de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 22:34




A BRANCURA QUE CAI DOS CÉUS

A beira-mar tem os seus encantos: os horizontes largos dão-nos margem aos sonhos. Há décadas, um amigo meu do interior do País, de passagem pela Gafanha da Nazaré, quedava-se tardes inteiras sentado com os olhos fitos na linha longínqua que definia o oceano. Nunca tinha visto o mar, que não havia posses para passear até ao litoral. Nem sequer havia televisão na aldeia onde vivia.
Espantado com tanta obsessão pelo nosso mar, perguntei-lhe, como quem não quer a coisa, por que razão por ali ficava tanto tempo. Respondeu-me, com alguma candura, “que esperava ver, ao longe, sinais de terra”.
Vem isto a propósito dos terríficas mas simultaneamente belas paisagens nevadas, que o frio tem provocado por algumas zonas do País. Terríficas porque causam transtornos e podem mesmo meter medo a quem viaja. Belas porque nos mostram imagens raras como aquelas que os nossos olhos contemplam via televisão.
Eu, que nasci ao som do mar e com o cheiro a maresia a entrar-me por todos os poros, nunca pude apreciar ao vivo, em plena serra, o espectáculo da neve a cair e a pintar de branco puro montes e vales, florestas e pessoas. Apenas visitei uma vez a Serra da Estrela, e neve, a sério, por aqui, nunca. Apenas um dia, na escola onde leccionei, há muitos anos, caíram uns farrapitos de neve que mal cobriram o recreio. E todos, professores, empregada e alunos, deixaram livros e cadernos, problemas e leituras, para se deslumbrarem com a pureza que naquele dia nos levou a sorrir com gosto. Pudesse eu sentir o palpitar de um nevão e talvez ficasse como o meu amigo, extasiado, a apreciar a Natureza com tudo o que ela tem de bonito e de raro, em dias purificados pela brancura que cai dos céus.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 22:05



Finalmente aconteceu
o milagre na Quinta das Covadas!

Na tarde do dia 11 de Janeiro, após a celebração dos Reis no domingo anterior, duas coisinhas fofas apareceram ao lado da mãe Lia. Gémeos que se presume serem verdadeiros, pois as diferenças entre eles são difíceis de encontrar. A dona foi encontrá-los despidinhos, apenas cobertos com a roupa que Deus lhes deu, isto é, um casaquinho minúsculo de pele fina e castanha. Mal se sustinham nas pernitas delgadas e já queriam imitar os adultos, a andar, a siriquitar por ali. Várias cambalhotas presenciadas pela dona, sinal da pouca força que tinham nos seus membros. Um balido intenso saía daquelas boquinhas miniatura, sempre que sentiam alguma ameaça à sua integridade. Ah! Mas a mãe extremosa ali estava para acudir aos gritos dos filhotes!
Várias fotografias foram tiradas, momentos após o parto, como prova de que o tão ambicionado milagre ocorrera!
Augúrios de uma feliz vidinha, sob o olhar enternecido da dona, que até pensa que lhe saiu a sorte grande!

M.ª Donzília Almeida
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 21:55




De registar o ar intimidatório
dos soldados romanos

Realizou-se este domingo, dia 10 de Janeiro, mais um cortejo de Reis, cumprindo-se assim a tradição, que perfaz hoje um século.
Com condições meteorológicas adversas, chuva e frio de rachar, nada fez demover dos seus intentos, as inúmeras pessoas que integraram o desfile.
Com paragens em locais estratégicos da nossa vila, o espectáculo iniciou a sua actuação, no extremo sul da Gafanha da Encarnação, com a representação do auto dos reis. Com a sua origem no teatro das moralidades da Idade Média, temos aqui a recriação de cenas bíblicas relacionadas com o acontecimento histórico que acabámos de festejar — o nascimento de Jesus. A Anunciação do Anjo a Maria, a fuga para o Egipto, o temor do rei Herodes perante o nascimento de um rei que o pudesse destronar, etc, foram cenas que os actores amadores dramatizaram perante a audiência fiel de todos os anos.





Ao longo da freguesia foram construídos cenários improvisados, de acordo com os vários passos dos autos, sendo de referir e louvar a cedência de um palco volante, montado sobre o camião que o Sr Fernando Ribau gentilmente facultou para o efeito. Deve fazer-se aqui referência ao extremo labor de tanta gente voluntária que deu do seu precioso tempo para que tudo corresse na perfeição. Entre actores e outros participantes, contabilizaram-se 100 figurantes. Houve muito empenho e dedicação na confecção do guarda-roupa, muito trabalho de pesquisa para recriar, o mais fiel possível, os costumes, trajes, todo o ambiente da época. A caracterização foi tão boa, que a título de gracejo, o Pe Francisco Melo, no seu discurso de agradecimento à comunidade, aludiu ao ar intimidatório dos soldados romanos!



Houve brilhantismo nos adereços dos actores e muito colorido na indumentária das pessoas do povo que integraram o cortejo. E, apesar do frio que se fazia sentir, a adesão foi em massa.
Para encerrar as actividades, foi feito o agradecimento às várias entidades que contribuíram para a realização deste evento, nomeadamente a autarquia, na cedência do palco, à junta de freguesia, ao Pe Francisco Melo e a todos os populares que das mais diversas maneiras contribuíram e/ou integraram o cortejo.
Uma palavra especial para os progenitores do “Menino Jesus”, que emprestaram solenidade e realismo à festa, cedendo o seu bebé, para ficar ali nas palhinhas do presépio, durante a representação.Com todo o frio que estava, só mesmo um ser divino tinha a capacidade de resistir à intempérie!

M.ª Donzília Almeida

10.01.10



Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 21:40

Clint Eastwood no Gran Torino

Escolha do diretor do Departamento
de Cinema do arcebispado de Barcelona



BARCELONA, quarta-feira, 6 de janeiro de 2010 (ZENIT.org).- Como todos os anos, o Prof. Peio Sánchez, diretor do Departamento de Cinema do arcebispado de Barcelona (Espanha), oferece sua avaliação sobre os 10 melhores filmes do ponto de vista espiritual.
Sánchez afirma que, ao fazer este elenco, ele o apresenta “como um material válido para a recuperação educativa e pastoral através do DVD. (...) Parece-nos hoje imprescindível escolher bem o que vemos para sermos pessoas melhores. E acreditamos que esse tipo de cinema convida a aprofundar nos grandes interrogantes, propõe um olhar aberto ao mistério de Deus”.

1. Gran Torino (2008), Clint Eastwood

“Em Gran Torino, Clint Eastwood soube contar uma história simples com uma enorme força dramática, apresentando temas espirituais de fundo, como o sentido do perdão, a redenção como sacrifício e o caminho da conversão. E do ponto de vista cristão, não somente apresenta uma imagem positiva da Igreja, representada no Pe. Janovich, mas também oferece uma poderosa imagem crítica nas decisões finais do protagonista.”

Ler mais aqui
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 21:22


Papa lança alerta contra os flagelos da pobreza
e da fome e da destruição do ambiente


Bento XVI apelou esta Segunda-feira à defesa do ambiente e ao desarmamento nuclear, num encontro com o corpo diplomático acreditado no Vaticano, assinalando o início de um novo ano.

O Papa apresentou um retrato preocupante do mundo, com referência a “graves violências”, associadas aos “flagelos da pobreza e da fome e também às catástrofes naturais e à destruição do ambiente”.
Em particular, condenou as “resistências de ordem económica e política na luta contra a degradação do ambiente”, lembrando o fracasso da recente Cimeira de Copenhaga sobre as alterações climáticas.
Neste contexto, Bento XVI deixou votos de que “no decurso deste ano, primeiro em Bona e depois no México, seja possível chegar a um acordo para enfrentar de maneira eficaz esta questão”.
“Trata-se de uma aposta tanto mais importante quanto em jogo está o próprio destino de algumas nações, nomeadamente alguns Estados insulares”, precisou.
O Papa afirmou que “a negação de Deus desfigura a liberdade da pessoa humana, mas devasta também a criação” e que “daqui resulta que a salvaguarda da criação não visa tanto responder a uma exigência estética, como sobretudo a uma exigência moral".
Na linha de várias outras intervenções proferidas nos últimos meses, Bento XVI pediu que “esta atenção e este empenho pelo ambiente apareçam devidamente ordenados no conjunto dos grandes desafios que se colocam à humanidade” e criticou o “açambarcamento por alguns dos bens destinados a todos”.

Ler mais aqui


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Janeiro , 2010, 00:12


ESTOU BAPTIZADO. SOU CRISTÃO?


A pergunta parece redundante. De facto, quem é baptizado entra num estilo de vida tipicamente cristão. Pode assemelhar-se a quem entra na Universidade para ser bom aluno. O normal será viver de acordo com o seu novo estatuto, não sendo suficiente matricular-se ou simplesmente dizer-se universitário.
A festa do baptismo de Jesus – que se consuma na manhã de Páscoa com a ressurreição - faz-nos ver a novidade do ser cristão. Não basta o baptismo da água, à maneira de João Baptista, apesar de muito positivo. Não basta manter um costume, apesar da sua relação familiar e social. Não basta o rito religioso, apesar da marca que lhe está atribuída: ser expressão de uma atitude crente.
A vida, nos anos da sua duração, traz-nos muitos “baptismos de água” que revelam o grau da nossa humanidade: conselhos de sabedoria, atitudes de fortaleza e honradez, gestos de partilha e generosidade, lições de economia solidária, guias de entretenimento alegre e positivo, acções de formação ética e profissional, compromissos em prol da justiça e da paz.
À água é preciso unir o Espírito Santo – afirma João Baptista aos que tinham outras expectativas; Espírito que se manifesta de vários modos e vai moldando a vida de quem o acolhe com abertura e simplicidade de coração.


São estes modos que configuram o cristão que há em nós e vai crescendo com a graça de Deus, o esforço pessoal e a ajuda dos outros, especialmente da família, do grupo apostólico, da comunidade cristã.
Ser cristão é, não apenas estar baptizado, mas viver e desenvolver os dons recebidos na celebração e patenteados na actuação diária: reconhecer que a nossa comum humanidade se alicerça na filiação divina – em Jesus Cristo, somos constituídos filhos de Deus; sintonizar o agir da consciência e as preferências do coração pelo amor que vem de Deus e nos anima a ser coerentes; assumir os desafios da mudança em curso e, com espírito sábio, interpretar o sentido que comportam e o grau de humanização que manifestam; colocar todo o esforço ao serviço do bem comum – expressão secular do projecto de felicidade que Deus nos oferece -, vencendo a indiferença e a hipocrisia, os grandes males da nossa época.
Ser cristão é fazer a experiência diária, alegre e feliz, de ouvir a voz da consciência que, em nome de Deus, vai segredando: Estou contigo, em ti me revejo e confio, és o meu encanto. Sem medo, comunica esta alegre notícia por toda a parte.

 Georgino Rocha

mais sobre mim
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds