de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 22:17

Filarmónica Gafanhense


Filarmónica Gafanhense tem um sonho...

A Filarmónica Gafanhense celebrou, no sábado, 24, mais um aniversário, o 173.º, de uma vida longa em prol da cultura musical. Houve concerto nas escadarias da igreja matriz, romagem ao cemitério e participação na eucaristia das 19 horas, que animou com o seus músicos e coral.
Muitas pessoas assistiram, em sinal evidente de que gostam da nossa Filarmónica, sempre presente nos mais diversos eventos que ocorrem não só na freguesia da Gafanha da Nazaré, mas também na área concelhia. As suas actuações passam, ainda, por muitas festas, um pouco por todo o lado.
A Filarmónica, mãe do Grupo Coral, da Banda Juvenil e da Orquestra Jovem, ainda assume a responsabilidade, que é uma necessidade, de formar os seus músicos e coralistas, com a contribuição, indispensável, de professores especializados no ensino da música e de vários instrumentos.
Presentemente, tem 40 executantes musicais e outros tantos coralistas, ostentando o estatuto de Utilidade Pública, como reconhecimento pela sua acção no domínio da cultura.
Segundo nos afirmou o seu director, Carlos Sarabando Bola, a Filarmónica Gafanhense tem um sonho, que acalenta há anos: possuir uma sede onde possa ensaiar, ensinar e preservar a sua memória, com 173 anos de vida. Há promessas que esperam concretização. Pode ser que a festa do centenário da freguesia e paróquia traga novidades.



Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 20:13

Comissão de Festas

Importa respeitar a legislação
em vigor sobre festas religiosas

No domingo, na missa das 10 horas, celebrada pelo Prior da Gafanha da Nazaré, Padre Francisco Melo, tomou posse a Comissão de Festas em honra da nossa Padroeira, com o propósito firme de levar por diante uns festejos condignos no próximo ano, 2010, ano em que a freguesia e paróquia comemoram um século de existência.
Depois das palavras estimulantes do nosso Prior,  no sentido de promoverem o culto a Nossa Senhora da Nazaré, razão primeira das festas, os empossados leram, em conjunto, o compromisso de respeitar as leis da Diocese de Aveiro, no referente às festividades ligadas a Nossa Senhora e demais padroeiros e outros santos, venerados nas diversas paróquias.

Sublinho este acontecimento por saber que nem sempre os princípios estabelecidos, legalmente, pela Diocese são respeitados, não sei por culpa de quem, uma vez que os párocos, admito, não se têm esquecido de lembrar, a quantos integram as comissões de festas, o que está determinado, com rubrica indispensável do bispo diocesano.
Estranho, por isso, que em algumas paróquias surjam conflitos, num claro desrespeito ao que, desde há muito, ficou legislado, organizando as festas e encaminhando dinheiros remanescentes à revelia do que está oficialmente escrito.
Lamento ainda que, durante as festas ligadas à Igreja, sobretudo na parte chamada profana, haja cantores de baixo nível, a que não chamo artistas, que usam e abusam de uma linguagem pior que brejeira, ofensiva do respeito que devem merecer os santos e Nossa Senhora. Julgo que se impõe uma reflexão sobre estes pormenores, no sentido de se dignificarem os festejos que à sombra da Igreja Católica se realizam, sobretudo no Verão, como manda a tradição.

Fernando Martins

tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 19:23



1. Já há dois anos que as proporções dos atentados não chegavam ao nível deste 25 de Outubro 2009. Os relatórios de Bagdad apontaram de imediato para mais de 130 pessoas mortas e cerca de 600 que ficaram feridas na sequência da explosão de dois carros armadilhados no centro da capital iraquiana. Quatro hospitais da capital acolheram as vítimas do estrondo dos dois veículos que em locais distintos quase em simultâneo vitimizaram tanta gente. A estratégica foi cruel e premeditada: um carro explodiu junto ao edifício do governo, outro no bairro Al Salehiya, junto ao ministério da justiça. Governo e Justiça, dois pilares da estruturação social que são atingidos em tempos eleitorais.

2. Ainda um outro ponto de referência: os atentados registaram-se perto da designada «Zona Verde», esta que abriga as embaixadas dos Estados Unidos e do Reino Unido e ainda protege alguns edifícios governamentais do Iraque. Esta zona de forte segurança sentiu os abalos de uma insegurança iraquiana que persiste em atingir melhores dias. Nas televisões e das ruas sentia-se o desespero pela situação em que se torna impossível o viver, o dormir, o andar pelas ruas com normalidade… Estranho mundo dessa grande cidade da antiguidade persa, onde tantas correntes de pensamento ao longo da história foram apontando bons indicadores para a Humanidade em geral. Será uma fatalidade o que acontece por aqueles lados?

3. Os caminhos da tolerância entre todas as etnias e entre todas oposições será talvez o maior desafio do século XXI. Ao vermos nessas ruas de Bagdad tantos gritos para tantos lados onde todos pensam que são os únicos que têm razão…esta cenário faz sentir quanto difícil é a convivência humana em circunstâncias onde se absolutiza aquilo que é humano. Nenhuma terra deste mundo é santa, as pessoas sim, poderão, quando em diálogo fraterno com os outros, ser santas. Quanto mais difícil mais urgente é esta nova consciência do essencial.


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 11:15



De pequenino se torce o pepino

- Ela bate-me!
Descontextualizada, esta frase prefiguraria um cenário de violência doméstica! Com os movimentos de emancipação da mulher e a luta pela igualização ao homem, declarações destas são cada vez mais recorrentes e já há notícia de homens a apresentar queixa na A.P.P.A.V.!
Sinais dos tempos, ou apenas um mero ajuste de contas?
De tão explorada, violentada e maltratada, a diversos níveis, a mulher parece ter ganho consciência da sua força, não a nível meramente psicológico, já sobejamente aceite pela hierarquia masculina, mas também ao nível da força braçal!!! Que se cuidem os cavalheiros... pois a este ritmo, o mulherio ainda vai destronar o rei da violência doméstica – o sexo masculino!!!
Não foi, no entanto, neste mundo bizarro dos adultos, que a frase foi proferida. Numa sala de aula, quando todos saíam já, para um merecido intervalo.
Aquele aluno manifestara, durante a aula, uma agitação inusitada, não parava de mexer-se na carteira, por várias vezes fora admoestado pela teacher, que exasperava. Esta pensava já, no correctivo a aplicar-lhe, mas não descortinara ainda qual. A escrita repetida da regra da aula que estava constantemente a transgredir, acenava-lhe como possível e dissuasora de futuros desvios comportamentais. Mas, cogitava a mestra: -  ocupar-lhe os bracitos a escrever “n” vezes a frase, passaria a uma rotina que se ficaria apenas por um ligeiro cansaço dos membros superiores, mas deixar-lhe-ia a mente e ainda mais a língua, bem soltas, para continuar a agitar-se e a falar pelos cotovelos.
- Discutam em Inglês! Não me importo que o façam, desde que pratiquem a língua que estão a aprender! - disse-lhes várias vezes.
Era preciso que a deixassem primeiro, treiná-los na argumentação!
Calam-se logo, quando instados a traduzir para língua estrangeira as brincadeiras e quezílias duma infância hiperactiva!
Retraiu-se e foi adiando a aplicação do “castigo”, para trabalho de casa, que encurtando-lhe o tempo de brincadeira e de televisão, talvez resultasse mais. Assim aconteceu e a aula acabou.
Quando já todos os colegas tinham saído, abeira-se da teacher o Joãozinho Amoroso e sussurra-lhe quase ao ouvido, com ar decidido:
- Gosto de uma garota, mas ela não gosta de mim!
- E....? Indaga a teacher.
- Ela, como não gosta de mim, bate-me!
- Ah... que patético! Pensa para si.
- Que forma expedita de usar as mãos...para “dar com os pés!”
- Ah! Replica o João com ar vitorioso.
- Mas eu já lhe disse, que quanto mais ela me bate, mais gosto dela!
Estaremos perante a fase embrionária de um amor platónico? Nos seus tempos de menina e moça, não era assim! Nem havia “violência” no namoro, quanto mais na intenção dele! E... amor platónico... que a autora também experimentou... era mesmo só no universo das ideias, da pura espiritualidade! Noutros tempos... em que Platão ainda tinha seguidores! Hoje a filosofia é outra! Começa-se cedo e logo de forma contundente! Não há tempo a perder e há que passar logo à acção!
Ou será esta gente de palmo e meio que tem razão e inicia-se, mal nasce, nesta aventura dos sentimentos, do amor?
Amores não correspondidos, sempre os houve, mas... violência doméstica desde tão pequenino... é obra dum Cupido mal orientado, que sofre de cegueira... ou teremos que concluir com a voz do povo que diz: “De pequenino se torce o pepino”?

M.ª Donzília Almeida

25-10-09

tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Outubro , 2009, 11:02



"Não adianta mudar de tractor, se o problema é do tractorista. E o nosso problema é precisamente este. Os nossos governantes passam a vida a mudar as leis, quando o problema é de quem as aplica. Qual a solução? É fácil. Primeiro, não mudar de tractor, depois ensinar o tractorista a usar o tractor,  por fim, substituir o tractorista se ele não aprender ou não quiser aprender."

Santa-Maia Leonardo

No i de hoje

mais sobre mim
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds