo nas escolas a partir das tenras idades, toda uma «educação humanitária» para se dar valor ao que se tem, ao que se come e se bebe, também de modo a não estragar, a rentabilizar, a reconhecer e agradecer? A sensação de que tantas vezes se está sempre a começar ou que há tanto de desperdício vivo na sociedade de consumo, faz compreender que a mensagem das tragédias humanitárias não passa o seu eco de sobriedade para quem tem pão de cada dia em abundância. A necessidade de pensar a partir da “praxis” (prática) é um imperativo do mundo global, onde a todo o momento todas as imagens e mensagens estão nas redes sociais da comunicação.

3. Todo um potencial humanitário através de organizações governamentais ou não é activado nas horas mais difíceis, com maior ou menor eficácia procura-se socorrer com todos os meios possíveis, mas, e depois da tragédia? Do que continuamente observamos e da análise mesmo que superficial pelo conteúdo dos chamados sistemas de educação (formal ou informal), perder-se continuamente um potencial educativo a partir da realidade, pois que este não é transferido para “os livros”, não desce ao campo dos saberes, não é ensinado para aprender. E quão importante seria para não se estar sempre no início!...

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 22:15



«Por escolas de outros tempos»


Penso que nunca se publicou tanto no nosso País como agora. Diariamente aparecem nas livrarias novas obras de jovens promissores e de escritores consagrados. As reedições sucedem-se, sinal de que há muita gente a ler. E se as edições se vão multiplicando dia a dia, com facilidade para alguns escritores e com imensas dificuldades para os novatos nestas lides da escrita, é sabido, também, que muitos outros se vêem obrigados a edições de autor, isto é, pagas pelos próprios, sem ajudas de ninguém. Os mais teimosos lá vão tentando descobrir patrocínios para as suas publicações, mas nem sempre é fácil. Outros desistem dessas preocupações e vão escrevendo para os familiares e amigos.
Um desses é o meu amigo Manuel Olívio da Rocha, um gafanhão que reside no Porto há décadas. Quase todos os anos, pelo Natal, brinda-nos com um trabalho que poderia, muito bem, ser impresso e distribuído por editoras que não se envolvessem somente com escritores que aparecem nas televisões ou nas rádios, ou que tenham amigos nos jornais e revistas, ligados a lóbis editoriais.


Neste Natal trouxe-me «Por escolas de outros tempos», onde nos oferece um retrato das escolas das nossas meninices. Evoca professores e alunos, fala das brincadeiras não ensaiadas, recorda exames que nos inquietavam e a «tinta que escorreu do aparo e pôs uma borrata logo ali no meio da cópia!»
Evoca professores que fizeram história na Gafanha da Nazaré e diz com graça: «Há dias em conversa alguém me dizia que o Professor Carlos era baixo e pequenote… Fiquei perplexo! Na minha ideia ele era um “gigante”… »
Ilustrado quanto baste, a preto e branco, como exige a bolsa do meu amigo, este trabalho do Manuel Olívio leva-me lá para trás, para folhear os livros que usávamos, escrever com a pena que entrava no tinteiro da carteira, antes de chegar ao papel. Dos borrões inesperados, dos mapas que duravam anos a fio, das provas levadas a sério, dos desenhos e das caligrafias, dos problemas de seis operações, do quadro preto que acolhia tanta sabedoria decorada e tantos erros que exasperavam os professores.
Depois há transcrições da Monografia da Gafanha do Padre Resende, a relação dos jogos daqueles tempos, ilustrados quando possível, adivinhas, poemas e outros textos.
E muito, muito mais, que seria impossível transcrever. O melhor é ler o livro. O pior é que o livro não foi editado nem está à venda. As editoras não podem. Mas há tanta coisa nas livrarias sem graça nenhuma, meu Deus.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 19:31

Navio-escola Sagres deixa o Porto de Aveiro durante a visita dos Grandes Veleiros


CMI patrocina viagem do navio-escola Sagres


O navio-escola Sagres iniciou, hoje, uma viagem de 11 meses, à volta do mundo, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Ílhavo, numa oportunidade única de promover além-fronteiras os valores e a cultura do nosso município, que tem “O Mar por Tradição”.

Leia mais aqui



tags: ,

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 19:11



O Sol ainda não saiu vencedor

Na luta contra a chuva e o frio, o sol ainda não saiu vencedor. Foi anunciada ontem a sua vitória, mas tal não se concretizou, decerto com medo de alguém. Não sei de quem. Vamos continuar a aguardar, para depois festejar.
De qualquer forma, saí de manhã para uma caminhada, de que já sentia saudades. Caminhei pouco porque os amigos que encontrei me levaram a desenferrujar a língua. Ouvi mais do que falei, mas também falei.
E é curioso como destes encontros saio normalmente enriquecido. De um ouvi histórias de um reencontro familiar, há tantos anos esperado, de outro fiquei a saber pormenores do começo do Cortejo dos Reis na Gafanha da Nazaré, à volta da antiga capela de Nossa Senhora da Nazaré, no lugar da Chave, e com um terceiro senti o entusiasmo com que aborda os temas ligados à sua colecção de livros antigos, sobretudo os que dizem respeito aos Descobrimentos Portugueses. Prometi visitá-lo um dia destes, para a entrevista que se impõe.
Também tomei conhecimento do falecimento de dois antigos colegas de escola, residentes em Aveiro. São eles o José Maria da Silva Soares Arroja e o Manuel Pompeu da Loura de Melo Figueiredo. A vida tem destas coisas. Colegas da juventude, cada um seguiu para o seu lado. Eles por Aveiro e eu na Gafanha da Nazaré. Os anos vão passando, os encontros rareando e as amizades ficam diluídas. Depois, lá vem o dia em que o anúncio dos seus falecimentos nos faz recordar vivências em comum. Os meus pêsames às suas famílias. Paz às suas almas.

FM


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 15:22
Sugestões de leitura no i de hoje


No editorial do i, Sílvia de Oliveira reflecte sobre o melhor candidato para as presidenciais, olhando para Cavaco Silva e Manuel Alegre. O primeiro, Cavaco, será tecnicamente perfeito, dotado de um imaculado sentido de Estado, de uma independência e seriedade à prova de bala e de uma inabalável estabilidade de carácter r ideológica; o segundo, Alegre, combateu em Angola, foi preso pela PIDE, esteve dez anos exilado na Argélia, é poeta, gosta de caçar e de touradas, é polémico e inconveniente, é arrogante e intelectual, tem mundo.  E depois, a jornalista pergunta: «Se pudesse escolher, com quem gostaria de beber uma cerveja?»

tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 15:08



Entre Ruínas

O Haiti entrou no grande teatro do mundo por motivos bem diferentes daqueles por que frequentemente era noticiado: as crises políticas e os golpes de Estado. À notícia do sismo sempre se juntou uma outra não menos dramática: a pobreza. Um dos países mais pobres do mundo, foi o subtítulo que sempre acompanhou as grandes manchetes sobre um sismo que teve apenas mais um ponto do que aquele que recentemente nos atingiu. Poderíamos ter sido nós.
Um acontecimento desta ordem, num grau de tragédia tão intenso, deixa-nos sempre um oceano de questões que vamos arrumando desajeitadamente até que o tempo nos canse, as imagens nos saturem e um outro evento nos mude os registos da emoção. Desta vez não foi excesso de chuvas, desabamentos, furações, possivelmente por maus-tratos que vamos dando à gestão do frio e do calor nos nossos mecanismos de civilização. Desta vez não sabemos bem o que há a fazer com placas tectónicas que se movem poucos quilómetros abaixo do mar e estoiram com o rés-do-chão do nosso planeta onde construímos as nossas casas e desenhamos as nossas cidades, desde o barracão rudimentar ao palácio presidencial.

António Rego


Neste oceano de ruínas perguntamos pela bondade de Deus, pela ordem do universo, pela inteligência harmoniosa das forças natureza. E deixamos, primeiro, tudo cair num magoado silêncio. Paradoxalmente a todas as perguntas que a morte e o sofrimento nos lançam, juntamos sempre uma: "a quem iremos, Senhor?"E podemos percorrer o pranto que se espalha em muitos salmos, as desolações que são lamentadas pelos profetas, as dores e ruínas que foram acompanhando a humanidade que cronistas, pintores, poetas e místicos plangeram. A Jerusalém destruída, o povo no exílio, o pranto e as lágrimas. E a cruz, com a sua dramática contradição, apenas iluminada no mistério de Deus. Quem mais nos poderá aquietar o coração?
Aqui se abre outro capítulo: foram destruídas muitas casas que nunca mereceram esse nome. Testemunhamos violência e desespero em momentos extremos. Assistimos a gestos de ternura e humanidade mais notórios nestes momentos. Chegaram olhares de solidariedade do mundo inteiro que foi assinando a evolução da tragédia a par de gestos sublimes que ela suscitou de abnegação e heroísmo. Atrasadas para a urgência, foram e vão chegando sinais de ajuda, fraternidade, renúncias dum mundo que tantas vezes parece leviano mas que tem momentos - quantas vezes na sequência de tragédias - em que traz ao de cima a humanidade que o habita.
O Haiti vai ressurgir das cinzas. A intensidade do sofrimento é excessiva para justificar a reconstrução dum país. Mas é mais uma paradoxal lição para a humanidade. A fé, em vez de obstáculo para todo este cenário, oferece a chave de redenção que insere nas contas e no tempo de Deus o que queremos encaixar apenas nos nossos cálculos imediatos. E na acção concreta dos homens. Com as energias de ressurreição que estão no íntimo de todos nós.
E um apelo, para que o Haiti e todos os Haitis do mundo sejam conhecidos e amados por outras razões que não a tragédia.

António Rego


Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Janeiro , 2010, 00:05


O sexo dos cônjuges


Desculpem o meu cepticismo. Mas parece-me que a possibilidade de um casamento só ter noivos ou noivas é pouco para começar ou acabar uma civilização. No fundo, estas "causas fracturantes" em Portugal têm menos que ver com a vida social do que com a vida política. Falamos do "casamento gay" porque o PCP e o BE querem entalar o PS e porque o PS não se quer deixar entalar e, já agora, quer entalar a direita.

Os homossexuais entram nesta história como carne para canhão político. Basta pensar que entre os seus advogados encontramos os comunistas, que criaram, nos países em que estiveram no poder, dos piores infernos do século XX para a homossexualidade (leiam as memórias de Reinaldo Arenas). Ou que o PS, para ficar de bem com toda a gente, não se importa de lhes dar com uma mão o casamento e com a outra, ao proibir adopções, a primeira discriminação legal. Com o devido respeito pelas boas almas a quem o caso excita, o que convém aqui ao cidadão é uma indiferença higiénica pelo que diz e faz uma classe política irremediavelmente cínica.

Rui Ramos

Leia mais no  EXPRESSO

mais sobre mim
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds