de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 23:55


BOM INVERNO PARA TODOS


Oficialmente, começa hoje o Inverno. Na prática, já o temos há bastante tempo. O que nos vale é que depois da tempestade vem a bonança, com flores e promessa de que a alegria do Verão está à porta.
Cá para mim, apesar de tudo, cada estação tem a sua magia. O que é preciso é ter o dom de a saborear no dia-a-dia, para sentirmos que afinal a vida vale mesmo ser vivida, com a certeza de que o importante é sermos felizes, fazendo felizes quem nos rodeia.
O Inverno dá-nos tempo para se ficar por casa. Com livros, música e criatividade, de parceria com o gosto de partilhar amizades e de cimentar conhecimentos, haverá motivos para que o frio, o vento e a chuva nos dêem oportunidades de nos encontrarmos a nós próprios.
Bom Inverno para todos.

Fernando Martins

tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 22:09
Confrontos não resolvidos
podem levar à violência


Bento XVI lembrou esta Segunda-feira as viagens que realizou ao longo de 2009, destacando em particular as viagens a África e à Terra Santa e a realização do Sínodo dos Bispos, com um apelo à “reconciliação” entre os povos.

“Um olhar sobre os sofrimentos e penas da história recente de África, mas também de muitas outras partes do planeta, mostra que confrontos não resolvidos e profundamente radicados podem levar, em certas situações, a explosões de violência”, alertou.
Dois dias depois de ter declarado Pio XII como venerável, o Papa recordou também a sua passagem pelo Yad Vashem, o museu do Holocausto, em Israel, que classificou como “um encontro com a crueldade da culpa humana, com o ódio de uma ideologia cega que, sem qualquer justificação, destinou à morte milhões de pessoas”.
“Este é, em primeiro lugar, um monumento comemorativo contra o ódio, um apelo à purificação e ao perdão, ao amor”, acrescentou.
No encontro de Natal com os membros da Cúria Romana, o Papa passou em revista alguns “pontos-chave” do ano da Igreja, que ficou marcado pela preocupação com o continente africano.
Lembrando a viagem que realizou em Março deste ano aos Camarões e Angola, Bento XVI falou na “alegria festiva e o afecto cordial” com que foi recebido e a maneira como decorreram as celebrações litúrgicas. A viagem abria caminho para a realização da assembleia especial do Sínodo dos Bispos para África, considerando o Papa que nos dois momentos “a renovação litúrgica do Vaticano II ganhou forma, de modo exemplar”.

Ler mais aqui
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 21:32


As raízes da transparência

1. A «transparência» vai-se afirmando como um valor inalienável em ordem à clareza dos tempos futuros. A própria recente Cimeira de Copenhaga, nas suas ambíguas lutas de argumentação, trouxe para o cimo da mesa a necessidade de um realismo vigilante em termos de aplicação de decisões, caminho este que só é possível com a transparência, a partilha de informação, o sentido de bem comum. À medida que nos estados ditos de organizados a corrupção foi alastrando salienta-se, simultaneamente, o emergir de instâncias que vêm zelar pela responsabilidade esquecida. Novos e admiráveis passos de progresso técnico são dados cada dia, mas estes não conseguem travar a dificuldade de preservar os territórios da transparência e da verdade de não querer acima daquilo que é o “dever ser”. Planos inclinados…

2. Geram-se novos conhecimentos, ultrapassam-se as fronteiras das éticas e depois criam-se novas organizações pela defesa daqueles valores que deveriam de ser pressupostos numa sociedade dita de humana. Um dia destes demos conta em notícia da existência da Transparency International, uma prestigiada ONG (organização não governamental) que luta contra a corrupção. Este organismo está em fase de entrada e instalação em Portugal, um dos três países da Europa em que ainda não tem ligações. Esta entrada de Portugal vai ter direito a vir nas listagens internacionais, já que no mundo a Transparency International é a instância que publica o único ranking de corrupção mundial e que trabalha com a ONU.

3. Está fora de questão que é essencial todo o esforço purificador no sentido da verdade, da justiça e da transparência, isto é, verdade partilhada. Mas não existam dúvidas que tal como os valores fundamentais que dão sentido à vida não surgem por decreto, assim também o fim da corrupção não é algo que brote pela negativa (penalização do corrupto) mas pela consciência da ética e do dever de viver com os outros. Há raízes mais profundas que organizações ou decretos.

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 21:01


Mostro hoje um outro livro antigo da minha biblioteca. "O MARTYR DO GOLGOTHA", em três volumes, ilustrados a preto e branco, é da autoria de Henrique Perez Escrich. A tradução é de J. Cruzeiro Seixas. Trata-se da terceira edição publicada pela Bibliotheca do Cura de Aldeia, do Porto, datada de 1879, com permissão do Eminentíssimo Cardeal Bispo do Porto. Desta obra foram extraídos os Autos de Natal, apresentados, há muitos anos, no Cortejo dos Reis.
Henrique Perez Escrich foi um romancista e dramaturgo espanhol nascido em Valência em 1829 e falecido em 1897 na cidade de Madrid.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 18:34
Até onde vai esta coabitação desgraçada? Como se há-de dar volta a isto? Será que anda por aí alguém a  querer matar o País? Será que...? Leiam aqui.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Dezembro , 2009, 12:17

Presidente do Stella Maris, segundo a partir da direita, com convidados


É preciso construir a Pátria da Fraternidade

No sábado, 19 de Dezembro, realizou-se mais um almoço solidário, por iniciativa do Clube Stella Maris, da Obra do Apostolado do Mar. Destinado a famílias e pessoas que vivem uma certa solidão, o Stella Maris contou com a colaboração de instituições, empresas, outras entidades e pessoas, normalmente disponíveis para a partilha, sobretudo em época natalícia, partilha essa que muitos cultivam durante todo o ano.
O nosso prior, Padre Francisco Melo, em seu nome e em nome do nosso Bispo, que não pôde estar presente por tarefas apostólicas inadiáveis, mostrou a sua gratidão aos que contribuem para que o Stella Maris seja possível, incentivando-os a prosseguir para “vencerem as dificuldades e enfrentarem os desafios para andarmos para a frente”. Disse que era importante que “esta instituição cresça mais para melhor servir”, manifestando a sua alegria pela colaboração prestada pelas instituições ligadas à Igreja. Ainda sublinhou que o nosso Bispo, D. António Francisco, nos lançou recentemente, na sua Mensagem de Natal, o desafio de partilharmos o encontro, contribuindo, de forma concreta, para a construção da “Pátria da fraternidade, da justiça e da paz”.



Aspecto do almoço solidário

Joaquim Simões, presidente do clube Stella Maris, sedeado na Gafanha da Nazaré, na Cale da Vila, disse que esta festa familiar se concretizou pela quarta vez consecutiva, apesar da crise que afecta tudo e todos. E, logicamente, o próprio Stella Maris, por força das profundas alterações que se operaram na área portuária, pela radical diminuição da frota pesqueira portuguesa. Também pela ligação ferroviária ao Porto de Aveiro e pelas novas vias de acesso.



Prior Francisco Melo, à direita, com um jovem colaborador

Desejou a todos os participantes e convidados um Feliz Natal e um bom Ano Novo, prometendo que o Stella Maris tudo fará para continuar no futuro com este almoço solidário. Mas ainda agradeceu aos colegas da direcção, aos Escuteiros e Jovens da Catequese, bem como aos seus dirigentes, a dedicação com que se envolveram neste encontro natalício.
Paulo Costa, vereador da Acção Social da Câmara Municipal de Ílhavo e representante do presidente da autarquia, congratulou-se com a solidariedade manifestada para com pessoas carentes. Prometeu que nas funções que há pouco começou a exercer procurará estar próximo de todos, "para os ouvir", tendo em vista decidir em função das necessidades detectadas. Referiu que temos de assumir as crises, “porque somos Portugal para o bem e para o mal, sem perdermos a esperança em dias melhores”, vivendo sempre em “espírito solidário”.

FM

tags:

mais sobre mim
Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



29


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds